Sistema Ferroviário necessita de investimentos públicos e privados

Agronegócio

Sistema Ferroviário necessita de investimentos públicos e privados

“A ineficiência no transporte prejudica drasticamente o escoamento da produção e principalmente a rentabilidade do produtor"
Por: -Janice
2059 acessos
Para discutir a competitividade do Sistema Ferroviário Brasileiro, a Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE) e a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja) realizaram na manhã da sexta-feira (25) o XX Fórum ABAG, em São Paulo.

Todos reconhecem a competência do agronegócio brasileiro dentro da porteira e a importação cada vez maior de outros países pelos produtos nacionais (alimentos, fibras e biomassa). Uma das questões prioritárias e de maior interesse das cadeias produtivas hoje é transporte, para competir com mais força nos mercados internacionais.
O consultor para logística de transportes da CNA – Confederação Nacional de Agricultura, Luiz Antonio Fayet defendeu a revisão dos contratos de concessão, aproveitamento de linhas inoperantes, a revisão das tabelas referenciais de preços de fretes e o código de direito dos usuários. “O colapso portuário é hoje a situação mais dramática. Para amenizar o problema precisaríamos investir 30 bilhões de dólares até 2020”, disse Fayet. Tivemos melhorias depois da privatização da Rede Ferroviária Federal, de acordo com a Lei Federal n° 11.483, de 31 de maio de 2007. Mesmo assim, ainda continua baixa a disponibilidade de rotas, de vagões e de equipamentos.

De acordo com Bernardo Figueiredo, da Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), que regula o setor ferroviário, a agência irá editar três resoluções para alterar regras de setor e rever de forma emergencial as tabelas de preços máximos. Em razão de baixos investimentos na via permanente e de uma estrutura regulatória inadequada, o transporte ferroviário apresenta desempenho muito aquém da necessidade do agronegócio e do País. Consultas públicas recentes do órgão poderão estimular a concorrência e reverter esta situação.

“A ineficiência no transporte prejudica drasticamente o escoamento da produção e principalmente a rentabilidade do produtor. O seu custo logístico não consegue ser repassado para os elos à jusante da cadeia produtiva. Não aproveitamos para explorar mais e melhor os modelos em cima das ferrovias e hidrovias. O modal ferroviário é o mais recomendável para as nações de dimensões continentais, como o Brasil. É o que fazem estrategicamente os Estados Unidos, Canadá e Rússia”, destacou Carlo Lovatelli, Presidente da Abag.

As informações são da assessoria de imprensa da Abag – Associação Brasileira do Agronegócio.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink