RS: previsão de chuva na média não melhora a situação hídrica
CI
Imagem: Zélia Studzinski
EMERGÊNCIA

RS: previsão de chuva na média não melhora a situação hídrica

Nos últimos 45 dias, algumas regiões presenciaram menos de 15 dias com chuvas
Por: -Eliza Maliszewski

Nos últimos 45 dias, algumas regiões do Rio Grande do Sul presenciaram menos de 15 dias com a presença de chuvas. Como é o caso de Lajeado, onde em apenas nove dias, desde o dia 28 de novembro, houve o registro de chuvas. Situação semelhante em Porto Alegre e Pelotas,  com 10 dias de chuva no período e Uruguaiana, Rivera e Santa Maria com 11 dias com ocorrência de chuvas, no período.

Porém com a passagem da última frente fria nesta semana, além as chuvas isoladas, entre os dias 9 e 12 de janeiro, trouxe acumulados significativos em estações nos municípios como Entre Ijuís (89.2 mm), Ijuí (82.2 mm), Itaqui (80.2 mm), Uruguaiana (57.0 mm), Alegrete (53.6 mm), Santa Vitória do Palmar (53.4 mm), e Rosário do Sul (52.2 mm). Entretanto, de acordo com a Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do  Rio Grande do Sul (SEMA-RS), nos principais rios do estado não foram registradas respostas hidrológicas significativas. E a condição hidrológica segue em alerta em função da baixa disponibilidade hídrica. 

A precipitação da última segunda-feira (11), que registrou entre 8 e 40 milímetros no Vale do Rio Pardo, ficou longe do ideal para compensar os efeitos da estiagem mas pode significar um alívio para muitos agricultores, principalmente os que cultivam grãos hoje em período de desenvolvimento, como o milho e a soja.“De Santa Cruz até Encruzilhada do Sul já estava fazendo três semanas sem chuva, a situação se complicou devido ao calor e umidade baixa. As plantas apresentavam estresse hídrico generalizado e a soja  teve a sua atividade fisiológica paralisada. Ela ficou com aspecto de murcha, as folhas enroladas, como uma defesa da planta para não perder umidade, evitar perda maior de água. Mas não houve perdas significativas em função disso”, explicou à Gazeta do Sul o extensionista rural da Emater/RS-Ascar, Josemar Parise. 

A situação mais grave é observada na Metade Sul gaúcha onde culturas como milho, tabaco, feijão, mandioca, batata doce e melancia não conseguem se desenvolver ou já secam nas lavouras. Veja algumas fotos ao final desta reportagem. Já mais para o Norte milho e soja seguem em bom desenvolvimento, embora já se tenha registrado perda total em algumas lavouras da primeira safra de milho grão e silagem.

Apesar disso, em termos de média climatológica, os acumulados estão próximos do esperado para o período, que por sua vez são valores baixos, na ordem de 150 a 250 mm. E a previsão é de que as chuvas no RS, até o final do mês de Janeiro, fiquem dentro da média climatológica, o que não melhora a situação da disponibilidade hídrica.

Veja o mapa das chuvas nos próximos 15 dias no país:

Veja fotos de lavouras atingidas. Todas as imagens são do Centro-Sul gaúcho. Créditos: Zélia Studzinski e Grupo Fumicultores Unidos:

Material elaborado com informações Agrotempo


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink