Primeiros animais já chegaram para a Expointer 2019

RECEPÇÃO

Primeiros animais já chegaram para a Expointer 2019

Evento de recepção foi no amanhecer desta segunda-feira, em Esteio (RS)
Por: -Eliza Maliszewski
760 acessos

O dia nem tinha amanhecido quando os primeiros caminhões adentraram o Parque de Exposições Assis Brasil , em Esteio (RS), trazendo os primeiros animais para a feira que começa no próximo sábado, 24 de agosto. Os primeiros a desembarcar foram quinze ovinos das raças Texel e Corriedale, vindos da Cabanha Oliveira, de Uruguaiana (Região da Campanha Gaúcha). Na sequência se juntaram ao grupo os equinos e depois os bovinos. 

Estão inscritos 3975 animais de argola. Entre as novidades a entrada de novas raças de animais em competição, como o bovino de corte Senepol, e a volta de algumas raças, como o bovino Canchim e os cavalos Gypsy Horse ou Cavalo Cigano, pela primeira vez na Expointer. Os animais de exposição poderão entrar no parque até as 23h59min da sexta-feira (23), véspera de início da feira. Os animais de provas e os rústicos poderão ingressar durante todo o período da Expointer, desde que tenham sido previamente inscritos.

O número de inscrições é 6,36% menor que o do ano passado. A redução foi causada pela queda de 76% nas inscrições de pássaros ornamentais. Por outro lado, o setor de bovinos leiteiros, um dos que concentram maiores volumes de negócios, teve aumento de 17,66% no número de animais, passando de 334 em 2018 para 393 este ano, de quatro raças. Já o total de inscrições de ovinos cresceu 10,3%, de 709 exemplares no ano passado para 782 animais, de 19 raças, nesta edição. No setor de equinos, houve redução de 6,32% no número de inscritos, de 918 no ano passado para 860 nesta feira. O número de animais ainda deve variar até o início da feira.

Em volume de negócios a expectativa é positiva. A ideia é, pelo menos, superar os números do ano passado onde foram faturados R$ 10,2 milhões. Para o presidente da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac), Leonardo Lamachia, a Peste Suína Africana na China e as disputas comerciais com os Estados Unidos podem favorecer a carne brasileira. “O Brasil tem a maior pecuária comercial do mundo. O setor de ovinos vive recuperação da carne e da lã. Os equinos cada vez mais em destaque. Estando todas essas cadeias fortes o nosso sentimento é de otimismo”, completa.

Sanidade é a maior preocupação

Todos os animais que participam da feia têm um controle sanitário rigoroso que começa já na propriedade com acompanhamento veterinário constante. Ao chegarem no parque eles passam pela inspeção do serviço oficial. Para a inspeção, além da Guia de Trânsito Animal (GTA), os proprietários devem apresentar uma série de documentos sanitários referentes a cada espécie. Os animais só podem entrar parque após a verificação dos itens exigidos e da inspeção clínica.

Mais de 100 profissionais, entre médicos veterinários e técnicos da fiscalização estão envolvidos no controle. “ Montamos toda uma equipe, trouxemos pessoal do interior, fizemos alojamentos para um controle rigoroso e para que nossos visitantes, produtores e comunidade em geral estejam seguros”, ressalta o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul, Covatti Filho. 

Café de Cambona

A recepção aos animais foi feita no estilo dos antigos tropeiros gaúchos: com café de cambona. Enquanto levavam o gado para os grandes centros, os gaúchos faziam um fogo de chão e colocavam a água para ferver. Depois retiravam do fogo e despejavam dentro dela duas colheres de café em pó. Mexia com a ponta da faca até dissolver todo, ou com uma colher, depois voltava com a cambona ao fogo. Quando levantava nova fervura, retirava do fogo e colocava um tição aceso dentro do café, provocando uma ebulição. Mantinha o tição dentro do café por segundos. Com as costas da faca, dava algumas pancadinhas por fora, na cambona. O pó desce e está pronto o café tropeiro. O sabor fica por conta da madeira da qual o tição era feito. 

Para acompanhar foi servido bolo frito e uma música gaúcha. A recepção fi oferecida pela Prefeitura de São Nicolau.

Confira a reportagem em vídeo que acompanhou a chegada:


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink