Soja em alta com sinais de acordo EUA/China

ANÁLISE AGROLINK

Soja em alta com sinais de acordo EUA/China

Um sentimento otimista sobre a Guerra Comercial pairou sobre os bastidores de Chicago
Por: -Leonardo Gottems
736 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

O preço da soja na Bolsa de Cereais de Chicago registrou na terça-feira (12.02) alta de 12,50 pontos no contrato de Março/19, fechando em US$ 9,175 por bushel. Os demais vencimentos em destaque da commodity na CBOT também fecharam a sessão com valorizações entre 11,75 e 12,50 pontos.

Os principais contratos futuros reverteram as expectativas e avançaram no mercado norte-americano da soja, com esperanças em possível acerto comercial dos Estados Unidos com a China. O gigante asiático “comprou nove cargos de soja norte-americana nos últimos dois dias, elevando entre 5 e 10 cents os prêmios em geral. A empresa estatal chinesa Sinograin também comprou três cargos de soja argentina e 6 cargos do Brasil”, aponta o analista Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica. 

De acordo com a Consultoria AgResource, assim como já era de se esperar, a política dominou a CBOT neste início de semana: “Um sentimento otimista sobre a Guerra Comercial pairou sobre os bastidores aqui de Chicago hoje, impulsionando um agressivo movimento de compras. Entretanto, a recuperação das cotações da soja não traz tanta convicção, uma vez que ainda não foram concluídas as negociações entre EUA e China”. 

Apesar de conversas já estarem acontecendo, representantes do “alto-clero de Trump e Jinping” só se encontrarão na quinta-feira hoje (14.02). A ARC reafirma que um acordo entre as nações será presente, entretanto ainda impossível de prever a viabilização desta reconciliação comercial. 

“Na Argentina, a falta de soja disponível nos últimos 12 meses forçou a maior importação do grão na história do país, totalizando 6,6 MT. No último semestre de 2018 a principal origem destas compras foram os EUA, que possuía a soja mais barata frente a concentração da demanda chinesa no Brasil”, concluem os analistas da ARC Mercosul.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink