Vale Fertilizantes investe R$ 98 milhões em tecnologia

Agronegócio

Vale Fertilizantes investe R$ 98 milhões em tecnologia

Empresa diminui emissão de poluentes com sistema de filtragem de partículas de gases liberados na produção de nitrato de amônio
Por: -Nivaldo Souza
3943 acessos

Empresa diminui emissão de poluentes com sistema de filtragem de partículas de gases liberados na produção de nitrato de amônio

A Vale Fertilizantes começou 2011 com um projeto de R$ 98 milhões em andamento. A empresa implanta uma tecnologia inédita no controle de emissão de gases poluentes provenientes da fabricação de insumos agrícolas no país.

A divisão de fertilizantes da mineradora - nascida em 2010, após a compra de ativos da Bunge e da Fosfértil por US$ 4,7 bilhões pela Vale - instala uma lavadora de gases na fábrica de nitrato de amônio do complexo industrial de Piaçaguera, Cubatão, no litoral sul paulista.

"Estamos fazendo esse investimento com finalidade ambiental, para melhorarmos nosso nível de emissão de poluente", diz o gerente de engenharia, manutenção e projetos Paulo Henrique Jacinto.

O novo sistema será capaz de filtrar as partículas mais finas dos gases em circulação na torre de perolação da fábrica - na qual o ar é misturado a compostos químicos para gerar pedras de nitrato. Com isso, a empresa ganha mais qualidade no processo fabril do componente utilizado como matéria-prima para fertilizantes e com aplicações na indústria química.

As obras estão em andamento, com previsão de término para o final de 2013. "O equipamento elimina o lançamento de gases", afirma Jacinto.

De acordo com o executivo, ao final da instalação do equipamento a Vale Fertilizantes vai reduzir sua emissão em 25 vezes. A liberação de gases das torres da fábrica cairá de 200 partes por milhão (ppm) para negativos 10ppm, eliminando o lançamento de particulados químicos na atmosfera.

Sem impacto produtivo

Apesar da implantação da tecnologia, a empresa afirma que não haverá impacto na produção atual. "Esse investimento não gera um incremento de produção. Ele está sendo feito apenas com a finalidade ambiental. Até porque, precisamos melhorar nosso índices de acordo com a legislação", diz.

Hoje, a unidade produz 496 mil toneladas anuais de nitrato de amônio. A fábrica gera ainda outros 2,2 milhões de toneladas de produtos como os ácidos fosfóricos, sulfúricos e nítricos.

O complexo de Piaçaguera também implanta melhorias em seu sistema de envase e armazenamento de nitrato de amônio. O processo de carregamento de sacos e embalagens será automatizado. Para isso, a Vale instala correias transportadoras, peneira, silo de armazenagem, balanças e paletizadora em Cubatão.

Na unidade é construído ainda um um novo armazém com uma área total de 2,5 mil metros quadrados.

As melhorias fazem parte de um pacote de investimentos de de US$ 12 bilhões administrados pela Vale Fertilizantes até 2014.

O montante tem como estratégia de fundo a meta da companhia de se tornar a segunda maior produtora de insumos para fertilizantes do globo.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink