Tecnologias para pimenta-do-reino são divulgadas em Castanhal e Igarapé-açu

Agronegócio

Tecnologias para pimenta-do-reino são divulgadas em Castanhal e Igarapé-açu

Dia de campo será Aberto ao público e acontecerá na manhã de sexta-feira (30) sobre a cultura da pimenta-do-reino.
Por:
513 acessos

Uma dezena de tecnologias recomendadas pela pesquisa para melhoria da cultura da pimenta-do-reino no Pará, maior produtor nacional da especiaria, serão estudadas e demonstradas em dois eventos promovidos pela Embrapa Amazônia Oriental no nordeste paraense esta semana. Aberto ao público, o dia de campo em Igarapé-açu acontecerá na manhã de sexta-feira (30) em área de produtor.

Já o curso focado na divulgação de boas práticas para a pipericultura ocorre em Castanhal nesta quarta e quinta (28 e 29), no Instituto Federal de Educação Tecnológica (IFPA). Os esforços científicos que visam alavancar a cultura da pimenta-do-reino no Pará, além de aumentar a produtividade, consideram também minimizar um dos principais entraves da cultura: em decorrência principalmente de doenças, em especial a fusariose, a longevidade dos pimentais tem sido de apenas 5 a 6 anos, quando poderia ser o dobro desse tempo.

"O desafio é promover a adoção das práticas que, no seu conjunto, aumentem a longevidade das plantas, a produtividade e a qualidade da pimenta-do-reino, tornando o setor competitivo e à altura dos padrões internacionais, pois o Brasil é um dos principais exportadores do mundo", destaca o pesquisador da Embrapa Oriel Lemos, coordenador dos eventos de transferência de tecnologia para a pipericultura no Pará.

O Pará detém 90% da produção brasileira de pimenta-do-reino, com quase 23 mil hectares de área plantada e produção de 34 mil toneladas, sendo Igarapé-açu o segundo maior produtor estadual, de acordo com dados de março deste ano publicados no Relatório do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola do Estado do Pará.

Dos 144 municípios paraenses, 79 cultivam pimenta-do-reino, revela o mesmo relatório, indicando como maiores produtores Tomé-açu (3.300 hectares de total de área plantada), Igarapé-açu (1.450 ha), Baião (1.380 ha), Capitão Poço (1.360 ha), Acará (1.300 ha), Mocajuba (1.100 ha) e Garrafão do Norte (1.050 ha). Em relação a 2015, o documento revela que houve aumento de quase 2 mil toneladas no total produzido no Pará, porém o rendimento médio atual ainda é de 2.174 quilogramas por hectare, conforme o documento.

Enquanto o dia de campo aberto à comunidade agrícola (agricultores, estudantes, técnicos, extensionistas, agente de crédito, associações, cooperativas) e demais interessados na visualização de tecnologias adotadas na cultura da pimenteira-do-reino, o treinamento é dirigido a técnicos e produtores para formação de multiplicadores (que vão compartilhar esse conhecimento com outro públicos).

No programa do treinamento constam explanações sobre solos (escolha de área, calagem, adubação e nutrição de plantas de pimenteira-do-reino), tutor vivo (em vez de estacas de madeira usa-se uma planta, a gliricídia), sistema de irrigação em pimenteira-do-reino, principais cultivares, produção de mudas e controle da fusariose com nim indiano (controle 100% em mudas), doenças causadas por fungos e vírus, insetos associados a cultivos de pimenteira-do-reino, colheita e beneficiamento, secagem e armazenamento.

Além do coordenador Oriel Lemos, outros instrutores da Embrapa ministram o treinamento: Sônia Maria Botelho, Antônio José Menezes,  Marli Poltronieri, Simone Rodrigues, Ilmarina Menezes, Alessandra Boari e Walkymário Lemos. Pela Universidade Federal Rural da Amazônia, Joaquim Alves de Lima.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink