Vento norte e altas temperaturas provocam deslocamento dos gafanhotos
CI
Imagem: Pixabay
ALERTA

Vento norte e altas temperaturas provocam deslocamento dos gafanhotos

São cinco nuvens ativas (uma delas divida em duas) que colocam quatro províncias em situação de perigo
Por: -Aline Merladete

O vento norte e as temperaturas altas nos últimos dias têm provocado deslocamento significativos das nuvens de gafanhotos que circulam pelo norte da Argentina.

De acordo com as informações divulgadas pelo Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), são quatro províncias (Formosa, Chaco, Salta e Santiago Del Estero) em situação de perigo pela presença da praga. Outras sete províncias aparecem em situação de ameaça, pelo risco de deslocamento das nuvens: Jujuy, Tucuman, Catamarca, La Rioja, Córdoba, Santa Fé e Entre Rios.

Os técnicos do Senasa seguem monitorando três nuvens em Salta, em regiões próximas às divisas com Formosa, Chaco e Santiago Del Estero. Outras duas nuvens seguem se deslocando em Santiago Del Estero – na verdade, são três grupos e insetos na província, já que os técnicos consideram que uma das nuvens se dividiu em duas.  Com o calor tornando as nuvens mais agitadas, os langosteros (como são chamados os técnicos, numa alusão à palavra espanhola para gafanhotos) estão tendo dificuldades em localizar pontos de pouso dos insetos a tempo de preparar operações de pulverização. Além disso, no último final de semana uma das nuvens chegou a se deslocar quase 250 quilômetros em três dias. 

Ja no Brasil segue valendo o alerta para enfrentamento da praga, caso as nuvens alterem o rumo de seu deslocamento. Mesmo com a nuvem mais próxima estando ainda a quase 600 quilômetros da fronteira gaúcha, também permanece a prontidão de cerca de 70 aviões oferecidos pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola para eventuais ações de combate à praga. Número que pode ser ampliado, já que o Estado conta com mais de 400 aeronaves agrícolas.

A nuvem que circulou em junho por Corrientes foi neutralizada no final de julho em Federaración, província de Entre Rios, na fronteira com o Uruguai. Após as pulverizações com tratores e avião, as ações ali seguem com extermínio de pequenos grupos de insetos desgarrados, mas sem risco para os produtores gaúchos. Mas todo plano no lado brasileiro ainda segue valendo pelos próximos meses.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink