Vacinação contra aftosa visa 98% do rebanho no Pará

Agronegócio

Vacinação contra aftosa visa 98% do rebanho no Pará

A primeira etapa da campanha segue até 31 de maio em todo o Estado, exceto no Marajó
Por:
801 acessos
Atingir 98% do rebanho paraense é a meta da campanha de vacinação contra a febre aftosa, que foi lançada no sábado, 30 de abril, no Parque de Exposição do Entroncamento.

A primeira etapa da campanha segue até 31 de maio em todo o Estado, exceto no Marajó, que terá etapa única de vacinação a ser realizada entre os dias 15 de agosto e 30 de setembro. O governador do Pará, Simão Jatene, fez a vacinação simbólica dos primeiros gados durante o evento.


Segundo o diretor geral da Agência de Defesa de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), Mário Moreira, o Pará está há dez anos sem casos de aftosa. “É muito importante que todos os gados sejam vacinados, pois, se um foco da aftosa no Brasil for encontrado, o produtor do Pará não poderá exportar”, destacou.


Atualmente, o rebanho paraense representa cerca de 10% do volume nacional, o que implica o número de quase 19 milhões de cabeça de gado. “Temos 44 municípios livre de aftosa e 99 considerados como de médio risco de aftosa, mas o nosso objetivo é fazer o território totalmente livre de aftosa até o ano que vem”, informou o diretor geral da Adepará, alertando ainda para punições. “O produtor que não fizer a sua parte e participar da campanha pagará multa e ficará sem o guia de trânsito do animal”.


A segunda etapa da vacinação será realizada no mês de novembro, à exceção dos municípios do Marajó. “Essa mobilização entre os governos do estado e federal e os produtores é importante para que a meta seja alcançada. É preciso envolver a todos e fortalecer o rebanho, pois a vacinação é a única maneira de fazer o controle da febre aftosa”, ponderou Carlos Xavier, da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Pará (Faepa). (Diário do Pará)


EM NÚMEROS

44 é o número de municípios paraenses livres de aftosa. Outros 99 municípios são considerados de médio risco.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink