Volta da chuva intensifica o plantio da safra em Goiás

Agronegócio

Volta da chuva intensifica o plantio da safra em Goiás

No sudoeste do estado, o interesse pelo cultivo do milho aumentou nos últimos dias
Por:
2648 acessos

Agricultores de Goiás estão aproveitando a volta da chuva para intensificar o plantio da safra. Na região de Jataí, no sudoeste do estado, o interesse pelo cultivo do milho aumentou nos últimos dias.

Na Fazenda Ariranha a movimentação no campo é intensa. Dos 1,2 mil hectares, cento e vinte foram reservados ao plantio do milho. O agrônomo que cuida da lavoura disse que o produtor aumentou a área estimulado pelo preço do grão. “O milho também subiu um pouco no mercado”, disse o agricultor Fabrício Carvalho.

Com o investimento em tratamento de semente e adubo, o custo de produção ficou em torno de R$ 1,7 mil para cada hectare. A safra ainda não foi comercializada. “O lucro ainda está pequeno. Tem que dar mais uma subidinha”, completou Carvalho.

Em agosto os produtores venderam o grão por R$ 10. Hoje, a saca custa uma média de R$ 17. Mas teve agricultor que conseguiu fechar negócio a R$ 21.

Mesmo com o preço em alta, as lavouras diminuíram em Jataí. De acordo com o IBGE, nesta safra vão ser plantados nove mil hectares no município. São 10% a menos do que no ano passado.

O agrônomo que faz parte da Comissão de Dados Agrícolas do instituto explicou que nem todos os agricultores ficaram estimulados. A maioria ficou com um pé atrás por causa do preço no primeiro semestre.

“Quando o preço estava muito baixo o produtor tinha de decidir. Aí estimulou mais a soja, que estava com a perspectiva de preço melhor na época. Então, resumiu a área com os insumos para plantar a soja. Depois, ficou mais difícil de reverter”, disse Jair Barrachi.

Se a alta no preço do milho é boa pra quem produz, para quem depende do grão para alimentar as criações a situação é contrária. Em São Bento do Una, no agreste de Pernambuco, os avicultores estão preocupados com o aumento dos custos.

Para alimentar os animais, O agricultor José Francisco Oliveira compra 1,5 mil toneladas de milho a cada mês. O grão corresponde a 60% da mistura da ração. O criador está preocupado com as variações que o preço vem sofrendo.

“Estamos comprando milho na Bahia por R$ 34. Então, começou a produção em Sergipe. Estamos indo buscar e está chegando por R$ 29 por conta do nosso próprio transporte”, falou Oliveira.

A avicultura é a principal atividade de São Bento do Una, no agreste de Pernambuco. O município tem 47 mil habitantes. Mais de 12% trabalham no setor.

O aumento no preço do milho está preocupando os criadores. O preço da saca de 50 quilos está custando uma média de 50% mais caro em relação a novembro do ano passado.

De acordo com a Avipe, Associação dos Avicultores de Pernambuco, a situação é preocupante. A associação quer pedir ao governo ajuda para resolver o problema dos criadores.

“O que a gente espera é que de imediato o governo entre com a venda dos estoques públicos para garantir uma regularidade de fornecimento e também diminuir a sensação de especulação que o setor está sentindo”, explicou Josimário Florêncio, presidente da Avipe.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink