Transporte inadequado de bovinos pode provocar prejuízos nos animal em MT

Agronegócio

Transporte inadequado de bovinos pode provocar prejuízos nos animal em MT

Animal pode, inclusive, morrer durante transporte
Por:
2520 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

As contusões retiradas das carcaças de bovinos que são levados para o abate representam, ao produtor de Mato Grosso, perdas de até R$ 154 por animal. Um dos motivos que contribui para o aparecimento de contusões, perda de peso, estresse e até a morte do animal é o transporte inadequado da fazenda ao frigorífico. É o que aponta o resultado do projeto “Na Medida”, desenvolvido em parceira com a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), a Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Botucatu-SP, e a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus de Sinop-MT. A iniciativa contou ainda com a participação das empresas Beckhauser e Frialto.

As péssimas condições das estradas implicam em aumento de custo para o produtor e, consequentemente, na redução da renda gerada pela pecuária. A falta de uma infraestrutura está presente em todo o Estado. Nas regiões Arinos e Noroeste, por exemplo, há casos de obras inacabadas, estradas abandonadas e intransitáveis. Em Aripuanã (a 1.002 km de Cuiabá) o acesso é somente por estrada sem pavimentação e com isso o custo de produção é alto e há desvalorização do que produzido. As estradas não pavimentadas não foram preparadas para o período de chuvas e alguns trechos chegaram a ficar intrafegáveis em certos períodos, quando as precipitações estão mais intensas. 

A principal consequência é o aumento do custo de vida e de produção e a redução no preço dos produtos, ou seja, perda de competividade. De acordo com o superintendente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Luciano Vacari, os prejuízos econômicos podem ser minimizados com a recuperação de estradas. “A cobrança para a melhoria das rodovias é constante e um pedido antigo do setor. Além das perdas na carcaça, o frete tem encarecido o custo de produção da pecuária mato-grossense”, enfatiza. 

O coordenador do projeto e professor da Unesp, Roberto de Oliveira Roça, explica as contusões provocadas pelo transporte ineficiente depende também da condição sexual e estado físico dos animais. “Animais mais debilitados são mais susceptíveis às contusões. Machos inteiros são mais resistentes às condições inadequadas de transporte que provocam contusões, porque são mais fortes e resistem melhor às turbulências que ocorrem durante a viagem”, diz. Segundo ele, fêmeas são mais susceptíveis por serem mais fracas e vacas de descarte apresentam maiores contusões devido à idade e ao estado físico.

O projeto “Na Medida” observou ainda que a perda de peso dos animais inteiros foi de 2,68% em relação ao peso vivo. Considerando somente as vacas, a perda média de peso foi de 4,28%. “Mas houve casos em que o lote perdeu até 42kg em média por animal durante o transporte, representando 8,3% do peso vivo dos animais”, conta Roça. O coordenador da pesquisa destaca que a aplicação de boas práticas desde o processo de vacinação do gado, manejo na propriedade rural, embarque, transporte e desembarque no frigorífico poderiam diminuir com os prejuízos. “Uma melhoria em todas as etapas de pré-abate, produzirá carcaças com menos perdas para o produtor e carne de melhor qualidade. A melhoria das condições das estradas é fundamental para a toda a cadeia produtiva da carne”, finaliza.

Reação vacinal

A reação vacinal pode provocar perdas de até R$ 50 por animal. Os prejuízos econômicos, provenientes de descarte de carnes, são causados por vários fatores, entre eles a aplicação inadequada das doses e a composição das vacinas. A constatação foi o primeiro resultado do projeto “Na Medida”, divulgado pela Acrimat. De acordo com o estudo, considerado o valor da arroba do boi em R$ 115, as perdas por reação vacinal podem chegar a aproximadamente R$ 50 por animal. 

Projeto “Na Medida”

O projeto “Na Medida” visa reconhecer os pontos de divergências entre produtores e frigoríficos com relação a rendimento de carcaça. Animais que foram para o abate receberam o acompanhamento do técnico da Acrimat desde o manejo dentro da propriedade até a hora da pesagem de carcaça. Esses animais passaram por cinco pesagens, duas na propriedade, uma no ‘balanção’ da cidade, uma na balança Peso Vivo, que pertence a Acrimat e está instalada dentro do frigorífico e por último a pesagem de carcaça. As diferenças de pesos entre essas etapas apontaram onde e porque os animais perdem pesos.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink