23/04
CBOT
BM&F

Soja
US$ 14,64 (MAI14)
R$ 31,1 (MAI14 )

Milho
US$ 5,03 (MAI14)
R$ 31,1 (MAI14 )



Características da Soja (Glycine max)

A soja cultivada é uma planta herbácea incluída na classe Magnoliopsida (Dicotiledônea), ordem Fabales, família Fabaceae, subfamília Faboideae, gênero Glycine L. É uma planta com grande variabilidade genética, tanto no ciclo vegetativo (período compreendido da emergência da plântula até a abertura das primeiras flores), como no reprodutivo (período do início da floração até o fim do ciclo da cultura), sendo também influenciada pelo meio ambiente.

grande diversidade de ciclo. De modo geral, os cultivares disponíveis no mercado brasileiro tem ciclos entre 100 e 160 dias, e podem ser classificados em grupos de maturação precoce, semiprecoce, médio, semitardio e tardio, dependendo da região. Os cultivares plantados comercialmente no país tem seus ciclos, na maioria, oscilando entre 60 e 120 dias.

A altura da planta depende da interação da região (condições ambientais) e do cultivar (genótipo).  Como acontece com outras Fabáceas (Leguminosas), por exemplo, o feijão-comum, a soja pode apresentar três tipos de crescimento, diretamente correlacionados com o porte da planta: indeterminado, semideterminado e determinado.  A planta de soja é fortemente influenciada pelo comprimento do dia (período de iluminação). Em regiões ou épocas de fotoperíodo mais curto, durante a fase vegetativa da planta, ela tende a induzir o florescimento precoce, e apresentar consecutiva queda de produção.

 

Folhas

 

Durante todo o ciclo da planta são distinguidos quatro tipos de folha: cotiledonares, folhas primárias ou simples, folhas trifolioladas ou compostas e prófilos simples. Sua cor, na maioria dos cultivares, é verde pálida e, em outras, verde escura.

 

Caule

 

O caule é ramoso, híspido, com tamanho que varia entre 80 e 150 cm, dependendo da variedade e do tempo de exposição diário à luz. Sua terminação apresenta racemo, em variedades de crescimento determinado, ou sem racemo terminal, em variedades de crescimento indeterminado.

 

Flor

A soja é essencialmente uma espécie autógama, ou seja, uma planta polinizada por ela mesma e não por outras plantas, mesmo que vizinhas a ela, com flores perfeitas e órgãos masculinos e femininos protegidos dentro da corola. Insetos, principalmente abelhas, podem transportar o pólen e realizar a polinização de flores de diferentes plantas, mas a taxa de fecundação cruzada, em geral, é menor que 1%. As flores de soja podem apresentar coloração branca, púrpura diluída ou roxa, de 3 até 8mm de diâmetro. O início da floração dá-se quando a planta apresenta de 10 até 12 folhas trifolioladas, onde os botões axilares mostram racemos com 2 até 35 flores cada um.

 

Raiz

 

 

O sistema radicular da soja é constituído de um eixo principal e grande número de raízes secundárias, sendo classificado com um sistema difuso. O comprimento das raízes pode chegar a até 1,80 m. A maior parte delas encontra-se a 15 cm de profundidade.

 

Vagem

 

O legume da soja é levemente arqueado, peludo, formado por duas valvas de um carpelo simples, medindo de 2 até 7cm, onde aloja de 1 até 5 sementes. A cor da vagem da soja varia entre amarela-palha, cinza e preta, dependendo do estágio de desenvolvimento da planta.

 

Semente

As sementes de soja são lisas, ovais, globosas ou elípticas. Podem também ser encontradas nas cores amarela, preta ou verde. O hilo é geralmente marrom, preto ou cinza.

 

Ciclo de desenvolvimento da soja

O sistema de representação empregado aqui divide o desenvolvimento da planta em duas fases: vegetativa (V) e reprodutiva (R). Subdivisões da fase vegetativa são designadas numericamente como V1, V2, V3, até Vn, menos os dois primeiros estádios que são designados como VE (emergência) e VC (estádio de cotilédone). O último estádio vegetativo é designado como Vn, onde “n” representa o número do último vegetativo formado por um cultivar específico. O valor de “n” varia em função das diferenças varietais e ambientais. A fase reprodutiva apresenta oito subdivisões ou estádios.

A partir do estádio VC, os estádios vegetativos (V) são definidos e numerados à medida que as folhas dos nós superiores se apresentam completamente desenvolvidas. Um vegetativo com folha completamente desenvolvida é identificado quando no vegetativo acima os folíolos não estão enrolados e nem dobrados. O estádio V3, por exemplo, é definido quando os folíolos do 1º vegetativo (unifoliolado) ao foliar estão desenrolados. Semelhantemente, o estádio VC ocorre quando as folhas unifolioladas desenrolaram-se (Tabela 1) .

 

              Tabela 1 - Estádios de desenvolvimento da cultura da soja. Adaptado de Fehr & Caviness (1977).

 

O da folha unifoliolada é o primeiro ou ponto de referência a partir do qual começa-se a contagem para identificar o número de nós foliares superiores. Nesse único , as folhas unifolioladas (simples) são produzidas em lados opostos da haste e com pecíolos pequenos. Todas as outras folhas verdadeiras formadas pela planta são trifolioladas (compostas), com pecíolos longos, e são produzidas unicamente (em nós diferentes) e alternadamente (de lado a lado) no caule (Figura 1) .

 

   

Figura 1 - Esquema do ciclo vegetativo contendo fases mais importantes das plantas de sojaAdaptado de Iowa State University, Special Report, nº 53, 1988.

 

Os cotilédones, que são considerados como órgãos de armazenamento na formade folhas modificadas, também surgem de maneira oposta na haste, abaixo do unifoliolado. Quando as folhas unifolioladas são perdidas por dano ou envelhecimento natural, a posição do unifoliolado ainda pode ser determinada, localizandose as duas cicatrizes dessas folhas na região mais baixa do caule, que permanentemente marcam o local onde as folhas unifolioladas cresceram. Essas cicatrizes das folhas unifolioladas estão localizadas exatamente sobre as duas cicatrizes opostas que marcam a posição do cotiledonar. Qualquer cicatriz de folha acima das cicatrizes das folhas unifolioladas opostas aparece de maneira única e alternada na haste principal, e marca as posições dos nós onde as folhas trifolioladas cresceram.

 

 

José Luis da Silva Nunes

Eng. Agrº, Dr. em Fitotecnia

Colunistas | Eventos  | Cadastre-se  | Agrotempo  | Feiras e Fotos  | Vídeos
Ip: 54.242.249.240 Cod: -1 Est: -1 Cid: -1
Siga o Agrolink também nos seguintes sites
Twitter Orkut