Agronegócio

Trigo argentino chega e reduz preços no Brasil

O trigo argentino recém chega ao País e já causou uma redução nos preços
Por: -Juan Velásquez
2 acessos

O trigo argentino recém deu sinais de chegar ao País e já causou uma redução nos bons preços que estão sendo alcançados pelo produtor brasileiro. No início deste mês, a tonelada de trigo vendida em Maringá (PR) alcançava até R$ 510. Nessa quinta-feira (23-11), estava em cerca de R$ 480. Apesar da queda, a análise da Safras & Mercado mostra que isso é apenas uma acomodação de preços, já o País passa por um momento no qual o trigo brasileiro estava sem a concorrência argentina.

O produto brasileiro chegou a alcançar R$ 550 por tonelada nos últimos meses, para um trigo de boa qualidade e localizado perto de um moinho consumidor do grão. Com a chegada do cereal argentino da região de Bahia Blanca, por exemplo, "que desembarca no moinho em São Paulo custando R$ 520 por tonelada, os preços se acomodaram para baixo", diz o analista da Safras & Mercado, Élcio Bento.

Segundo Bento, apesar da queda os preços atuais, as cotações estão elevadas e seguem com tendência altista. "No mesmo dia 23 de novembro do ano passado tínhamos uma tonelada de trigo valendo R$ 370", diz. A Argentina já colheu 17% de sua safra e a maior parte dos pedidos brasileiros começa a chegar em janeiro.

Dos 8,5 milhões de toneladas que a Argentina tem disponível para a exportação cerca de 7,8 milhões já estão contratados, sendo que, dos quais, aproximadamente 6,8 milhões por moinhos brasileiros. "Mas o trigo argentino deverá abastecer nossos moinhos até março, a partir daí teremos de comparar o grão dos Estados Unidos, e o produtor brasileiro que tiver algum guardado poderá vender por um preço muito bom", diz.

O trigo dos Estados Unidos, já incluindo a Tarifa Externa Comum (TEC) chega hoje aos moinhos de São Paulo valendo US$ 300 a tonelada, ou R$ 648 a um câmbio de R$ 2,16.

Subsídio argentino

As incessantes medidas de auxilio e proteção ao trigo e também à farinha de trigo argentina ainda não têm solidez para impactarem nos preços do trigo brasileiro. "Houve, e segue havendo, muitos anúncios de medidas de proteção. Porém ainda não dá para ter credibilidade nestes fatos", completa o especialista da Safras & Mercado.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink