Usinas assinam acordo sobre corte de cana-de-açúcar

Agronegócio

Usinas assinam acordo sobre corte de cana-de-açúcar

Por:
334 acessos

Das 413 usinas de açúcar e álcool do País, 309 assinaram ontem, de forma voluntária, o compromisso nacional para a melhoria das condições de trabalho no plantio e no corte da cana-de-açúcar. Quarenta e quatro empresas goianas aderiram ao protocolo. O presidente-executivo do Sindicato da Indústria de Fabricação de Álcool de Goiás (Sifaeg/Sifaçúcar), André Rocha, discursou em nome do Fórum Sucroenergético Nacional. “Esse protocolo é o resultado do amadurecimento das relações setoriais construídas, sobretudo, ao longo dos últimos 25 anos, e é reconhecido por todos os agentes envolvidos nas negociações coletivas e nas melhores práticas já adotadas pelas empresas”, disse.

O termo foi lançado ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após dez meses de negociações entre governo, trabalhadores e empresários. As usinas que aderiram ao compromisso terão, entre outros pontos, de contratar diretamente os cortadores de cana, ou seja, eliminando a terceirização desse tipo de mão-de-obra e a consequente participação dos “gatos’’, como são conhecidos os aliciadores de trabalho degradante.

A partir de agora, aquelas que aderiram serão fiscalizadas por auditorias independentes. Em troca, terão seus nomes incluídos numa lista de boas práticas a ser divulgada pelo governo, que, para vender o álcool do País no exterior, precisa impedir que a imagem do setor seja vinculada a práticas degradantes.

Em discurso diante de Lula e de uma plateia na qual se misturaram bóia-frias e usineiros, Marcos Jank, presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), disse que a mesa de diálogo tripartite terá de se preocupar agora com a educação e a requalificação desse trabalhadores, ante o rápido processo de mecanização no setor da cana.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura, Alberto Broch, elogiou o compromisso, mas cobrou dos usineiros o fornecimento da alimentação aos trabalhadores.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink