Vitamina B3 é usada como vacina fungicida

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Imagem: Maria Imaculada Lima - Embrapa
PESQUISA

Vitamina B3 é usada como vacina fungicida

Semelhante ao que faz a vacinação em humanos ou animais, preparando sistemas imunológicos
Por: -Leonardo Gottems

A substância natural nicotinamida (NIM), que é uma forma da vitamina B3 usada comumente como suplemento dietético, pode prevenir ou reduzir o desenvolvimento de doenças fúngicas no trigo. Isso porque o pré-tratamento com NIM, também conhecida como niacinamida ou amida do ácido nicotínico, pode ajudar a estimular o sistema imunológico das plantas.

Foi o que descobriram pesquisadores das universidades japonesas da Kanazawa University, em colaboração com colegas da Ehime University e da Nagoya University: Eles publicaram recentemente seu trabalho no International Journal of Molecular Sciences.

Quando a equipe pré-tratou com NIM as espigas de trigo e, em seguida, expôs as plantas com conídios de Fusarium graminearum (que causa a giberela), a vitamina suprimiu fortemente a doença. As plantas pré-tratadas apresentaram muito menos biomassa fúngica e menos micotoxina em comparação com as plantas testemunhas, tratadas com água.

A equipe também analisou o conteúdo de centenas de compostos nas plantas e descobriu que o pré-tratamento do NIM aumentou as quantidades de 375 substâncias. Entre aqueles marcadamente aumentados estavam vários compostos antimicrobianos e antioxidantes.

“Descobrimos que o pré-tratamento de plantas de trigo com NIM levou à ativação da resposta imune da planta e a um conteúdo muito maior dos próprios compostos relacionados à defesa da planta, incluindo substâncias antimicrobianas. Este trabalho se baseia em pesquisas anteriores usando outros produtos químicos naturais relacionados ao NIM e tem as vantagens adicionais de ser relativamente barato, prontamente disponível e estável em temperatura ambiente”, afirmou o autor principal do estudo, Yasir Sidiq.

O autor correspondente Takumi Nishiuchi disse esperar que o “estudo leve a novas abordagens na agricultura, potencialmente substituindo pulverizações de fungicidas químicos por novas formas de estimular as respostas imunes inatas das plantas. Semelhante ao que faz a vacinação de humanos ou animais, preparando seus sistemas imunológicos para uma posterior infecção”.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink