Bula Banole HV

acessos
Óleo mineral
6209
Total Lubrificantes

Composição

Óleo mineral 1000 g/L Hidrocarbonetos

Classificação

Adjuvante
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Óleo para Pulverização (SO)
Adjuvante

Conteúdo: 0,5; 1; 2; 3; 5; 10; 20; 50; 100; 200; 420; 650; 1.000; 5.000; 10.000; 15.000; 30.000 litros.

INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO:
O produto BANOLE HV é um óleo mineral indicado para o uso como adjuvante na aplicação em caldas de defensivos agrícolas, visando diminuir a tensão superficial das gotículas, facilitando a boa dispersão da calda, bem como uma distribuição das partículas e a conveniente fixação da formulação nas superfícies aspergidas das plantas

DOENÇAS CONTROLADAS E DOSES: por se tratar de um óleo mineral com atividade adjuvante o produto deverá seguir as recomendações do produto ao qual for adicionado, respeitando-se a dose do óleo de : 0,5% do volume da calda em aplicações terrestres.

MODO DE APLICAÇÃO:
O produto BANOLE HV é indicado para aplicação em mistura com a calda de fungicidas, inseticidas e herbicidas.

INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCAS OU INTERVALOS DE APLICAÇÕES: DE ACORDO COM A RECOMENDAÇÃO DO PRODUTO EM CUJA CALDA FOI ADICIONADO

INTERVALOS DE SEGURANÇA: Sem restrições para o produto, deverá ser seguida a orientação do defensivo em cuja calda o produto foi aplicado.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana -ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO: Uso exclusivo para culturas agrícolas.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO: DE ACORDO COM A RECOMENDAÇÃO DO PRODUTO EM CUJA CALDA FOI ADICIONADO

ANTES DE USAR, LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.

USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.
PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agricola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão. botas. avental. máscara. óculos. touca árabe e luvas.
Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
Não utilize equIpamentos com vazamentos ou defeitos
Não desentupa bicos, onfíclos e válvulas com a boca.
Não transporte o produto Juntamente com alimentos. medicamentos, rações. animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
O produto apresenta potencial de sensibilização à pele.
Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
Utilize equipamento de proteção individual - EPI. macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro mecânico classe P2; óculos de segurança com proteção lateral e luvas de nitrila.
Obedecer ngorosamente às indicações de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) do agrotóxlco ao qual BANOLE HV for adicionado, caso sejam mais restritivas.
Manuseie o produto em local aberto e ventilado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO
Evite o máximo possível o contato com a área tratada.
Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia. Verifique a direção do vento e aplique de modo a não entrar na névoa do produto
Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita).
Utilize equipamento de proteção individual - EPI' macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compndas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro mecâniCO classe P2; óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
Obedecer rigorosamente às indicações de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) do agrotóxico ao qual BANOLE HV for adicionado, caso sejam mais restritivas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO
Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para eVitar contaminação.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem' touca árabe. óculos, avental. botas, macacão. luvas e máscara.
Tome banho imedIatamente após a aplicação do produto.
Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demaiS roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental Impermeável
Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicaçâo do produto.
Fique atento ao tempo de uso dos filtros, segUindo corretamente as especificações do fabricante.
Não reutilizar a embalagem vazia.
No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência, levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.

Ingestão: Se engolir o produto, não provoque vOmito. Caso o vOmito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.

Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.

Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.
A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeável por exemplo.

INTOXICAÇÕES POR ÓLEOS MINERAIS

INFORMAÇÕES MÉDICAS

Grupo químico:
Hidrocarbonetos alifáticos

Classe toxicológica:
III - Mediamente tóxico

Vias de exposição:
Oral, inalatória, ocular e dérmica.

Toxicocinética:
Pequenas quantidades de óleo mineral (2%) são absorvidas pela mucosa intestinal e distribuídas pelo organismo Uma pequena fração pode sofrer transformação bioquímica. A maioria dos óleos minerais (98%) permanece não absorvida nas fezes. Gotas de óleo identificadas como hidrocarbonetos saturados têm sido demonstrados nos linfonodos mesentéricos e nodos da porta hepática no homem. Gotas similares foram identificadas no fígado, baço e tecido adlposo. Deposição similar de óleo e absorção menor foi demonstrada em coelhos, ratos e cobaios alimentados com petrolato líquido por sete meses ou mais. Evidência histoquímica mostrou que a absorção é proporcionada pela extensão da exposição. Tanto em homens quanto em animais, os hidrocarbonetos allfátlcos são geralmente considerados bioquimicamente inertes e excretados sem alterações. Entretanto, tem sido mostrado que alguns alcanos normaiS, pelo menos em parte, seriam oxidizados pelo organismo dos mamíferos. Este processo pode na envolver hidroxilação via citocromo P450 monooxlgenase ao respectivo álcool, como é o caso da malona das substâncias lipofílicas e depois oxidação a ácido carboxílico e CO2 ou solubllização pela ligação a glucuronfdeo e deixando o corpo também muito rápido.

Mecanismos de toxicidade:
Os mecanismos de toxicidade em humanos não são conhecidos.

Sintomas e sinais clínicos:
Em caso de ingestão, podem ocorrer irritação do trato gastnntestinal, vômlto, diarréia, irritação e pneumonia por aspiração pulmonar durante o võmito
A exposição respiratória pode causar irntação das vias aéreas supenores e granuloma lipídico, susceptível de evoluir para pneumonia lipídlca.
A exposição ocular pode resultar em irritação e inflamação local.
Em casos de exposição cutãnea podem ocorrer dermatite de contato, foliculite, erupções acnelformes, dermatite eczematosa e discromlas, em particular, melanoses.

Diagnóstico:
Odiagnóstico é estabelecido pela confirmação da exposição e pela ocorrência de quadro clínico compatrvel. Ao observar sinais e sintomas indicativos de Intoxicação, trate o paciente imediatamente, não condicionando o iníc do tratamento à confirmação laboratorial.

Tratamento:
Não há antídoto especifico, o tratamento deve ser sintomático e de suporte.
O tratamento deve ser implementado paralelamente às medidas de descontaminação, que visam limitar a absorção e os efeitos locais.

Descontaminação
Durante a descontaminação, usar luvas e avental Impermeável.
1. Remover roupas e acessórios e lavar a pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos com água fria abundante e sabão
2. Se houver exposição ocular,irrigar abundantemente com soro fisiológico ou água, por no mínimo 15 minutos, eVitando contato com a pele e mucosas.
3. Em caso de Ingestão, fazer repouso gástrico para evitar vómito. Avaliar função pulmonar. Atentar para nível de consciência e proteger vias aéreas do risco de aspiração.
4. Em caso de exposição respiratória, colocar a vítima em local ventilado.
Suporte e tratamento sintomático: manter vias aéreas permeáveis, se necessário através de entubação oro-traqueal. aspirar secreções e oxigenar. Tratar pneumonite se ocorrer.

Contra-indicações:
A indução do vômito é contra-indícada em razão do risco de aspiração e de pneumonite química.

Efeitos sinérgicos:
Não se conhecem efeitos sinpergicos para este produto.

Atenção:
Ligue para o Disque-Intoxicação: 0800-722-6001 para notificar o caso e obter informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento.
Rede NaCional de Centros de Informação e Assistência Toxlcológica RENACIAT - ANVISA/MS
Notifique ao sistema de Informação de agravos de notificação (SINAN / MS)
Telefone de Emergência da empresa: (12) 3644.4600

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
A absorção através da pele é praticamente Inexlstente, o mesmo acontecendo com as paredes gástricas ou intestinais, sendo o produto excretado principalmente através das fezes.

EFEITSO AGUDOS E CRÔNICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

Efeitos Agudos:
DL50 via oral: > 2000 mg/Kg
DL50 via dérmica: > 2000 mg/Kg
CL50 via inalatória: > 5,105 mg/L/4h

Irritação dérmica: nos estudos realizados em coelhos, o produto mostrou-se levemente irritante a pele.

Irritação ocular: nos estudos realizados em coelhos, o produto mostrou-se levemente Irritante aos olhos.

Sensibilização cutànea: o produto mostrou-se sensibilizante à pele de cobaias.

Efeitos Crónicos:
Não se tem observações de efeitos crónicos com o produto.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente - IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes sejam implementados.

Informação inexistente na bula.