Técnicos do IMA monitoram lavouras de morango e tomate em MG

Agronegócio

Técnicos do IMA monitoram lavouras de morango e tomate em MG

Os técnicos querem saber a quantidade de resíduo de agrotóxicos que permanece no produto no momento da colheita
Por:
476 acessos
O IMA, Instituto Mineiro de Agropecuária, está monitorando lavouras de morango e tomate em dez municípios do Estado. Os técnicos querem saber a quantidade de resíduo de agrotóxicos que permanece no produto no momento da colheita.

O município de Alfredo Vasconcelos, que fica na zona da mata mineira, é um dos maiores produtores de morango do Estado, com duas mil toneladas por ano.

Os técnicos do IMA foram ao sítio do produtor José Sávio de Souza para coletar uma amostra de morango da lavoura. O produtor levou os fiscais até a área de plantio. Os morangos estavam madurinhos. O técnico recolhe um quilo da fruta e fecha o saco plástico com um lacre.

A amostra foi levada para o laboratório do IMA em Belo Horizonte. Os técnicos avaliam a quantidade de agrotóxico presente nos frutos e se o agricultor utiliza o produto químico recomendado para a lavoura de morango. Em 15 dias o produtor recebe o resultado da análise.

“Se a análise der alguma alteração nós notificamos o produtor e orientamos a fazer o uso correto de agrotóxico”, esclareceu Roberto Rezende, técnico agrícola do IMA.

Os técnicos também verificam se os trabalhadores usam equipamento de proteção individual, se as embalagens vazias de agrotóxico são recolhidas do campo e se a propriedade tem local adequado para guardá-las.

“Tem que fazer o uso correto e seguro para ele proteger a sua saúde e oferecer um produto de boa qualidade para o consumidor”, avisou Jânio Pires, agrônomo do IMA.

O produtor José Sávio segue todas as normas e não tem medo do resultado da análise de resíduos de agrotóxico graças a certos cuidados na lavoura. “A gente faz uma adubação equilibrada. As plantas ficam mais resistentes e adoecem menos. E fazemos um monitoramento das plantas no olho do produtor para só aplicar quando necessário”, disse.

O monitoramento dos resíduos de agrotóxico vai até dezembro.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink