Aquisição da Swift pela Friboi revela avanço do país no setor
CI
Agronegócio

Aquisição da Swift pela Friboi revela avanço do país no setor

As compras brasileiras de frigoríficos estrangeiros reforçam ainda mais o poder de fogo do país
Por:

A compra da Swift pela Friboi surpreendeu os americanos. Eles esperavam uma solução caseira para os problemas da empresa, que abateu 82% a mais de bovinos do que a brasileira e teve receita 405% maior em 2006.

Mas a dívida líquida do Friboi é só 2,6 vezes maior do que seu Ebitda (lucro antes de impostos, amortizações e depreciações), enquanto a da Swift chega a 5,1 vezes. Ou seja, a americana é uma empresa com problemas financeiros, do tipo que a Friboi gosta de adquirir, como fez com vários frigoríficos brasileiros e argentinos.

Com custos baixos, produção crescente e exportação em contínua evolução, o Brasil começa a avançar fortemente sobre concorrentes.

O país virou a última década com pouca participação no mercado externo. Em 1997, com vendas externas de apenas 148 mil toneladas de carne bovina, o país obteve receitas de US$ 440 milhões. Em 2000, o volume exportado sobe para 340 mil toneladas e as receitas vão a US$ 790 milhões.

O grande salto ocorreu nesta década. No ano passado, o país já atingiu 1,7 milhão de toneladas de carne bovina exportada, com receitas de US$ 4 bilhões. Mas essa explosão não se deve só ao volume produzido e exportado mas também ao aprendizado brasileiro no exterior.

Há alguns anos, os frigoríficos brasileiros colocavam a carne no mercado externo com até sete intermediações e pequena margem de lucro. Hoje, alguns frigoríficos já conseguem colocar seus produtos diretamente nos supermercados europeus, ocupando nichos específicos e aumentando suas margens.

Parte do mercado ganho pelo Brasil se deve a problemas sanitários em outros países, principalmente na Europa. As compras brasileiras de frigoríficos estrangeiros reforçam ainda mais o poder de fogo do país. Com os pés em vários mercados, essas empresas têm maior mobilidade para atender clientes pelo mundo.

A Friboi agora finca os pés nos principais mercados mundiais de carne bovina, o que lhe dá enormes vantagens competitivas: o Brasil é o maior produtor mundial, os EUA são os maiores consumidores, a Austrália é fornecedora de carnes "premium" para a Ásia e a Argentina tem carnes reconhecidas no mercado, principalmente na Europa.

Apesar desse avanço para o mercado externo, os frigoríficos brasileiros ainda têm vários problemas internos que podem atrapalhar sua expansão -desde os sanitários, como o difícil combate à febre aftosa, até as acusações de formação de cartel e informalidade, negadas pelo setor.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink