Soja e milho em queda livre. Quem vai encarar?

Agronegócio

Soja e milho em queda livre. Quem vai encarar?

Perspectivas do mercado mundial de commodities apontam tendências negativas para 2010, com a saca da soja atingindo até US$ 6 por bushel
Por: -Janice
1571 acessos

Quem vai encarar a safra 2009/2010 com a soja por até US$ 6 por bushel e o milho podendo atingir limites de até US$ 2,30 por bushel? A pergunta ecoou na manhã desta quinta0feira durante o painel ‘Mercado de Commodities Pós-Crise Mundial – Previsões de Safras e Preços’, que abriu o segundo dia de trabalhos da terceira edição da Bienal dos Negócios da Agricultura, que está sendo realizada no Cenaruim Rural, em Cuiabá.

O painel foi apelidado pelos produtores como o encontro dos três temores, já que pela primeira vez, analistas dos três maiores produtores e exportadores de soja do mundo – Estados Unidos, Brasil e Argentina – se encontram num mesmo evento para traçar mercados.

Diante de um cenário adverso, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) – promotora da Bienal – Rui Ottoni Prado, frisa que não ao produtor outra alternativa a não ser acompanhar diariamente o mercado e fechar vários pequenos lotes que garantam margens. “Mercado é algo que está além da nossa eficiência da porteira para dentro. Temos um grande custo de produção para um produtor que não formamos preço, quem forma é o mercado”.

Depois que analistas de mercado do Brasil, Argentina e Estados Unidos traçaram as perspectivas futuras da soja, algodão e milho em níveis baixistas, o produtor mato-grossense viu as possibilidades de ganhos com a nova safra se transformarem em ‘apocalipse’, como frisou o analista brasileiro e sócio da Agroconsult, André Pessôa. “A Agroconsult alerta para a saca em níveis abaixo de US$ 9, mas a informação fundamentada por Darin Newson (o analista norte-americano), de fato mostra um cenário ainda mais turvo”.

As projeções são fruto de alterações no consumo mundial, que devido a crise que eclodiu a partir de setembro do ano passado, desaceleraram o ritmo do apetite e no caso da China, revelou-se a necessidade de investir no orcessamento/industrialização de matérias-primas para reduzir a dependência por soja. “A tendência com isso é de que a China se torne concorrente do Brasil e da Argentina na exportação de óleo de soja e de farelo”.

O mercado futuro para entrega em 2010, atualmente oscila entre US$ 9 e US$ 11 por bushel – padrão de medida norte-americano que equivale a 27 quilos – e o último registro da soja a US$ 6 por bushel foi em outubro de 2006, período que coincidentemente, tinha um dólar cotado na casa dos R$ 1,80. Como aponta o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) o valor citado por Newson foi referência de preços por muito tempo. “O problema é que no começo de julho o bushel bateu recordes históricos ao registrar US$ 16,60, fazendo o mercado perder a referência e até de uma certa forma, US$ 6”. Mesmo com o dólar na mesma casa dos R$ 1,80, a diferença é que de 2006 para cá, os custos de produção majoraram em níveis elevados e que comprometeram a renda do produtor.

O milho que também sofre pressões do atual momento econômico mundial e super oferta, como frisa o analista norte-americano, Darin Newson, da The Progressive Farmer. Na atual temporada os Estados Unidos se prepara para colher produção acima de 85 milhões de toneladas e já projeta até 90 milhões toneladas para 10/11. “Com relação ao milho, nos preparamos para a segunda maior safra e esta mudança dramática de preços pode reduzir para até US$ 2. Em dezembro de 2006 o piso foi a saca do milho a US$ 2,30”. Ao algodão o analista destaque a média de preços deverá ser a menor dos últimos cinco anos. “A produção mundial da fibra está focada na demanda e não na oferta”.

Outro fator que deve acirrar o desequilíbrio entre oferta e demanda são os efeitos do El Niño que – que aquecem as águas do Pacífico – deverão ampliar o regime das chuvas na América do Sul e com isso, melhorar o desempenho da safra brasileira – projeção de atingir 64 milhões de toneladas – e impedir a quebra por seca da safra Argentina. É desta perspectiva aliada às projeções da soja norte-americana que o mercado emana sinais pessimistas.

O analista argentino, Pablo Adreani, da Agripac, observa que um novo mercado consumidor estará em evidencia em 2050, quando a Índia passar a China e responder por 18% da população mundial. “Serão 7 bilhões de toneladas a mais para suprir a demanda, ou 120 milhões de hectares a mais e só aqui na América do Sul é possível atender à demanda. Por isso, Argentina e Brasil não são concorrentes e são os únicos que com condições de prestar soluções de abastecimento ao mundo. As informações são da assessoria de imprensa da assessoria de imprensa da Bienal dos Negócios da Agricultura.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink