Vendedores esperam e preço da soja cai no Brasil

MERCADO FÍSICO

Vendedores esperam e preço da soja cai no Brasil

Na ronda dos estados notou-se um mercado mais calmo em todo o país, depois de vendas do dia anterior
Por: -Leonardo Gottems
794 acessos

Segundo apurou a pesquisa diária do Cepea, os preços da soja no mercado físico brasileiro fecharam a sexta-feira (22.02) com preços médios da soja em queda de 0,58% nos portos, para R$ 78,99/saca. De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, isso foi resultado das queda do Dólar (0,55%) e da Bolsa de Chicago (0,08%). 

Já no interior houve pequena alta de 0,07%, para R$ 73,63 devido à maior demanda por farelo na semana. Com isto, aponta o analista da T&F Luiz Fernando Pacheco, os ganhos do mês de Fevereiro caíram para 2,48% nos portos e subiram para 1,91% no interior até o momento.

“Na ronda dos estados notou-se um mercado mais calmo em todo o país, nesta sexta-feira, depois de vendas de mais de 1,1 milhão de toneladas no dia anterior, após um aumento da paridade de exportação, com os vendedores aproveitando a subida do dólar e de Chicago. Os agricultores estão insatisfeitos com os preços atuais e esperam reação (que poderá vir a partir da nova atitude dos chineses)”, relatou Pacheco.

CLIMA

As precipitações projetadas para os próximos 5 dias continuam sem alterações, aponta a Consultoria AgResource: “Índices pluviométricos entre 20-75mm acumulados são previstos para regar os solos de 95% da região sojicultora do Brasil. Os totais mais intensos, acima dos 50mm, são projetados para a região Sul brasileira e uma pequena porção ao Leste da Argentina. De maneira geral, o cenário meteorológico para o Brasil continua estável nesta reta final de mês, favorecendo, principalmente, a segunda safra do país”. 

Por outro lado, na Argentina o padrão climático se torna cada dia mais crítico. “As chuvas tem sido restritas à pequenas localidades, com uma previsão mais árida nos últimos dia de fevereiro e início de março. Apesar de um bom estabelecimento hídrico nos solos argentinos durante a primeira quinzena de fevereiro, já há regiões produtoras com 7-8 dias de estiagens”, conclui a ARC Mercosul.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink