Workshop apresenta novo sistema de mitigação de cancro cítrico, em Araraquara

Agronegócio

Workshop apresenta novo sistema de mitigação de cancro cítrico, em Araraquara

Os outros workshops foram realizados em Avaré (21) e São José do Rio Preto (24)
Por:
469 acessos

Em um evento promovido pelo Fundecitrus e Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, profissionais da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) apresentaram, nesta terça-feira (29), em Araraquara, as regras para o novo sistema de mitigação de risco (SRM) do cancro cítrico, no estado de São Paulo. Estima-se que o cancro cítrico esteja presente em 9% dos talhões do parque citrícola paulista.

Foi o terceiro e último evento de um ciclo realizado com o objetivo de informar o citricultor sobre as mudanças no controle do cancro cítrico feito pelo Estado. Os outros workshops foram realizados em Avaré (21) e São José do Rio Preto (24).

Uma nova legislação sobre o controle do cancro cítrico no País foi estabelecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A instrução normativa nº 37 estabelece quatro cenários: Área com Praga Ausente; Área Livre da Praga (ALP); Área sob Erradicação ou Supressão; e Área sob Sistema de Mitigação de Risco (SMR) e entrará em vigor em março de 2017.

A alteração na legislação abre a possibilidade de estados com a incidência de cancro cítrico, como é o caso de São Paulo e Paraná fazerem a mitigação, permitindo novas estratégias de controle que não seja exclusivamente a erradicação da planta doente.

No momento, a política aplicada no Estado de São Paulo é a de supressão da planta doente, ou seja, as plantas com sintomas de cancro cítrico devem ser arrancadas. Além disso, a lei estadual atual determina que o citricultor faça quatro inspeções por ano. A partir de agora o Estado passa a atuar como auditor de um programa de qualidade que deve ser implementado pelos citricultores, que começa no manejo do pomar e termina na entrega da fruta para o consumidor final, seja a indústria de suco ou o mercado de fruta fresca.

O Secretário Estadual de Agricultura, Arnaldo Jardim, pediu empenho das equipes da CDA e da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) para levar até os citricultores todas as orientações para que possam se adaptar às novas regras.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink