Minas Gerais resgata cultivar de arroz de várzeas

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Imagem: Arley Fonseca
GRÃOS

Minas Gerais resgata cultivar de arroz de várzeas

A demanda surgiu de produtores da região Leste do Estado
Por: -Eliza Maliszewski

Minas Gerais possui atualmente 12 mil hectares de área cultivada de arroz (sequeiro, várzea úmida e irrigado), com uma produtividade média de 2,5 mil Kg/ha, um ganho superior a 270%, quando comparada aos números da safra 1976/1977. Um dos principais fatores que contribuem para o aumento da produtividade e da produção e´ o emprego de cultivares melhoradas, adaptadas a cada modalidade de cultivo.

Na região Leste mineira, em especial a microrregião que abrange os municípios de Pocrane, Mutum, Ipanema, Lajinha, Aimorés e Resplendor, o cultivo existe há décadas, sem renovação das fontes de sementes, o que compromete a pureza da cultivar e sanidade dos grãos.

Diante desta demanda pesquisadores da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) conseguiram resgatar uma cultivar de arroz de várzea para a região e 500 kg de sementes foram disponibilizadas para produtores após purificação genética e sanitária em novembro do ano passado.

Os trabalhos de purificação começaram em 2017, no Campo Experimental de Leopoldina, com a cultivar IR 841. De origem filipina, a variedade entrou no Brasil pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC). Em Minas Gerais, as avaliações começaram na década de 1970 e até 1980 foi a cultivar de arroz mais plantada em várzeas do Estado. 

Como vantagens estão a resistência moderada à brusone e a boa resposta à adubação nitrogenada. As características dos grãos, que ficam soltos e macios após o cozimento, e o sabor aromático que remete à batata, motivam os orizicultores da região a continuarem plantando essa cultivar. “A cultivar IR 841, embora muito antiga, recomendada para as várzeas mineiras a partir de 1975, ainda mantem um padrão produtivo bom, acima de 5 t/ha, quando comparada às cultivares mais modernas com produtividades de 6 a 6,5 t/ha", destaca o pesquisador Plínio Soares.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink