Nova Zelândia avança com forragem biotecnológica

DESENVOLVIMENTO

Nova Zelândia avança com forragem biotecnológica

Variedade é mais ecológica
Por: -Leonardo Gottems
197 acessos

Os cientistas da Nova Zelândia realizam testes de campo nos Estados Unidos com uma forragem geneticamente modificada com maior produtividade, resistência à seca e menores emissões de metano no gado. Agora, eles esperam avançar nos testes de campo em seu próprio país. 

O centro de pesquisa AgResearch afirma que está trabalhando para determinar se suas forragens geneticamente modificadas poderiam ser transferidas para testes de campo e nutrição animal na Nova Zelândia a partir de 2021. Isso ocorre quando o governo relata novamente que os assessores de mudança climática devem revisar as leis sobre tecnologias genéticas. 

O azevém (HME), geneticamente modificado com alta energia metabolizável (ou capim forrageiro), até agora tem demonstrado em testes que ele cresce até 50% mais rápido que o azevém convencional, armazena mais energia para um melhor crescimento animal, é mais resistente a seca e produzir até 23% menos metano em bovinos. 

O Crown Research Institute afirma em sua Declaração de Intenção Corporativa que continua seus testes de campo nos Estados Unidos para cumprir as leis da Nova Zelândia. Atualmente, possui dois programas paralelos e estreitamente inter-relacionados que trabalham com forragens da HME. 

“Um, que é financiado pelo MBIE Endeavor Fund, com cofinanciamento significativo do setor, avançará com quatro linhas de forragem da HME para ensaios de campo e testes de nutrição animal nos Estados Unidos. Esses testes ajudarão a indústria a determinar se os testes de campo e nutrição animal baseados na Nova Zelândia serão conduzidos a partir de 2021, criando um pacote de informações para ajudar a definir a proposta de valor para a Nova Zelândia. Este programa apoiado pelo [fundo governamental] SSIF preparará as forragens de HME prontas para uso comercial em testes de campo e nutrição animal com base na Nova Zelândia, agendadas para a primavera de 2021”, conclui. 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink