Sojicultor de MT terá recomposição de margem

Agronegócio

Sojicultor de MT terá recomposição de margem

Redução de custos e elevação de preços da soja no mercado favorecem produtor
Por: -Mauro Zafalon e Karla Domingues
1571 acessos

Redução de custos e elevação de preços da soja no mercado internacional vão dar boa margem líquida operacional para os produtores de Mato Grosso.

Em Primavera do Leste, a receita líquida poderá atingir R$ 782 por hectare, tomando como base os custos de produção de maio e projeções de preços para março de 2011. Na safra anterior, foi de apenas R$ 103.

A informação é do Cepea, que pesquisou preços e custos nas regiões de Sorriso, de Primavera do Leste e de Rondonópolis (todas em MT).

Do lado dos custos, a desvalorização do dólar permitiu a compra do adubo da temporada atual e dos defensivos agrícolas a preços mais favoráveis.

Do lado dos preços, a valorização da soja no mercado internacional tem compensado a perda de competitividade da oleaginosa com o fortalecimento do real.

Para a safra 2010/11, foram tomados os preços médios dos insumos em maio deste ano e, quanto aos preços de venda, a média FOB Paranaguá para embarque em março de 2011 calculada pelo Cepea ao longo de outubro.

Sob essas referências, o custo médio operacional da soja na região de Sorriso na safra 2009/10 foi de R$ 1.258 por hectare. Com a produtividade na casa de 52 sacas por hectare e o preço médio de venda a R$ 25,10 por saca, a receita bruta foi de R$ 1.305 por hectare.

Dessa forma, a margem líquida operacional daquela safra foi de R$ 47,26 por hectare. Já na safra em curso, estimam-se custos de R$ 1.103 por hectare, produtividade também de 52 sacas e venda a R$ 32,69 por saca.

Se esses valores se confirmarem, o produtor teria redução de 12% nos custos e aumento por volta de 30% no preço de comercialização. A margem chegaria a R$ 597 por hectare.

Já na região de Rondonópolis, a receita líquida pode chegar a R$ 770 por hectare, contra R$ 210 há um ano.

Efeito Argentina A falta de chuva em algumas regiões argentinas produtoras de soja provocou forte elevação da oleaginosa na parte da manhã na Bolsa de Chicago. No fechamento, o produto esteve a US$ 12,20 por bushel para o primeiro contrato, com alta de 1,7%.

No Sul A situação climática também não é favorável no Rio Grande do Sul, que enfrentará período de estiagem nos próximos dez dias. Isso poderá afetar as lavouras de verão e o desenvolvimento do plantio de soja ainda não finalizado, afirmaram especialistas à Reuters.

Queda em NY O algodão manteve o ritmo de queda e recuou 4,7% ontem na Bolsa de commodities de Nova York. Já o café caiu 1,8%. Mesmo assim, os dois ainda mantêm boas altas em relação a novembro de 2009: 73% e 53%, respectivamente.

Algodão As importações devem somar US$ 63 milhões neste mês, 113% mais do que em novembro de 2009.

Café As exportações de café, que vêm batendo recordes neste ano, devem ficar próximas de US$ 600 milhões neste mês, 53% acima dos valores do mesmo mês do ano passado.

Feijão Os preços continuam em queda. Pesquisa da Folha já mostra até R$ 90 por saca em Minas Gerais. A média dos preços apurados ainda mostra R$ 111, com recuo de 12% ontem.

OLHO NO PREÇO COTAÇÕES

Mercado Interno

BOI GORDO
(arroba em R$) 105,00
SUÍNO
(arroba em R$) 68,60

Nova York

AÇÚCAR
(cent.de US$)* 26,50
ALGODÃO
(cent.de US$)* 121,90
* por libra-peso

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink