Tradição conectada
CI
Agronegócio

Tradição conectada

Por:
A Agrindus é um exemplo de empresa agropecuária que viu nas redes sociais uma maneira de divulgar seus produtos e estabelecer um diálogo direto com seus consumidores

A fazenda Agrindus S/A, em Descalvado, no interior de São Paulo, é um exemplo de tradição na atividade leiteira. A ordenha de vacas é uma realidade desde a origem da propriedade, em 1945. Mas de lá para cá, a realidade agrícola brasileira mudou e a maneira da família Jank lidar com os negócios também. A primeira guinada remete ao final dos anos 90, quando a Agrindus fez uma parceria com a Salute, empresa produtora de leite, e montou um laticínio dentro da propriedade. A última grande tacada aconteceu no ano passado, quando passou a usar as mídias sociais – Facebook, Twitter, Google e YouTube – para divulgar seus produtos da marca Letti. “ A gente vinha se expandindo no mercado, mas com dificuldade na área de divulgação e marketing. As mídias sociais se mostraram um canal direto e focado em um potencial consumidor”, diz Jorge Sawaya Jank, responsável pela área financeira e pelo setor comercial da Agrindus.


Com mais de 1400 vacas holandesas em lactação, a Agrindus produz diariamente cerca de 50 mil litros de leite tipo A. Tal classificação indica um produto de excelente qualidade microbiológica, com ordenha mecânica e todo produzido, pasteurizado e embalado na própria fazenda. “O leite tipo A é um produto diferenciado, porque não há intermediários”, diz Jank. Em tempos de adulteração de leite, o fato de um único lugar concentrar todas as fases da produção é uma grande vantagem em termos de qualidade. No Rio Grande do Sul, o Ministério Público do Estado recentemente descobriu várias frauds: o leite cru era adulterado com adição de água e ureia justamente na etapa do transporte, colocando em risco a saúde do consumidor.

O baixo preço pago pelo leite a granel foi o catalizador do processo de verticalização da Agrindus, que começou com a parceria com a Salute. A sociedade durou do final dos anos 90 até 2007, período no qual a família Jank entrava com o leite e a estrutura de laticínio e a Salute, detentora da marca, respondia pelo dia a dia da fabricação e distribuição. O lucro com a comercialização dos produtos era dividido entre as duas empresas. “A parceria com a Salute nos possibilitou entender como funcionava o mercado”, diz Jank.


De posse desse know-how, a Agrindus iniciou o voo solo com o lançamento de sua marca própria, o leite Letti e derivados como: iogurtes, creme de leite fresco e leite aromatizado. A boa localização geográfica da fazenda ajuda na distribuição, uma vez que o leite tipo A deve ser consumido em até oito dias, o que restringe a área de alcance. Mas a proximidade com as rodovias Anhaguera, Washington Luís e Bandeirantes possibilita a comercialização do produto em 50 cidades, de São José do Rio Preto (SP) à capital paulista.

Aposta nas mídias sociais

Até 2012, a promoção de produtos da Agrindus estava focada em degustações nos pontos de venda. O alto custo das propagandas televisivas e a concorrência nesses canais com multinacionais como Nestlé e Danone levaram a empresa a não optar por esse caminho. A aposta nas redes sociais se deve à popularidade no Brasil desse segmento, sobretudo o Facebook, em que os brasileiros já somam 67 milhões dos 901 milhões de usuários mundiais.


Contribuiu para a decisão o conhecimento de empresas em outros países que fizeram das redes sociais a sua grande ferramenta de marketing. Entre elas, a Chobani, uma empresa norte-americana que produz um iogurte tipo grego e usou os blogs e as redes sociais para alavancar as vendas. Hoje, a promoção dos produtos Letti é feita no Facebook, Twitter, Google e YouTube, sendo a primeira rede a de maior peso na veiculação da marca e relacionamento com os clientes.

Os seguidores da fan page Letti no Facebook ficam sabendo em primeira mão das novidades da marca. A última delas foi o lançamento do ChocoLetti, leite tipo A aromatizado com cacau em pó e açúcar. “A maioria das empresas faz bebidas lácteas e usam soro. Nosso produto tem 88% de leite e apenas o restante é cacau e açúcar”, explica Jank. Quem quiser saber mais, é só se concectar à marca através das redes sociais.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.