UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS SILVIPASTORIS NA PECUÁRIA DA AMAZÔNIA
CI
Agronegócio

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS SILVIPASTORIS NA PECUÁRIA DA AMAZÔNIA

Por:

A utilização de Sistemas Silvipastoris como parte integrante do sistema produtivo da pecuária na Amazônia será um dos temas a ser discutido durante a realização do Seminário Internacional para o Desenvolvimento Sustentável da Pecuária na Amazônia, em Porto Velho, Rondônia, no período de 15 a 18 de julho de 2003. O evento é uma parceria entre Embrapa Rondônia, IICA/Procitrópicos, com o apoio da SEAPES, Câmara Setorial do Leite, IDARON, SEBRAE-RO, CREA-RO, FIERO, Emater-RO, Ceplac, ILES/ULBRA e Delegacia Federal de Agricultura.

Na Amazônia Ocidental, atualmente, estima-se que cerca de 12 milhões de hectares de floresta estão ocupados com pastagens cultivadas. Desta área, quase 50% já apresenta pastagens em diferentes estágio de degradação, o que torna necessário a derrubada de novas áreas para a manutenção dos rebanhos, resultando numa pecuária itinerante. O processo de degradação se manifesta pela queda gradual e constante de produtividade das forrageiras devido a vários fatores, notadamente baixa adaptabilidade das espécies, baixa fertilidade dos solos, manejo deficiente das pastagens e altas pressões bióticas, o que culmina com a dominância total da área por plantas invasoras, mais adaptadas às condições ecológicas prevalescentes, tornando as medidas de manutenção, como limpeza e queima das pastagens, cada vez mais inócuas. Considerando-se os dados mais recentes sobre desmatamentos para a formação de pastagens na Amazônia Legal, estima-se a derrubada anual em quase um milhão de hectares para a manutenção do mesmo rebanho atualmente explorado.

Deste modo, sistemas alternativos que levem em consideração as peculiaridades dos recursos naturais da região e que sejam técnica e economicamente viáveis, devem ser concebidos e testados de modo a tornar a atividade agropecuária mais produtiva, sustentável e menos danosa ecologicamente. Logo, os sistemas silvipastoris, uma modalidade componente dos sistemas agroflorestais (SAF's), surge como opção para conter os impactos ecológicos decorrentes da derrubada de florestas para a formação de pastagens. Os sistemas silvipastoris são sistemas agropecuários diversificados e multiestratificados, nos quais as pastagens são estabelecidas associadas com culturas florestais, frutíferas ou plantas industriais.

A Amazônia Ocidental apresenta ótimas condições para o desenvolvimento de SAF's, em função das grandes áreas plantadas com culturas frutíferas, florestais e industriais. A participação dos pequenos produtores, na atividade pecuária estadual é bastante significativa e a utilização de pastagens associadas com culturas pode favorecer a oferta da disponibilidade de proteína de origem animal, aumentando a renda dos produtores, diminuindo os custos com limpeza das culturas, impedindo a abertura de novas áreas. Atualmente, em Rondônia, cerca de 80.000 ha estão plantados com espécies frutíferas (cupuaçu, cacau, coqueiro), industriais (seringueira, pupunha, açai) e essências florestais (castanha-do-Brasil, eucaliptus, mogno, cerejeira, pará-pará, tento, bandarra etc.). Independentemente do nível tecnológico adotado pelos produtores, algumas práticas culturais, tais como, controle de invasoras, cobertura morta, prevenção de pragas e doenças e fertilização, devem ser utilizadas, o que, em algumas situações podem se constituir em fatores limitantes à manutenção do cultivo, seja por razões de ordem técnica e/ou econômica. Nestas áreas, potencialmente, podem ser implantados sistemas silvipastoris, através do estabelecimento de pastagens associadas as culturas, visando a criação de ruminantes (ovinos, caprinos, bovinos, bubalinos). Deste modo, além da geração de dividendos adicionais (produção de carne, leite, venda de animais e subprodutos etc.) os custos de manutenção das culturas seriam significativamente reduzidos.

Os sistemas silvipastoris, são sistemas agropecuários diversificados e multiestratificados, nos quais os arbóreos são explorados em associação planejada com cultivos agrícolas ou pastagem, de maneira simultânea ou seqüencialmente. Os sistemas silvipastoris que somente associam árvores com pastagem, obviamente, têm também um componente animal, como regra ruminantes de médio ou pequeno porte, principalmente bovinos e ovinos.

As principais vantagens dos sistemas silvipastoris são as de melhorar o aproveitamento dos solos; controlar as ervas invasoras; reduzir os riscos de incêndio; produzir lenha, postes e madeira. Ademais, os pequenos produtores podem produzir alimentos de origem animal sem sacrificar áreas para cultivos. No sistema silvipastoril componente arbóreo constitui importante fator de estabilização do solo, por conferir proteção contra ação direta das chuva, do sol e da erosão pluvial e eólica. Além disso, a árvores podem modificar o microclima, permitindo melhor ciclagem de nutrientes por processo naturais, por meio da matéria orgânica originada pelas plantas mortas e excrementos dos animais. Esse efeito de proteção do solo pelas árvores pode refletir no aumento da palatabilidade das pastagens, além de produzir benefícios econômicos e ecológicos.

O sistema silvipastoril com gramineas (P. maximum, B. brizantha e B. humidicola) e árvores (tatatajuba, paricá e eucalipto) vem sendo adotado em várias fazendas do Pará, com pastagens em elevado estado degradação. Neste sistema o ganho de peso dos bovinos tem sido satisfatório, muitas vezes superando aos obtidos em pastagens simples. Durante um período de 18 meses, acompanhou-se o desempenho de bovinos em pastagem de P. maximum sob plantios de cajueiros em comparação com pastagem não sombreada. Ao final do experimento observaram que o sombreamento reduziu significativamente a produtividade da pastagem, o que implicou em um menor ganho de peso dos animais. Avaliando-se o desempenho de bovinos em pastagem de P. maximum em áreas povoadas por Eucaliptus urophilla e obtiveram-se ganhos médios diários de 250 g, em função da baixa disponibilidade de forragem. Durante a estação seca do trópico úmido brasileiro, os ganhos de peso satisfatórios em ovinos deslanados mantidos em Pueraria phasoeloides + gramíneas nativas sob plantio de diversos clones de seringueira (Hevea brasilensis).

A carga animal também é um fator importante a ser levado em consideração nestes sistemas. Em uma floresta de coníferas, pastejada durante quatro anos, com 36 a 68 animais/ha, estes ocasionaram perdas de até 31% das árvores. No Pará, o desempenho de bubalinos em pastejo contínuo sob cargas baixa, média e alta; em áreas com e sem sombreamento, foram avaliados, não sendo encontraradas diferenças significativas entre os tratamentos. Sugere-se que o cálculo da carga animal seja o mais adequado possível, para que seja evitado o superpastejo. A maioria dos sistema silvipastoris praticados na Amazônia indicam que o superpastejo compromete a persistência das forrageiras, permitindo o aumento de plantas invasoras não palatáveis.

A influencia das árvores sobre a produção das pastagens, considerando a interceptação da radiação solar, poderá reduzir a sua capacidade produtiva. No entanto, quando o componente arbóreo não é muito denso, permitindo que a radiação solar penetre pela copa até o solo, as gramíneas existentes sob esse dossel mantêm por mais tempo seus níveis de proteína e maior digestibilidade do que aquelas que estão fora da influência dessa cobertura vegetal.

Nos sistemas silvipastoris, os bovinos tem propensão a danificarem as árvores, principalmente danificando a copa, roçando a cabeça contra o tronco ou comendo a casca. Também os animais aprendem a baixar a copa das árvores jovens para alimentarem-se. O pastejo contínuo de bovinos em área de floresta, provoca acentuado desnudamento do solo e destrói as raízes superficiais, responsáveis pela absorção dos nutrientes, prejudicando o desenvolvimento das árvores. Em estudos realizados com Pinus sp., verificou-se que, para evitar danos árvores, o gado bovino não deve ser colocado antes que as plantas tenham três anos de idade ou 4 m de altura, no entanto ovelhas podem ser introduzidas mais cedo, ou seja, com árvores com 2 m de altura. O pastejo rotativo de bovinos em plantios de Eucaliptus saligna associados a forrageiras (Lolium multiflorum e Trifolium vesiculosum) não afetou a sobrevivência das mudas a partir dos 2 metros de altura, e que os danos causados não superaram 4,4%. Num sistema silvipastoril com Eucaliptus globulus realizado em áreas destinadas ao pastoreio com ovelhas, as quais não danificaram as árvores, ajudando, ao contrário no controle das plantas invasoras e diminuindo a competição por água e nutrientes, bem como os riscos de incêndio na estação seca. Posteriormente, conforme as árvores vão crescendo, introduz-se nestas áreas o gado bovino.

As espécies arbóreas para combinação com pastagens e bovídeos devem possuir as seguintes características: não ser tóxica e que não produza efeitos alelopáticos sobre a pastagem; terem silvicultura conhecida; serem adequadas às condições ecológicas e ambientais; de crescimento rápido, e preferencialmente, perinófilas; sejam resistentes a ventos; possam propiciar alimento para os animais; tenham capacidade de rebrote e de fixação de nitrogênio.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.