Vacinação está atrasada na região sul do MT
CI
Agronegócio

Vacinação está atrasada na região sul do MT

As chuvas mais intensas atrasaram a realização da primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa
Por:

Este ano, as chuvas mais intensas desde o início de fevereiro atrasaram a realização da primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa. Até essa terça-feira (27-02), apenas 25% dos pecuaristas da região sul do Estado havia comunicado a vacinação do rebanho ao Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT).

Nesta quinta-feira (01-03), encerra o prazo para que os criadores comprem a vacina nas revendas de produtos agropecuários, mas a comunicação da imunização poderá ser feita até o próximo dia 10. Nesta etapa, a primeira de três no Estado, devem ser vacinados bovinos e bubalinos de zero a 12 meses.

A um dia da data-limite para aquisição da vacina, a Agro Boi, em Rondonópolis (210 quilômetros ao sul de Cuiabá) ainda aguarda a comercialização de 24 mil doses, ou, 20% das 120 mil doses que a revenda espera comercializar nesta etapa da campanha.

De acordo com o gerente da loja, Carlos Fialho, se não fossem as chuvas o estoque remanescente nesta época seria de no máximo 4% (4,8 mil doses). Devido ao atraso na compra das vacinas, Fialho acredita que os pecuaristas não conseguirão cumprir o prazo fixado pelo Indea. “Com as chuvas, fica difícil trazer os bezerros até o curral para vacinar. São animais jovens, que ainda estão frágeis e isso dificulta o manejo”, explica.

O responsável pelo escritório do Indea/MT em Rondonópolis, Waldomiro Vilela, destaca que o órgão ainda está avaliando a possibilidade de prorrogar o último prazo da campanha de vacinação contra aftosa. Ele diz que da região sul, as cidades de Poxoréo e Paranatinga (a 83 km e 250 km de Rondonópolis, respectivamente) podem ter a primeira etapa da campanha adiada, uma vez que foi decretada situação de emergência por causa das chuvas. A previsão é de que até quinta-feira seja decidido se a campanha será adiada, até quando e em quais cidades. “Não acredito que a prorrogação vá valer para todo o Estado”, diz.

Vilela considera que, apesar de poucos pecuaristas terem comunicado a vacinação, a maioria já adquiriu as doses e está aguardando somente a chuva dar uma trégua para imunizar o rebanho. Ele lembra que desde sábado não chove e que se continuar assim, a partir de hoje a situação deve melhorar, sendo possível realizar a vacinação. Em alguns locais é necessário até 10 dias consecutivos de sol para secar os currais, mas com três ou quatro dias o quadro já fica melhor. “É mais difícil vacinar os bezerros na época da chuva porque os currais ficam com muita lama”, observa.

Na opinião de Vilela, nesta etapa da campanha contra a febre aftosa os pecuaristas vão deixar para comunicar a vacinação na última hora, às vésperas do prazo final. Segundo ele, isto deve acontecer porque muitos criadores já compraram a vacina, mas ainda não aplicaram as doses nos animais. “Eles [pecuaristas] deixam para vacinar na última hora, depois reclamam das filas no escritório do Indea para informar a vacinação”, observa. Vilela lembra que, a partir de amanhã, os pecuaristas poderão adquirir as doses somente com autorização do Indea/MT.

Penalidade

Quem não vacinar será multado em R$ 60 por animal. O valor reajustado acompanha a mudança na Unidade Padrão Fiscal (UPF) de Mato Grosso, atualmente em R$ 26,96.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink