Vacinação contra aftosa pode chegar a 100% na região de Maringá

Agronegócio

Vacinação contra aftosa pode chegar a 100% na região de Maringá

O Paraná é considerado como área livre de febre aftosa, com vacinação, desde 2000
Por:
1431 acessos
A região jurisdicionada pelo Núcleo de Maringá da Secretaria da Agricultura, composta por 29 municípios, pode ter conseguido vacinar 100% do seu rebanho contra a febre aftosa. A informação é do Departamento de Defesa Animal do Núcleo, que deve concluir nesta sexta-feira (3) o balanço da Campanha Nacional de Vacinação contra Febre Aftosa na região, com base nas comprovações apresentadas pelos criadores.

A campanha foi realizada de 1º a 31 de maio no Paraná seguindo a estratégia que vem sendo adotada desde 2009, quando na etapa de maio são vacinados apenas os animais bovinos e bubalinos de 0 a 24 meses. A meta era imunizar 170 mil animais dos 5.200 rebanhos da região.

De acordo com supervisor regional de Defesa Sanitária Animal, médico veterinário José João Vituri, “a região tem histórico de sempre vacinar próximo de 100% da meta e tudo indica que neste ano atingimos um índice ainda maior que nos anos anteriores”, diz ele, destacando que os criadores desta região têm demonstrado muito compromisso com a sanidade do rebanho. Segundo Vituri, por meio dos comprovantes de vacinação a Defesa Sanitária Animal fará a atualização do cadastro de animais.

Com o encerramento do prazo oficial para vacinação, criadores que não imunizaram seus animais ainda poderão fazê-lo, porém terão que apresentar à Secretaria da Agricultura uma justificativa para não ter vacinado durante a campanha. Se a justificativa não for aceita, o pecuarista será penalizado com muita de R$ 96,04 por cabeça, além de não poder transportar seus animais para qualquer finalidade.

O Paraná é considerado como área livre de febre aftosa, com vacinação, desde 2000, quando foi reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Estão nessa mesma condição sanitária outros 14 Estados, o Distrito Federal e a região Centro-Sul do Pará.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink