Soja edamame da Embrapa será cultivada em São Paulo
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,046 (0,55%)
| Dólar (compra) R$ 5,60 (-0,69%)

Imagem: Kadijah Suleiman/Divulgação

AGRICULTURA

Soja edamame da Embrapa será cultivada em São Paulo

A previsão é que o plantio comece em outubro deste ano
Por:
2685 acessos

Uma parceria entre a Embrapa e a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo possibilitará testes com a cultivar BRS 267 de soja edamame, desenvolvida pela Embrapa Soja (Londrina, PR), e com indicação de cultivo para o estado de São Paulo. A iniciativa tem como finalidade oferecer aos consumidores um produto nutritivo e saboroso que é colhido e servido ainda verde, após o cozimento. Atualmente, a soja edamame vendida congelada em mercados no Brasil é importada.

Os testes com a cultura serão realizados em propriedades rurais das regiões de Pereira Barreto, São Carlos, Avaré, Tatuí, Bragança Paulista e região metropolitana de São Paulo. A previsão é que o plantio comece em outubro deste ano.

De acordo com Paulo Cesar Saraiva, engenheiro agrônomo da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS)/Escritório de Desenvolvimento Rural de São Paulo (EDR-SP), a existência de um expressivo número de produtores familiares orgânicos, ou em transição para a produção orgânica, e uma assistência técnica comprometida com o trabalho de desenvolvimento rural sustentável potencializam a realização dos testes.

A parceria conta com a CDRS, o Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes (DSMM) e o apoio do Instituto Agronômico de Campinas, através do Centro de Engenharia e Automação, instituições ligadas à Secretaria Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, além dos produtores da Cooperativa dos Agricultores Familiares da Região Centro Paulista e da Cooperativa Entre Serras e Águas.

“A CDRS usará a presença e permeabilidade dos seus técnicos junto aos produtores, a DSMM multiplicará as sementes desenvolvidas pela Embrapa e distribuirá aos produtores e as cooperativas trarão suas contribuições, via colaboração de seus produtores, permitindo o teste e a validação da tecnologia”, complementa Fénelon Neto, pesquisador da área de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro), .

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink