Estiagem e calor prejudicam safra de café

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Imagem: Divulgação
PARANÁ

Estiagem e calor prejudicam safra de café

Área de cooperativa paranaense sofre os impactos nas plantas
Por: -Eliza Maliszewski

A estiagem prolongada nos últimos meses, agravada pelas altas temperaturas e chuvas escassas, vem preocupando os cafeicultores nos quase 7 mil hectares de café atendidos pela Capal Cooperativa Agroindustrial, com sede em Arapoti, no Norte Pioneiro (PR) e que tem cooperados em terras paranaenses e paulistas.

A safra de café 2020/2021 vinha apresentando desempenho satisfatório por conta dos bons índices pluviométricos alcançados desde o ano passado, mas a tendência foi interrompida entre os meses de fevereiro e março, quando foi registrada a última chuva significativa da região. 

De acordo com dados Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), o mês de abril apresentou o maior índice de seca dos últimos 23 anos (desde 1998) em diversas cidades do Paraná. Pela situação preocupante, o governo estadual decretou na última semana situação de emergência hídrica na Região Metropolitana de Curitiba e no Sudoeste do Estado. 

Já segundo o levantamento Monitor das Secas, o Estado de São Paulo registrou a pior condição de seca no Brasil em março, com 4% de seu território com seca excepcional, a categoria mais severa da escala. Além da murcha de plantas, escaldadura e quebra na granação de frutos nas lavouras mais jovens de café, o estresse hídrico também prejudica os cafezais já formados, sobretudo as variedades de ciclo longo, cujos frutos ainda não atingiram o ponto máximo de expansão e maturação fisiológica.

“Acredita-se que a quebra chegue próxima a 20% até a primeira semana de maio, podendo se agravar se a estiagem persistir por muito tempo”, observa Fernando Evangelista, agrônomo da Capal. Para ele, resta a expectativa de compensar essas perdas com o valor de mercado da saca de café, que tende a superar os valores comercializados no mesmo período do ano passado.

Essa não é a primeira vez que a falta de chuva no final da safra prejudica a produtividade das lavouras da região. José Valdir da Silva, cooperado em Fartura (SP), compara a safra atual com o cenário desfavorável ocorrido em 2019. “Parece que o grão está avermelhando, mas não está. Na verdade o grão está amadurecendo forçado, você percebe que ele fica alaranjado. Hoje se passar a colheitadeira não sai nada, então depois tem que passar a máquina mais umas tantas vezes e isso vira só em custo”, detalha. 

Seguindo as orientações da assistência técnica, o cafeicultor, na companhia do agrônomo da cooperativa, realiza o manejo da lavoura com a intenção de diminuir as consequências da estiagem. “Ainda mais se não chover nos próximos dias, não temos muito o que resolver na lavoura. Então, a esperança para equilibrar a quebra está no trabalho confiável de comercialização junto à cooperativa, que sempre zelou pelos cooperados no momento da negociação”, finaliza José Valdir.  


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink