País deve liderar agronegócio em 2020

Agronegócio

País deve liderar agronegócio em 2020

Segundo o economista e consultor da CNA, Luiz Antonio de Camargo Fayet, a expectativa é de que até 2020 o País ultrapasse os norte-americanos
Por:
399 acessos
Atualmente, o Brasil é a segunda maior locomotiva do mercado de agronegócio mundial, superado apenas pelos Estados Unidos. E, conforme o economista e consultor da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) Luiz Antonio de Camargo Fayet, a expectativa é de que até 2020 o País ultrapasse os norte-americanos.

O agronegócio brasileiro cresceu em média de 7% a 10%, ao ano, dependendo do segmento, na última década. Fayet salienta que o Brasil também teve uma grande expansão nas exportações do setor, no mesmo período. Ele informa que o País é responsável por cerca de 1,5% do total das exportações globais. Quando se refere ao agronegócio, esse patamar sobe para algo em torno de 7%. Fayet explica que isso se deve, principalmente, ao crescimento da população mundial e da sua renda.

Outro ponto destacado pelo pesquisador é a escassez no planeta de novas áreas para serem incorporadas no agronegócio. Segundo ele, de cada quatro hectares disponíveis no mundo, um encontra-se no Brasil. “Nós estamos detendo perto de um quarto das áreas ainda a serem agregadas no agronegócio”, enfatiza Fayet. No caso, o Cerrado é a região que apresenta o maior potencial de desenvolvimento.

O especialista ainda ressalta que os produtos ligados ao agronegócio sofreram um impacto menor do que os industrializados com a crise econômica internacional. O presidente do Conselho Regional de Economia do Rio Grande do Sul (Corecon/RS), economista José Luiz Amaral Machado, concorda que o Brasil tem um enorme potencial para fornecer alimentos ao mundo. “No entanto, tenho o receio no atraso que temos na área de infraestrutura”, argumenta Machado.

Fayet complementa que o País tem um custo logístico que varia de 5% a 10% do PIB. “Vivemos um apagão portuário”, lamenta o consultor. Para ele, uma solução para esse cenário é aumentar o número de empreendedores privados dentro do sistema portuário, intensificando a concorrência nesta área. Pois hoje, afirma Fayet, existe uma concentração muito grande nas operações portuárias.

Fayet e Machado participaram na quinta-feira de debate sobre a crise econômica mundial no XIV Enesul - Encontro de Economistas da Região Sul. O evento iniciou na quinta-feira e será encerrado nesta sexta-feira (21), em Porto Alegre, no Hotel Deville. O Enesul, reunião realizada anualmente por um dos Conselhos Regionais de Economia da Região Sul, é promovido pelo Corecon gaúcho em parceria com os Conselhos de Santa Catarina e Paraná.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink