Solução pacífica contra protecionismo europeu ao frango
CI
Agronegócio

Solução pacífica contra protecionismo europeu ao frango

Por: -Admin

Diplomatas do Brasil e da União Européia (UE) se reúnem hoje em Genebra, para discutir uma solução pacífica para as barreiras que o frango brasileiro sofre para entrar no mercado europeu. O Itamaraty fará perguntas aos representantes de Bruxelas e, a partir das respostas, poderá pedir a intervenção da Organização Mundial do Comércio para julgar o caso.

O motivo da nova disputa é a quantidade de sal no produto. Bruxelas acusa os exportadores de frango do Brasil de estarem se aproveitando de uma brecha na lei da UE para vender mais para a Europa. A norma prevê que a tarifa para carnes congeladas seja de 70%. Já a tarifa para carnes salgadas, isto é, cujo processo de conserva é o sal, é de 15,4%.

Os exportadores de frango do Brasil, portanto, teriam adotado a estratégia de colocar o mínimo exigido de 1,2% de sal. Assim, pagariam apenas a tarifa menor para entrar no mercado europeu. Segundo os europeus, o resultado da manobra foi o aumento significativo das exportações brasileiras. De fato, os dados do governo apontam que as exportações de frango salgado aumentaram de US$ 117 milhões, em 2000, para US$ 329 milhões, em 2001.

O que o Brasil questiona é que Bruxelas decidiu elevar a exigência de teor de sal de 1,2% para 1,9%. O Brasil questiona a utilização da reclassificação do produto como medida protecionista, o que estaria violando as regras da OMC.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.