SC: pesquisa da Epagri pode redefinir ponto de colheita da pitaia

COLHEITA

SC: pesquisa da Epagri pode redefinir ponto de colheita da pitaia

A descoberta foi feita por meio de uma técnica inovadora desenvolvida pelos dois pesquisadores
Por:
109 acessos

Um estudo desenvolvido pelos pesquisadores Andrey Martinez Rebelo e Alessandro Borini Lone, da Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI), identificou que a colheita da pitaia vem sendo feita quando a fruta ainda não está completamente madura.  A descoberta foi feita por meio de uma técnica inovadora desenvolvida pelos dois pesquisadores, mais simples e rápida, que rendeu à pesquisa uma premiação da Associação Brasileira de Química. O trabalho será apresentado na próxima edição do Congresso Brasileiro de Química, realizado de 5 a 10 de novembro, em João Pessoa (PB).

Andrey, que é responsável pela Unidade de Ensaios Químicos e Cromatográficos da EEI, explica que a pitaia é um fruto não climatério, ou seja, não amadurece depois de colhido, ao contrário da banana, por exemplo. Isso significa que se a colheita for feita quando a pitaia não estiver madura, ela não vai contar com inúmeros compostos químicos que darão à fruta um sabor mais adocicado, atrativo ao paladar do brasileiro. “A próxima etapa da pesquisa, que será realizada em 2020, é determinar quando, de fato, o fruto está pronto para ser colhido, a partir da identificação da presença desses compostos. Hoje a orientação técnica é fazer a colheita quando o fruto muda de cor, mas isso pode mudar”, explica Alessandro.

Alessandro e Andrey, autores da pesquisa com a pitaia

Pela segunda vez consecutiva a Associação Brasileira de Química premia trabalho da Epagri desenvolvido na Estação Experimental em Itajaí. Os melhores são selecionados para apresentação oral no Congresso Brasileiro de Química. Na edição de 2018 o trabalho selecionado visava estabelecer método para análise de feromônios liberados pelo percevejo-do-grão, de autoria também de Andrey, juntamente com o pesquisador Marcelo Mendes de Haro.

Este ano, o trabalho de Andrey e de Alessandro se destacou como um dos 43 melhores entre os 1277 inscritos. “Os trabalhos desenvolvidos pela Epagri têm se destacado principalmente pelo seu caráter aplicado e que sempre se baseiam na busca por soluções demandadas pelas cadeias produtivas assistidas pela Empresa”, ressalta o pesquisador Andrey.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink