"Máfia do milho" será combatida em Mato Grosso

Agronegócio

"Máfia do milho" será combatida em Mato Grosso

Uma megaoperação está sendo planejada para se combater com maior rigor três setores da economia mato-grossense
Por:
725 acessos

Uma megaoperação está sendo planejada para se combater com maior rigor três setores da economia mato-grossense, mas principalmente a simulação de vendas de grãos, principalmente o milho que teve um grande aumento na safra deste ano e se encontra correndo o risco de perda por falta de estocagem ou comercialização. A operação está sendo coordenada pela Delegacia de Polícia Fazendária (DPF) pelas polícias Federal, Judiciária Civil, Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e Secretaria de Fazenda (Sefaz).

Dentro da Sefaz a questão do milho já está sendo tratada como a "máfia do milho", tamanha a simulação de vendas do produto para exportação, mas que na verdade o produto nem deixa Mato Grosso ou o Brasil. Nesse tipo de operação, são emitidas guias de exportação que não gera incidência de ICMS, outros impostos e taxas e o produto acaba sendo comercializado no mercado interno em vantagem contra os que recolheram os impostos e taxas, valores embutidos no preço final.

O secretário de Fazenda, Eder Moraes, lembrou que sua determinação maior é pelo combate a sonegação e a evasão fiscal, apontando que o governo Blairo Maggi não concedeu nenhum reajuste nos impostos e pelo contrário derrubou alíquotas e reduziu a incidência dos mesmos. "Nos adequamos a realidade econômica do momento, agora não deixaremos de cobrar, fiscalizar e endurecer o jogo com quem sonega ou evade as receitas que são de Mato Grosso e que fomentam o desenvolvimento e as ações do Estado", disse ele sinalizando que independente de qualquer coisa a ordem do governador é para exigir o que é de propriedade do Estado.

O secretário de Fazenda confirmou a criação de uma nova Delegacia Fazendária exclusiva para as questões de grãos, combustíveis e frigoríficos, onde já se tem notado facilidades por parte de alguns empresários que promovem a desordem no setor, mas que serão duramente combatidos, pois não é admissível certos tipos de ações. "Estamos fechando o cerco, como todos os Estados brasileiros. Não vai haver mais espaço para os sonegadores e para aqueles que deixam de cumprir com suas obrigações e na verdade acabam prejudicando a sociedade, os municípios e os Estados", disse o secretário Eder Moraes.

As ações da Delegacia de Polícia Fazendária são responsáveis pelo desbaratamento de diversas quadrilhas de sonegadores em todo Mato Grosso. A unidade vem ampliando sua atuação.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink