Vacinação regional contra brucelose foi menor que a média do Estado de SP
CI
Agronegócio

Vacinação regional contra brucelose foi menor que a média do Estado de SP

Vacinação é realizada uma única vez para que o animal fique protegido
Por:

A vacinação contra a brucelose no Estado de São Paulo, durante o primeiro semestre, foi de 89,76%. Na região de Sorocaba, que compreende 18 municípios, houve índice menor, de 73,10%, informou ontem a Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA). A vacinação é dirigida a fêmeas bovinas e bubalinas com idade entre 3 e 8 meses. Das 8.549 cabeças nessa faixa etária, na região, foram imunizadas 6.250.

No Estado, há um total de 511.406 cabeças de fêmeas bovinas e bubalinas, entre 3 e 8 meses. Essa vacinação é realizada uma única vez para que o animal fique protegido. "Dados do sistema da CDA mostram que, no histórico, os índices de imunização contra a brucelose têm sido superiores a 80%. Em 2012, os índices foram 81,75% no primeiro semestre e 81,98% no segundo semestre. Em 2013, foram 84,66% no primeiro semestre e 82,44% no segundo", informa a CDA.

O criador que não vacinou ou deixou de comunicar a vacinação poderá sofrer penalidades. A multa é de 5 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesps) por cabeça por deixar de vacinar e 3 Ufesps por cabeça, por deixar de comunicar a vacinação. O valor de cada Ufesp é R$ 20,14.

"A brucelose é uma zoonose (doença que acomete os animais e o homem) infectocontagiosa causada pela bactéria Brucella abortus. Nos bovinos pode causar abortamento, nascimento de bezerros fracos, retenção de placenta, repetição de cio e descargas uterinas com grande eliminação da bactéria, além de inflamação nos testículos", de acordo com a CDA. No Estado de São Paulo, a vacinação é obrigatória desde 2002.

A vacinação deve ser feita por médicos veterinários cadastrados na Defesa Agropecuária pelo fato de ser uma vacina viva e poder infectar o manipulador. O médico veterinário é o profissional capacitado para garantir a correta aplicação, pelos cuidados na manipulação da vacina e por fornecer o atestado de vacinação, de acordo com a CDA. As fêmeas vacinadas entre junho a novembro devem ser declaradas até 7 de dezembro.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink