Saldo

Balança comercial goiana de 2017 tem o melhor saldo nos últimos dez anos

No acumulado de janeiro a dezembro de 2017, as exportações se aproximaram da marca de US$ 7 bilhões (
Por:
23 acessos

Aquecimento da economia goiana é o que demonstram os dados da Balança Comercial de Goiás, que fechou o ano de 2017 com saldo positivo de US$ 3.668.061.989. Este foi o melhor resultado alcançado nos últimos dez anos. Em 2016, o saldo alcançou US$ 3,2 bilhões. Os dados foram divulgados pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Tecnológico e Científico, Agricultura, Pecuária e Irrigação (SED), por meio da Superintendência Executiva de Comércio Exterior.

No acumulado de janeiro a dezembro de 2017, as exportações se aproximaram da marca de US$ 7 bilhões (US$ 6.905.341.886,00) e apresentaram crescimento de 16,45%, se comparado ao ano de 2016. As importações também retrataram crescimento de 22,55%, com US$ 3,2 bilhões. Segundo o Secretário de Desenvolvimento, Francisco Pontes, os dados refletem o cenário do crescimento econômico de Goiás.

“Após a crise de 2015, percebe-se o crescimento nas exportações. Em 2016 este crescimento foi de 0,88%, e em 2017 demos um salto considerável para 16,45%. As importações, que também demonstravam queda desde 2012, com piores índices em 2015 e 2016, finalmente apresentaram crescimento de 22,55% em, 2017”, analisa Pontes.

Produtos e destinos

Os principais produtos exportados em 2017 foram Complexo Soja, com 38,82% do total do exportado, seguido por Carnes (18,04%), Ferroligas (8,14%), Complexo Milho (7,71%), Sulfeto de Cobre (6,22%), Ouro (5,36%), Açúcar (5,28%), Couros e derivados (4,21%), entre outros.

Dos 154 países de destino dos produtos goianos, destaca-se a China, com participação de 30,76% do total exportado, representada pelo valor de US$ 2.124.367.263,00 em movimentação comercial. Países Baixos (Holanda) ocuparam o segundo lugar no ranking dos países destinos, com 7,77% do total, seguidos pela Índia (5,66%), Rússia (3,98%), Irã (3,60%), Coreia do Sul (3,30%), Estados Unidos (3,29%), Itália (2,95%), Hong Kong (2,83%) e Japão (2,42%).

Quanto às importações, os Produtos Farmacêuticos se destacam com participação de 34,17% dos produtos adquiridos por Goiás. Seguem, na sequência, Veículos Automóveis, tratores e suas partes (14,45%), Adubos e Fertilizantes (14,33%), Reatores nucleares, Caldeiras, Máquinas, Aparelhos e Instrumentos Mecânicos e suas partes (9,08%), Produtos Químicos Orgânicos (8,39%), dentre outros.

O principal país de origem das importações goianas foram os Estados Unidos, movimentando US$ 560,8 milhões, representando 17,32% do total das importações realizadas em 2017. A Alemanha aparece em segundo lugar no ranking, com participação de 14,31%, seguida por Coreia do Sul (10,70%), Japão (7,40%), China (6,90%) e Suíça (5,54%).

O secretário de Desenvolvimento, Francisco Pontes, avalia, ainda, que o crescimento de 22,55% das importações no ano de 2017, em relação a 2016, também é reflexo da elevada produção. Percentualmente, as importações goianas apresentaram crescimento maior que as importações brasileiras.

“Podemos perceber que o empresário está mais confiante em investir no setor produtivo. Produtos farmacêuticos, por exemplo, lideram as importações goianas e servem de insumo para a produção de medicamentos no estado. Peças de automóveis também aparecem em destaque nas importações, utilizadas pelas cinco montadoras instaladas em Goiás para a produção de veículos. Já a importação de adubos demonstra o constante investimento dos produtores no Agronegócio”, frisou o secretário.

Já as exportações, tanto a brasileira quanto a goiana, tiveram crescimento percentual similar. Goiás com 16,45% e Brasil com 17,55%.

Superávit em Dezembro 2017

No mês de dezembro de 2017, pelo 48º mês consecutivo, o saldo da balança comercial de Goiás manteve superávit, com cifras de US$ 149.087.029.

As exportações alcançaram um montante de US$ 460.884.329, representando um crescimento de 9,81% em relação a dezembro de 2016. Foram exportados 318 diferentes produtos para 101 países.

Carnes foram o principal produto exportado, ocupando o primeiro lugar no ranking, com valor de US$ 99.646.438, representando 21,62% do total exportado por Goiás em dezembro de 2017. Em relação ao mesmo período de 2016, o somatório total da exportação de Carnes resultou em um crescimento de 9,94%.

No segundo lugar do ranking dos produtos exportados está o Complexo Soja com montante de US$ 65.079.645, representando aumento de 21,47% em relação ao mesmo período de 2016, seguido por Sulfeto de Cobre (12,54%). Ferroligas ocupou o quarto lugar. Seguem Complexo Milho; Ouro; Couros e derivados; Açúcar; Máquinas, equipamentos e aparelhos elétricos e mecânicos; Algodão; e Amianto.

Entre os principais compradores, a China, mais uma vez, aparece como protagonista, ao adquirir 22,75% dos produtos vendidos ao exterior, totalizando US$ 104.844.981. Dentre os principais produtos comprados pela China estão: Complexo Soja; Sulfeto de Cobre; Carnes Bovinas; Ferroligas; Couros e derivados; Algodão; Carne de Aves; e Açúcar. Em segundo lugar posiciona-se a Índia, com aquisição de 11,13% dos produtos exportados por Goiás. Seguem Estados Unidos com 6,08%, Países Baixos (Holanda) como 5,59%, e ainda, Reino Unido, Irã, Vietnã, Hong Kong, Itália e Rússia.

Importações

As importações goianas totalizaram US$ 311.797.300, implicando em um aumento significativo de 65,16% em relação a dezembro de 2016. Quanto ao mês anterior (novembro/2017), observa-se um crescimento de 18,69%.

Goiás importou 1.338 produtos diferentes de 61 países. Os principais produtos importados foram Produtos Farmacêuticos, somando US$ 129.555.667,00, com participação de 41,55% do valor total das importações do Estado, o que resultou em crescimento de 209,62% em relação a dezembro de 2016. Em segundo lugar, no ranking das importações, aparecem Adubos (Fertilizantes) representando 14,42% de todo valor importado pelo Estado em dezembro, totalizando US$ 44.957.914, o que resultou em um acréscimo de 29,12% em relação a dezembro de 2016.

Veículos e suas partes aparecem em terceiro lugar, com participação de 12,85%, seguidos por Produtos Químicos Orgânicos com 8,87%; Reatores Nucleares, Caldeiras, Máquinas, Aparelhos e Instrumentos Mecânicos e suas partes com 7,07%; Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, e suas partes com 2,79%; Instrumentos e Aparelhos de Óptica, de Controle ou de Precisão e Instrumentos e Aparelhos Médico Cirúrgicos com 2,72%. Destacaram-se, ainda, plásticos e suas obras; sal, enxofre, terras e pedras, gesso, cal e cimento; e gorduras e óleos animais ou vegetais.

Os Estados Unidos ocuparam o primeiro lugar no ranking de países dos quais o Estado importou em dezembro de 2017, totalizando US$ 66.966.506 ou 21,48% do total das importações. Em seguida, temos Alemanha com 14,28%, seguida pela Coreia do Sul (11,25%), Suíça (9,99%), China (4,56%), Japão (4,29%), Rússia (3,98%), Emirados Árabes Unidos (3,38%), Canadá (2,70%) e, finalmente, Índia (2,56%).

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink