Análise da qualidade da soja de MT continua nesta safra
CI
Agronegócio

Análise da qualidade da soja de MT continua nesta safra

Aprosoja solicita apoio dos produtores para envio de amostras
Por:

Pelo quinto ano consecutivo, a Aprosoja em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) trabalham na análise das qualidades intrínsecas e nutricionais presentes nos grãos de soja produzidos no estado. Nesta safra 2011/12, a entidade solicita o apoio dos produtores para o envio das amostras para a análise do laboratório da universidade.

De acordo com a coordenadora da pesquisa, Maria Aparecida Braga Caneppele, é fundamental a diversificação das amostras para que o estudo possa mapear por completo a produção de soja de Mato Grosso. “Este ano solicitamos à Aprosoja o envio de amostras de cultivares de ciclo precoce, médio e tardio, de diversas regiões e municípios produtores”, explicou a professora.

O projeto “Classificação de Grãos” busca levantar informações para diferenciar o grão produzido nas diferentes regiões do estado, auxiliando os produtores a conhecer melhor o seu produto. “As pesquisas norteiam o caminho em que o produtor precisa seguir, dando condições e mostrando onde pode ter melhoria, além de poder ser um diferencial na hora da comercialização. Acreditamos que no futuro poderemos oferecer ao mercado um produto customizado, indicando onde está a soja com maior valor protéico ou de extração de óleo”, destaca Cid Sanches, gerente de planejamento da Aprosoja.

No ano passado, o projeto apresentou os dados obtidos com as pesquisas até a safra 2010/11. E segundo as análises, a qualidade da soja de Mato Grosso supera a dos grãos produzidos nos Estados Unidos. Na composição do grão mato-grossense o índice de proteína varia de 39% a 42% e de óleo entre 17% a 23%. Já em campos americanos o máximo da qualidade da soja, que são os elementos que compõem os grãos, é de 37% de proteína e 20% de óleo. “O máximo deles [Estados Unidos] é o mínimo nosso”, avaliou a coordenadora Maria Aparecida. “Conseguimos constatar que o grão da soja plantada em Mato Grosso é excelente e atende as exigências das indústrias”, complementa a professora.

A coordenadora explica que os resultados são influenciados pelas condições climáticas e pelo tipo da amostra, além da maneira com que é realizada a coleta. “Os desafios para os trabalhos deste ano são uniformizar o envio das amostras, aperfeiçoar a obtenção dos dados climáticos, aprimora a metodologia, entre outros. Cada safra apresenta uma característica e nosso objetivo final é ter um estudo aprofundado e completo da qualidade da soja produzida em Mato Grosso”, afirmou Maria Aparecida.

Os produtores que tiverem o interesse em participar, enviando amostras para análise devem procurar a Aprosoja para mais informações.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.