Probabilidades de ocorrências de altas temperaturas e chuvas intensas em Piracicaba

PREVISÃO

Probabilidades de ocorrências de altas temperaturas e chuvas intensas em Piracicaba

Trabalho reuniu dados para avaliar as probabilidades de enchentes, alagamentos e transtornos ambientais no município
Por:
138 acessos

Um artigo publicado na revista de Geografia da Unesp verificou probabilidades de ocorrências de altas temperaturas e chuvas intensas em Piracicaba (SP). Para isso, o estudo usou dados registrados pela Estação Meteorológica da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq/USP), de 1917 a 2017. O trabalho tem autoria de Flávio Henrique Mendes, Sônia Maria de Stefano Piedade, Luis Gustavo Mendes, Antônio Manuel Saraiva Lopes e Demóstenes Ferreira da Silva Filho.

Os resultados mostraram que temperaturas desconfortáveis (a partir de 30ºC) ocorrem numa frequência de 38% dos casos, ou seja, média de 138 dias por ano. As chuvas intensas, capazes de causar alagamentos, tiveram média de 7,7 casos por ano, sendo mais críticas durante o verão. A pesquisa também concluiu que a partir da década de 1980 houve aumento na quantidade de ocorrências de dias quentes e chuvas intensas.

As áreas verdes e a arborização urbana são importantes meios na criação de microclimas mais agradáveis e aumentam a infiltração da água no solo. “Isso demonstra a necessidade de políticas públicas que valorizem a presença da vegetação nas cidades, sobretudo em grandes centros urbanizados, para mitigar as altas temperaturas e prevenir enchentes, alagamentos e transtornos”, disseram os autores.

Além disso, o estudo sugere a criação e valorização de áreas verdes e impermeáveis, sobretudo nos locais mais altos no relevo, para fazer com que a água infiltre no solo e não escoe rapidamente pela superfície, gerando a "enxurrada" são medidas que devem ser tomadas pelo poder público. “As áreas de maior atenção são as de baixada. Em Piracicaba, o destaque fica para as regiões Norte, Centro e Oeste, próximas aos rios, como o Piracicaba e o Itapeva canalizado”, finaliza Flávio Henrique Mendes.

 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink