Transporte de cargas tem projeção de aumento de 12,5% até 2016

Agronegócio

Transporte de cargas tem projeção de aumento de 12,5% até 2016

Projeção é de que o transporte chegue a 550 milhões em dois anos
Por:
451 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
Projeção é de que o transporte de cargas por ferrovias chegue a 550 milhões em dois anos.

A projeção da ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários) é que o transporte de cargas por ferrovias tenha um crescimento de 12,5% a curto prazo, podendo chegar a 550 milhões de toneladas úteis até 2016. Segundo a associação, nos últimos 17 anos, o setor cresceu 80% e os projetos e políticas públicas do Governo deram novo estímulo ao modal. Segundo o presidente da ANTF, Gustavo Bambini, o momento é positivo.

“Desde a segunda metade dos anos 90, com as concessões, a ferrovia não surgia com tanta força na agenda nacional. Os esforços do Governo para criar uma política pública efetiva para o setor, concentrada no PIL (Programa de Investimentos em Logística), fortaleceu os investimentos no modal”, diz.

Para ele esses fortalecimentos foram concentrados em alguns segmentos em particular, como o transporte de carga geral e de grãos, que têm demonstrado grande vigor, quando se trata de demanda crescente e vantagens competitivas.

Potencialmente, considerando novos trechos e a manutenção dos investimentos das atuais concessionárias, a participação do trem no mix de transporte de cargas tem condições para saltar dos atuais 30% para algo em torno de 45% até 2031, segundo estudos recentes. O presidente enxerga nestas novas perspectivas uma oportunidade favorável de crescimento para o setor em todos os sentidos. “Existe um entendimento, amplamente disseminado, da importância central das ferrovias de carga para a competitividade da indústria nacional, para o equilíbrio da balança comercial e para todos os ganhos sociais decorrentes, tanto em termos de geração de emprego e renda, quanto para o desenvolvimento local e a da mobilidade urbana de nossas cidades”, avalia Bambini.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink