25/05
CME
BM&F

Soja
US$ 10,83 (25/05)
n.d.

Milho
US$ 4,05 (25/05)
R$ 45,51 (25/05)

Notícias


Ministério Público quer proibir uso do glifosato

Visitas: 53878

Ministério Público quer proibir uso do glifosato
25/03/14 - 12:58 

Ministério Público no Distrito Federal (MPF/DF) acionou a Justiça pedindo a suspensão do uso do glifosato – o herbicida mais utilizado no Brasil. Além dele, a procuradoria quer impugnar ainda o 2,4-D e os princípios ativos: parationa metílica, lactofem, forato, carbofurano, abamectina, tiram e paraquate.

São duas ações protocoladas. “A primeira medida visa obrigar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a reavaliar a toxidade de oito ingredientes ativos suspeitos de causar danos à saúde humana e ao meio ambiente. Em outra frente, o órgão questiona o registro de agrotóxicos que contenham o herbicida 2,4-D, aplicado para combater ervas daninhas de folha larga”, explica o MP em seu site.

Nas duas ações é solicitada a antecipação de tutela. A procuradoria pede a concessão de liminar para que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) suspenda o registro dos produtos até a conclusão definitiva sobre sua toxidade pela Anvisa.

Na ação civil que contesta o registro do herbicida 2,4-D, o MP pede que a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) seja proibida de liberar a comercialização de sementes transgênicas resistentes à substância até um posicionamento definitivo por parte da Anvisa.

“Se for mantida a mesma proporção de resultado das avaliações anteriores, presumivelmente, cerca de dois terços (dos ingredientes impugnados na ação do MPF) também serão banidos do país por demonstrarem alto risco e grau de toxidade”, justifica o órgão na ação civil.

Agrolink
Autor: Leonardo Gottems
Página gerada em: 26/05/2016 19:15:39 - (5 min)

Notícias relacionadas

25/05/16 » Bahia Farm Show é aberta com a promessa de continuidade das obras da Fiol
25/05/16 » GO: Prazo para declaração de vacina contra brucelose, no primeiro semestre, se encerra neste mês
25/05/16 » Sistema de Plantio Direto será uma das técnicas apresentadas pelo ABC Cerrado
25/05/16 » Sicredi Fronteiras disponibiliza R$ 5 milhões para investimentos na avicultura
25/05/16 » ABPA recebe diretores de Inspeção do Ministério da Agricultura

Comentários (69)

Comente esse conteúdo preenchendo o formulário abaixo e clicando em enviar






- Opiniões expressas nesse ambiente são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representam o posicionamento do Portal Agrolink.

21/01/2016 às 10:31h - Leiam mais sobre as doenças causadas pelos venenos banidos em outros países. Não podem vender alimento carregado de venenos. Olha a epidemia de câncer em nosso país! Não enxergam? Matar a fome e receber câncer? Receber dinheiro e estragar nossa terra? Nossa agua, animais. A monocultura por si só já é destruidora. Sou enfermeiro padrão. (Charles H.:)

21/01/2016 às 10:20h - Acabar com problema criando cem mil outros e doenças é coisa de roçeiro ignorante! (CHARLES)

28/09/2015 às 10:11h - O Brasil é um dos únicos países que utiliza os produtos citados, devido a sua combinação com outros herbicidas, tem tido uma aumento muito grande nos casos de câncer no país! Será que vale a pena trocar um aumento de produção pela vida? PENSE NISSO! (Ângelo Ricardo)

30/07/2015 às 03:54h - Foi publicado na revista do CFMV (Medicina veterinária), estudo e monitoramento em peixes de água doce, alterações nas células dos testículos (barrigudinho..por exemplo), . (Victor Carvalho)

09/04/2015 às 01:57h - Esses povo criado em escritorio nao faz ideia do que e cultivar . Querem proibir o uso do glifosato. Quero ver eles dar conta de uma roça na enchada so sabem ir atras de dadod tecnicos vem pra pratica pra ver .enquanto ao uso de agrotoxicos depois que começamos a usa-los nossa produçao aumentou cerca de 400 % na produçao de cafe (Jordan santanna)

31/03/2015 às 12:41h - atualmente estou secretário de agricultura do municipio de Garuva em Santa Catarina e defendo o uso com receituário agronômico . O uso dos agrtóxicos trouxe alta produtividade de alimentos,sem eles muita gente estaria passando fome,demagogia de quem defende o meio ambiente e não trata o seu proprio residuo diário. (Aroldo Acordi)

30/03/2015 às 09:21h - Vamos informar À vigilancia epidemiológica dos paises importadores de produtos do Brasil que isso esta acontecendo. Se for verdade teremos uma solução. (CHARLES )

08/11/2014 às 02:08h - SEM CULTURA, SEM TRADIÇÃO! SEM SAÚDE, SEM VIDA PRÓPRIA! PRESERVAR A NATUREZA É PAPEL DE TODOS, DEPOLUIR OS RIOS QUE JÁ MUDARAM DE CHEIRO E COR É RESPONSABILIDADE DE TODOS. REFLORESTAR GRANDES ÁREAS PARA QUE A NATUREZA TENHA A UMIDADE NECESSÁRIA PARA QUE OS LENÇÕIS FREÁTICOS TENHAM SUA VIDA NORMAL. E AS FONTES E RIOS TENHAM A PROTEÇÃO COM MATA CILIAR PARA QUE NÃO SEJAM ATERRADOS COM AS EROSÕES, É PAPEL DE TODOS. (MARYLEE)

15/05/2014 às 05:41h - PARABÉNS MPF!!! Pena que a força das multinacionais que produzem herbicidas e outros VENENOS seja tanta que, com certeza, esta ação será derrotada... E assim caminha a pobre humanidade, devastando tudo o que encontra pela frente, poluindo seus rios e o ar que respiramos... E segue aumentando os casos de câncer, de imunodeficiências e de outras doenças crônicas... Por favor, CHEGA DE VENENO!!! (Fernando Pires)

13/04/2014 às 07:58h - Isso é coisa de quem só sabe comer da nossa produção,mas não sabe como plantar e cuidar de um pé de feijão. (Ilton)

12/04/2014 às 08:40h - Absurdo!! Isto é um grande absurdo querer proibir o uso do glifosato, deveriam adicioná-lo direto na àgua tratada para que todos pudessem usufruir diretamente dos benefícios desta maravilhosa substância ao invés de jogá-la no solo e ficar ingerindo-a em doses homeopáticas via resíduo alimentar. Viva a Monsanto!! (João Civeta)

06/04/2014 às 10:30h - Quem afirma que a técnica do Plantio direto é sinônimo de uso de herbicida, infelizmente não conhece a história. Quando foi introduzido o plantio direto no Brasil, os pesquisadores falavam em fazer plantio direto com palha, dentro e fora do solo. A palha funcionaria como inibidor da emergencia das e (Luiz Carlos Marmilicz)

06/04/2014 às 10:33h - Falam que o Brasil esta estre os países que mais utilizam defensivos agrícolas, eu concordo realmente utilizamos muito, mais o motivo é que os produtos existentes no país são ineficientes oque obriga os agricultores a usarem grandes quantias de agrotóxicos. Por que os nossos governantes não liberam (Raphael)

04/04/2014 às 07:38h - E SE NÓS AGRICULTORES PARARMOS DE PRODUZIR ALIMENTO? ESSES BACANAS VÃO COMER CAPIM NÉ? (MARCELO)

03/04/2014 às 08:42h - Sr. ANONIMO um Pais só cresce quando se pensa na saude da população fique tranquilo não é poluindo solo e rios acabando com nossa fauna e flora que teremos uma agricultura exemplar o MP teria estar vendo isso ha muito tempo (Helcio benedito bicudo)

03/04/2014 às 08:39h - Nós Engenheiros Agrônomos, agora vamos ter como concorrente o Ministério Público, avaliando segurança, qualidade de aplicação, produtividade agrícola, emitindo receita, regulando barra de aplicação, dê umas enxadas para eles ver o que é diferente do que ficar atrás da mesa. (Manoel José Sant´Anna)

02/04/2014 às 07:43h - estão querendo acabar com o agricultor, é assim que querem que o Brasil cresça??? Acabando com a nossa agricultura?? (Anonimo)

29/03/2014 às 09:37h - Caros amigos. Vamos pegar nossas grades velhas e colocar no solo preparado a mais de 20 ou 30 anos acabar com o plantio direto: Ai sim os ambientalistas vão ver o que é rio entupidos de solo. Vamos usar trifluralina; milhões de litros de óleo diesel e tudo mais??????? (Denilson Carlos Gruber)

29/03/2014 às 09:18h - Isto é retrógrado: Coisa de gente que não tem o que fazer. (jose carangola.)

29/03/2014 às 12:09h - Vamos comer pedra. É impressionante como nosso governo, mais atrapalha do que ajuda. São todos um bando de inúteis, não sabem qual a importância do glifosato para nossa agricultura. (paulo)

29/03/2014 às 09:49h - E um Absurdo! Taxação da soja em 9% e Proibição do Glifosato, querem acabar com a agricultura brasileira. Glifosato nunca foi nem de longe um produto tóxico e perigoso ao meio ambiente, pois sua meia vida é considerado baixa. Se proibirem tantos herbicidas vamos voltar ao plantio convencional. Se isso acontecer a agricultura brasileira está com os dias contados. Deixo aqui minha indignação com o que está acontecendo. pois o governo brasileiro desestimula a agricultura, aumenta impostos para desviar em obras como a da copa! Isso precisa parar! BASTA!!! (Jorge)

29/03/2014 às 08:39h - Pois deviam também proibir a venda de carros (que poluem e matam milhares de pessoas em nosso país todo ano, e também são de multinacionais que "sangram" o Brasil com altos preços e propagandismo). Convenhamos... tem que usar direito os produtos, e não proibir. Falta é educação, no campo e cidade, para os produtores saberem usar os produtos direito, e para o povo votar direito (mas isso nosso governo não quer). Saber os herbicidas: os produtores vão fazer o que pra controlar invasoras em nosso país tropical? Os ecochatos (talvez os presidiários, mas isso nossa Ministra dos direitos humanos não deixa) irão capinar nossos 20 e tantos milhões de hectares duas ou três vezes por ano ? ? ? (Giovani - agrônomo)

29/03/2014 às 12:52h - Parece que Ministério Público trabalha para que não pode ganhar altos salários. (jeronimo david dias de campos neto)

28/03/2014 às 06:04h - Gustavo, então volte pra era das cavernas, da caça e da coleta e seja feliz! "Altamente nocivos ao ambiente e a saúde humana" são comentários como o seu, de ignorantes. (Claudio Otero)

27/03/2014 às 10:06h - O fato é que o glifosato e o 2,4-D são altamente nocivos ao ambiente e saúde humana. Isso é só o começo colegas. Toda linha de agrotóxicos sintéticos estão com os dias contados por razões científicas. Cabe a nós, produtores e técnicos buscar soluções criativas como sempre fizemos. Particularmente, já estou buscando sementes de mucuna preta, mucuna cinza e feijão de porco, além de já estar recuperando e construindo os velhos e esquecidos rolos-faca. Ah, só pra avisar... Neem pega de estaquia! (Gustavo)

27/03/2014 às 09:12h - proibir o glifosato e voltar para traz, fazer lavouras convencional acabar com toda estrutura do solo provocar erosão e muito mais isso que queremos para nossa agricultura????? (Fernando)

27/03/2014 às 05:56h - Tem gente brincando com coisa seria, além da PETROBRAS. (goncalo)

27/03/2014 às 04:39h - Como tudo na agricultura, transgênicos, defensivos, etc..., para ser contra não precisa conhecer, mas para ser a favor, sim, tem que conhecer. Tem um monte de "ecochatos" criticando aquilo que desconhecem. Inclusive na justiça. É a realidade atual do país, onde os dirigentes não tem conhecimento de nada e são mal assessorados. (Fernando A. Ribeiro Arruda)

27/03/2014 às 12:28h - Com o PT no governo, não podemos esperar medidas coerentes e que ajudem o agrobusiness brasileiro. Essas pessoas nutrem intenso ódio por quem trabalha e produz no campo. Eles, sim, fazem um mal danado a toda a população. Hipócritas! (Nadir Tomasini Junior)

27/03/2014 às 10:59h - também concordo com esta ação, precisamos banir, acabar suspender todos esses produtos prejudiciais ao homem e que a indústria inove com produtos menos agressivos! É preciso também que as autoridades fiquem atentas com o uso indiscriminado de produtos sem respeito ao intervalo de segurança! (Silva)

26/03/2014 às 09:05h - O MP hoje é formado por um bando de incompetentes, da linhagem vermelha , que nunca pisaram numa bosta de vaca e não sabem de onde vem o leite , o ovo, o pão que comem diariamente. São os que se abraçam em uma árvore para desestressar de não fazer nada de útil para este pais. É uma vergonha ter que engolir uma situação desta. Mas com certeza a parte boa deste pais, que ainda existe, que são os agricultores , os que produzem e sustentam a nação não deixariam barato um ato insano destes. Vão produzir e fazer algo de util. Sanguessugas da nação. (ARNALDO ANTONIO ARGENTA)

26/03/2014 às 08:23h - Quando alguém do governo pensa na saúde da população, esses caras financiado pelas multinacionais se sentem ofendidos, lutam pra que seus produtos sejam lançado ao solo sendo que uma grande maioria que fazem uso desses produtos nem sequer sabem o dano que causam ao meio ambinte. Afinal vamos pensar tambem numa geração que virá e deixar o solo e agua em condições pra que possam desfrutar também (Helcio benedito bicudo)

26/03/2014 às 07:24h - As pessoas mal informadas, pensam que alimentação nasce nas prateleiras de supermercados. Não sabem o quanto trabalha um agricultor, as vezes dia santo, feriados, domingos e assim vai, para não perder seu árduo trabalho para produzir alimentos, não só para sua família, como para o mundo. Alguns tentam frear o Brasil, pois sabem que é o seleiro do mundo, quero ver quando surgir a fome no mundo, será que ambientalistas vai dar o que comer ao mundo? (Claudio Monari)

26/03/2014 às 07:13h - Do jeito que os produtores são desunidos e capaz de realmente conseguirem proibir. Vamos ver se os SINDICATOS RURAIS e A BANCADA RURALISTA realmente mostram para que existem e protejam os produtores rurais dessa barbaridade. (fernando agudo)

26/03/2014 às 06:59h - O MP tenta de toda forma segurar a classe que sustenta esse país, usando métodos totalmente arcaicos, ficam sem ter o que fazer e atrapalham os que querem produzir. A maior parte da soja é exportada. Porque os compradores, que são tão rigorosos a respeito de agrotóxicos não param de comprar do Brasil? O MP esta tão desatualizado que nem sabe que não existe soja geneticamente modificada para tolerar o produto 2,4 D. Isso realmente é uma vergonha e quem apoia a isso, provavelmente não depende da agricultura brasileira para se alimentar, se alimenta de produtos do exterior que geralmente é feito de matéria prima do Brasil. (Eduardo)

26/03/2014 às 06:45h - Porque o MPF não vai investigar a origem de uma empresa no Agronegócio localizada na metade do Pará, com mais de 1,2 Milhões de hectares de terra e 600 mil cabeças de Gado, Denominada Agropecuária Santa Barbara, onde o nome Lulinha soa ao ventos e todos o conhecem, junto com o Sr. Daniel Dantas. O País esta tomado por canalhas, é o começo do fim da democracia. (Pedro)

26/03/2014 às 06:25h - Eles sabem muito bem o que estão fazendo: criando dificuldades para vender facilidades. Agem da mesma forma que os políticos, e isso nos deixa desguarnecidos. No DF e em todos os estados onde terá jogos da copa, o MP fez acordão com os governos estaduais: grandes benesses financeiras a troco do silêncio face aos superfaturamentos e péssima qualidade das obras (Crato)

26/03/2014 às 05:12h - Utilização de herbicidas de ação total é pré requisito para sucesso do Sistema Plantio Direto. O MPF sabe qual seria o impacto ao meio ambiente caso essa tecnologia fosse abandonada e retrocedêssemos ao uso do sistema de plantio convencional? (Daniel Jobim Badaraco)

26/03/2014 às 05:01h - A Senadora Katia Abreu, com toda a certeza, não vai concordar com este absurdo técnico, econômico e social. Está na hora da CNA, publicamente, tomar posição e combater pensamentos retrógrados, talvez com outros interesses. Estão querendo brincar de fazer agricultura. São pessoas sem o menor conhecimento do Setor Agro. Vamos lutar contra os inimigos da agricultura. (Francisco Aliomar Albuquerque Feitosa)

26/03/2014 às 04:26h - Caros comentaristas. Fico contente que não estou só no meu protesto a esta ação obtusa. Para uma visão profunda da agroecologia ou da distorção que ganha este nome em nosso paíss, veja, os artigos na seção Opinião em https://seer.faccat.br/index.php/coloquio (Paulo Andrade)

26/03/2014 às 04:00h - É lamentável... O poder público deveria prezar pela pesquisa, por alternativas viáveis, por capacitação do produtor e técnicos, visto a importância que todos - da cidade e do campo, sabem que esse setor significa no PIB. No entanto, é mais fácil baixar o cacete. O companheiro que mencionou sobre a guerra tem razão. (Irley)

26/03/2014 às 03:40h - Eles sabem muito bem o que estão fazendo: criando dificuldades para vender facilidades. Agem da mesma forma que os políticos, e isso nos deixa desguarnecidos. No DF e em todos os estados onde terá jogos da copa, o MP fez acordão com os governos estaduais: grandes benesses financeiras a troco do silêncio face aos superfaturamentos e péssima qualidade das obras (Crato)

26/03/2014 às 03:35h - Estão procurando pelo em ovo, creio mesmo no desvio de foco de um problema sério que ha de aparecer, vamos nos unir Bancada Ruralista (Fernando)

26/03/2014 às 03:15h - Vai começar a terceira guerra mundial!!! motivo a fome!!!! um salve para política mais burra do mundo!!!! (valdemir)

26/03/2014 às 01:56h - 26/03/2014 - Verdadeiramente, gostaria de saber quem está por trás dessa 'descoberta da roda',... Bem como, qual órgão AGRONOMICO foi consultado para se chegar a esse veredicto... Creio mesmo, que esse deve ser mais um evento 'ilustrativo' para chamar a nossa atenção a outra escândalo que (logo) virá a tona. (David Leite do Nascimento)

26/03/2014 às 01:41h - Acabar com o glifosato impactaria na indústria fabricante de tratores, significaria um retrocesso, pois acabaria com o plantio direto e o retorno ao plantio convencional, que provoca erosão, implica em gastar mais combustível, portanto, mais poluição, combustível fóssil, que é finito e agride o ambiente. Sem glifosato não há falar em plantio direto. Nem em soja. Significa produzir muito menos, redução do PIB, que ainda puxa a economia e a mantém, do contrário a vergonha nacional seria ainda maior. É o fim da picada. É um almofadinha, que nunca pisou num chão, que nunca plantou nada, querer aparecer. O que tem que fazer é ir buscar nos países que lançaram primeiro esta tecnologia, e que nos vendem e nos cobram royaltes, para ver como seles saíram ou pretendem sair desta sinuca! Não sair proibindo para depois ver no que vai dar. (MÁRCIO LUIZ FIEGENBAUM)

26/03/2014 às 01:15h - Eliana, não é o caso de ter medo- jamais, mas de lutarmos pelos nossos direitos e contra os que desejam o mal da agricultura e não possuem conhecimento técnico e do que é a FOME. (Francisco Aliomar Albuquerque Feitosa)

26/03/2014 às 12:41h - Quando a Anvisa quis proibir o emagrecedor sibutramina, a classe médica proibiu a Anvisa de proibir. Mesma coisa vai acontecer se quiserem continuar com esses mi mi mi. Simplesmente vão proibir a Anvisa de proibir novamente. Agrotóxicos podem e devem ser utilizados, DESDE QUE ACOMPANHADO PELO ENGENHEIRO AGRÔNOMO. (Ricardo Braido)

26/03/2014 às 11:57h - Mais uma do tal Ministério Público, que ao invés de tentar atrapalhar a produtividade do meio rural deveria se preocupar em banir do congresso os deputados ou senadores que demonstrarem alto risco de toxicidade ao erário público, sendo que em caso de dúvida quanto a integridade do parlamentar, também seja proibido de legislar até um posicionamento definitivo por parte da justiça. (Daniel Roberto Galafassi)

26/03/2014 às 11:50h - muito bem não podemos exterminar os agrotoxicos mas pelos menos ameniza (clodimar barbosa dos santos)

26/03/2014 às 11:48h - Banir não é uma solução. O uso errado da tecnologia dos herbicidas é um crime. Lembrando que o Gliphosate permitiu o Plantio Direto no Brasil e os primórdios da conservação dos solos tropicais. (Felipe)

26/03/2014 às 11:42h - Agricultura sem glifosato e 2,4 d significa abdicar de todos os ganhos de produtividade e conservação do solo e da água que a agricultura moderna conseguiu com o plantio direto nos últimos anos. Imagina voltarmos a arar e gradear os solos para o plantio! Não existiria produção de alimentos suficiente para matar a fome no mundo sem estes 2 produtos que ainda não possuem substitutos eficientes e tão seguros quanto. Esperamos do MP mais foco em resolver os abusos na Petrobras e metrô de São Paulo apenas como exemplos. (José Ricardo)

26/03/2014 às 11:23h - Seria interessante o Ministério público mover ação para que não se produza nenhum alimento no país pois toda produção de alimentos causa impactos ambientais" assim o MP protegeria todo o Meio Ambiente dissiminando toda população humana pois sem defensivos como será produzido alimentos. Seria muito interessante que além da faculdade de direito Os promotores tivessem que frequentar a faculdade de biologia e de agronomia (giseli)

26/03/2014 às 11:12h - o 2,4D não precisa de transgênicos para resistência, por que a maioria das gramíneas já é resistente a ele. É de baixo residual, uma vez que é usado em dessecação (associado a outros) para plantio direto. O seu grande "mal" é histórico por ter sido usado na guerra com o nome de agente laranja que era usado para desfoliar a floresta. Desfoliar - por que seu potencial mortífero contra plantas perenes é baixíssimo. Então muto se fala mal do 2,4D sem conhecimento de causa. Quanto ao Glifosato, ele é simplesmente o maior fator da conservação de solo e da água na história deste pais. Falar mais o quê. Como disse o colega anterior, TUDO usado ERRADO causa ERROS. A agua por exemplo é extremamente letal para quem não sabe nadar. Já seu uso correto é uma excelente terapia para recuperação de acidentados.... (Luciano Vilela)

26/03/2014 às 11:01h - Primeiro, os testes toxicológicos que avaliam os impactos de substância químicas na saúde humana e no meio ambiente são tão ineficientes e desatualizados que dá vergonha. Não evoluíram no mesmo ritmo que os insumos. E não é só no Brasil, é no Mundo inteiro. Portanto, cabe as instituições responsáveis em se atualizar na metodologia de avaliação. Segundo, antes de proibir ao que está a mais de 30 anos em uso no mercado, deve ter no mínimo critério gradual de substituição da tecnologia para diminuir o impacto econômico sobre a atividade de produção agrícola. É o mínimo que se espera. Conclusão, Penso que o alimento está muito barato na mesa da MPF. (Solismar Venzke Filho)

26/03/2014 às 10:49h - Parabenizo a coragem destas pessoas que não estão com "medo dos cachorros grandes". Precisamos fazer o que é certo por convicção, não por medo de enfrentar um inimigo. (Eliana M. Santos)

26/03/2014 às 10:38h - Caros leitores. É impossível discordar da importância em se discutir o impacto dos agrotóxicos, sejam eles herbicidas, inseticidas ou outros praguicidas. Mas também é impossível imaginar uma agricultura moderna sem eles. O uso correto é a solução, e não o banimento, embora possa se banir alguns agrotóxicos mais agressivos ao ambiente o à saúde humana. Não é o caso do glifosato, nem do 2,4-D. Banir todos os agrotóxicos é inviabilizar a cultura mecanizada nos campos e voltar à enxada. No link abaixo comento o que aconteceria neste caso. Boa leitura. http://genpeace.blogspot.com.br/2014/03/sobre-enxadas-e-agrotoxicos-jumentos-e.html (Paulo Andrade)

26/03/2014 às 10:38h - Tem gente querendo aparecer! Talvez o MP deva se preocupar com a Petrobras, com os empréstimos do Governo à Friboi, com o golpe do Grupo X-Batista, etc. Nós já temos muitos problemas na agricultura: ervas, pragas e doenças. Mas um problemas o MP é querer inviabilizar o setor rural. (Francisco Aliomar Albuquerque Feitosa)

26/03/2014 às 09:49h - Ta bom! Gostaria de pedir também so MP que peça para retirar também do merdado vários medicamentos, como AS, Neosandina, Antibióticos, entre outros, que SE USADOS DE FORMA INADEQUADA TAMBÉM FAZEM MAL A SAÚDE HUMANA, POIS, TAMBÉM SÃO PRODUTOS QUÍMICOS. Tudo que usamos em nosso dia a dia se usado de forma inadequada faz mal a saúde, até tv de mais faz mal!!! (Mauricio)

26/03/2014 às 09:46h - O MPF/DF deve estar sem serviço para propor tamanho absurdo. Acabar com a lavoura de soja que sustenta economicamente este pais. Realmente em um pais onde não temos problemas de segurança, saúde, educação e corrupção, temos que achar algo para causar impacto. (maria alice)

26/03/2014 às 09:45h - Que ferramentas vamos utilizar nas lavouras, pois glifosato diminuiu o impacto ao meio ambiente de forma geral. Vamos ter que voltar ao preparo convencional????????? (Alexandre Ancinelo)

26/03/2014 às 09:42h - Como sempre a justiça e governo Brasileiro, contra o caminhar da agricultura e o desenvolvimento da mesma, sem saber a real importância e necessidade dos princípios ativos citados os quais são fundamentais para a produção. O governo não é do campo, não sabe o que acontece no campo e quem elege não é do campo. Nos profissionais da agricultura precisamos de uma política, pois nós que mantemos a maior parte do PIB desse "pais de bolsas que elegem". (Marco Aurélio)

26/03/2014 às 09:35h - Não sei porque o MP quer banir o Glifosato, os outro princípios, principalmente o 24D é muito tóxico mas o Glifosato é pouco tóxico ao ser humano e meio ambiente. Acho muito difícil que ocorra essas proibições o MP vai brigar com cachorros grandes as multinacionais. (MARCOS BITENCOURT)

26/03/2014 às 09:13h - Vai ser o caos a proibição do Glifosato, seria necessário antes, pesquisar um substituto. (Renato)

26/03/2014 às 08:54h - Querem banir por suspeita que faz mal a saúde. Isso é imprescindível para a produção de alimentos hoje no Brasil e no mundo. Vai faltar e encarecer muito a oferta e o preço dos alimentos. Fome mata. Poluição mata também. Porque não proibem o uso de combustíveis também. Esses caras não passam de uns ecoignorantes pra não dizer outras coisas. (Milton Locatelli)

26/03/2014 às 08:13h - Penso que é preciso adotar medidas que propiciem as empresas produzirem "agrotóxicos menos tóxicos" e dar prazo para retirar os mais tóxicos de circulação. Existe muito uso desnecessário. (Geraldo Boêger Eller)

26/03/2014 às 07:54h - Os caras ficam o dia todo sentado atrás do computador não conhecem nem um pé se soja e querem ficar inventando moda. Mal sabe eles o quão importante são estes ativos para a produção de grãos no país. Tem que se preocupar mais em prender bandido e assassino e deixar a agricultura pra quem entende!!! (Bruno)

26/03/2014 às 07:39h - Parabéns Ministério Público, finalmente alguém teve peito de fazer algo útil para a saúde da população, o Brasil é o maior consumidor de produtos químicos do mundo, e alguns produtos são proibidos já faz algum tempo em outros países. (Alessandro)

25/03/2014 às 08:15h - Deve e haver algum engano pois não tem transgênico resistente a 2,4 D...logo não tem como proibir a comercialização de sementes resistentes a este princípio ativo... (Luciano Silva)

Colunistas | Eventos  | Cadastre-se  | Agrotempo  | Feiras e Fotos  | Vídeos
Ip: 54.80.231.170 Cod: -1 Est: -1 Cid: -1