USDA investe US$ 4,7 mi para resolver problemas de pragas

PROBLEMAS

USDA investe US$ 4,7 mi para resolver problemas de pragas

Entre os projetos financiados incluem-se o uso de tecnologias de fotobiologia e iluminação
Por: -Leonardo Gottems
102 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

O Instituto Nacional de Alimentação e Agricultura do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) outorgou recentemente 16 subsídios de pesquisa e desenvolvimento para melhorar o desenvolvimento, a adoção e a implementação de tecnologias, ferramentas e estratégias inovadoras e ecologicamente sustentáveis de manejo integrado de pragas (MIP). Segundo o USDA, os subsídios serão voltados para regiões e / ou prioridades decretadas pelo próprio governo. 

Entre os projetos financiados incluem-se o uso de tecnologias de fotobiologia e iluminação para a supressão do oídio na produção de morangos, que será realizado pela Universidade da Flórida. Essas doações fazem parte do Programa de Proteção de Pragas e Manejo de Pragas do próprio instituto, que trata de soluções integradas de manejo de pragas para emergentes ervas daninhas, doenças e insetos. 

Além disso, o governo irá investir também em projetos de abordagem multiestadual para quantificar e manejar a resistência a inseticidas em culturas de Plutella xylostella  na Universidade da Geórgia, desenvolvimento de uma estratégia de gerenciamento de estágio “multi-vida” para a larva de macieira através da integração de controle de atração e controle biológico, na Universidade de Massachusetts e desenvolvimento e demonstração de estratégias de curto e longo prazo para o manejo da vespa de galho de blueberry ressurgente, na Michigan State University. 

Também terão especializações e pesquisas em soluções para o gerenciamento do leafminer allium, que é uma nova ameaça invasiva às culturas de alho na América do Norte, na Penn State University, além do trabalho alavancando o comportamento de pragas para a implementação do controle biológico para ameixas vermelhas, na Universidade de Rutgers e realização de uma pesquisa aplicada e rápida ampliação de descobertas em fotobiologia e tecnologias de iluminação para supressão de oídio em morango, no Rensselaer Polytechnic Institut.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink