Sobra frango no mercado e avicultura entra em crise no Brasil


Agronegócio

Sobra frango no mercado e avicultura entra em crise no Brasil

Por: -Admin
2 acessos

Está sobrando frango no Brasil. Para os produtores a avicultura brasileira está em crise deflagrada pelo aumento da produção, pela queda no consumo doméstico e pelas restrições do mercado externo. Desde 1999, a oferta de carne de frango cresce entre 10% e 14% por ano. Em 2002, esse volume bateu em 7,43 milhões de toneladas 13% mais do que em 2001. Nesse período, a demanda acompanhou a oferta com exceção de um ou outro mês e a exportação cresceu em 2002, o país exportou 1,6 milhão de toneladas de frango, 28% mais do que em 2001.

No início deste ano, porém, o cenário mudou. O consumo de frango no mercado interno caiu cerca de 10%, especialmente no Estado de São Paulo. Apesar disso, as indústrias mantiveram o ritmo de abate de aves. O mercado externo, que poderia absorver a sobra, ficou mais seletivo. A Rússia, um dos principais importadores do Brasil, fechou as portas para a entrada de frango. Além de estabelecer cotas aos países a partir de 1º de abril deste ano, quer que os exportadores atualizem seus cadastros antes de colocarem o produto no mercado russo. O Brasil, que exportou 300 mil toneladas de frango para a Rússia em 2002, ficou com uma cota de apenas 33,3 mil toneladas por ano.

A União Européia também colocou obstáculos ao frango brasileiro. Os países europeus não querem que o Brasil utilize o antibiótico nitrofurano para combater a infecção respiratória das aves. Querem também que o país aumente o teor de sal no produto para que o Brasil pague mais imposto para entrar na Europa. ''São medidas protecionistas dos europeus", diz Paulo Prete, sócio-proprietário da Avícola Paulista.

A UBA (União Brasileira de Avicultura) e a APA (Associação Paulista de Avicultura) recomendam cautela na produção de carne de frango. A APA sugere redução entre 5% e 10%. Essa seria uma forma de equilibrar a oferta e a demanda, e, em consequência, melhorar os preços.

''A maioria dos abatedouros de frango, cerca de 200 no país, está operando com prejuízo neste mês. Não dá para vender o frango mais barato do que está", diz Érico Antônio Pozzer, vice-presidente da APA. A pressão também vem do aumento de custos que chega a aproximadamente 50% em 2002, especialmente com as altas do milho e da soja. Neste mês, o preço médio do frango abatido (no atacado) está em torno de R$ 1,75 o quilo, isto é, praticamente o mesmo preço de julho de 2002. Em dólar, o preço também caiu. Hoje está em US$ 0,49 por quilo. Chegou a US$ 0,60 em novembro de 2002.

Se o alojamento de aves continuar no volume em que está, o preço poderá cair ainda mais. Em janeiro, segundo a UBA, havia 330 milhões de pintos alojados no país, 23 milhões a mais do que em janeiro de 2002. Em dezembro de 2002, o alojamento também foi elevado: 333 milhões de aves.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink