Bula Biographolita - Bio Controle
CME MILHO (SET/20) US$ 3,076 (-1,22%)
| Dólar (compra) R$ 5,41 (1,29%)

Bula Biographolita

Acetato de (Z)-8-Dodecenila; Acetato de (E)-8-Dodecenila; (Z)-8-Dodecenol; Álcool Laurílico
8001
Bio Controle

Composição

Acetato de (Z)-8-Dodecenila; Acetato de (E)-8-Dodecenila; (Z)-8-Dodecenol; Álcool Laurílico 0,13 g/kg

Classificação

Armadilhas
Feromônio
Não Classificado
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Gerador de Gás (GE)
Feromônio

Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

Calda Terrestre Dosagem
Grapholita molesta (Mariposa oriental)

Envelopes aluminizados com 10, 25 e 50 septos cada.

INSTRUÇÕES DE USO

Utilizar armadilha tipo Delta com adesivo.

Culturas: Qualquer cultura em que ocorra o alvo biológico indicado

Alvo biológico: Grapholita molesta (mariposa-oriental).

Doses indicadas: Para monitoramento utilizar 2 (duas) armadilhas por hectare.

Número, época e intervalo de aplicação: Para acompanhar a evolução da praga (monitoramento), de modo a obter o máximo de informações sobre a população da mesma, deve-se manter as armadilhas em todas as áreas sob suspeita, bem como aos seus redores, ao longo de todo o ano, ou pelo menos da florada a colheita, principalmente quando usadas no campo. As armadilhas devem ser visitadas semanalmente para a leitura das capturas, para posterior interpretação, de modo a indicar a ocorrência, a movimentação e a flutuação populacional da Grapholita molesta.
Para se determinar o início do vôo dos machos, as armadilhas deverão ser colocadas nas áreas antes da completa floração.
Quanto ao número de armadilhas necessárias, depende do objetivo do uso destas armadilhas. Para determinar a aplicação de inseticidas, ou em situações convencionais, empregar 2 armadilhas por hectare. Observar a direção do vento, de tal modo que a praga seja atraída contra o vento. Verificar as armadilhas semanalmente para a leitura das capturas de insetos e manutenção das mesmas, principalmente para remoção dos cartões adesivos usados e troca dos septos que deve acontecer a cada 4 semanas. A utilização do inseticida para o controle da praga deve ser feita toda a vez que as armadilhas capturarem 20 (vinte) insetos / armadilha / semana.

MODO DE APLICAÇÃO

Pendurar cada armadilha, contendo o septo que será colocado sobre a cola na parte central da armadilha, no meio do terço superior da planta, junto ao perímetro externo na copa da árvore. Em termos práticos a armadilha não deve ser instalada abaixo da cabeça do operador (para facilitar quando da contagem dos insetos).
Dispor uma armadilha no centro da área e a outra na bordadura da mesma, distantes pelo menos 50m uma das outras.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Não determinado devido à natureza e forma de aplicação do produto (aplicação em armadilha).

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não determinado devido à natureza e forma de aplicação do produto (aplicação em armadilha).

LIMITAÇÕES DE USO

Não determinado devido à modalidade de emprego.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de insetos (exemplo: controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível.
Armadilhas com feromônios são eficazes nas medidas de tendência da densidade populacional do inseto ou para simples detecção da praga, auxiliando o produtor na tomada de decisão quanto ao início de alguma forma de controle.
Após a introdução da medida de controle, quer seja biológico com agentes benéficos ou por aplicação de inseticidas, a presença ou não do inseto na armadilha indicará a eficácia do método de controle utilizado. Feromônios são amplamente utilizados no MIP para monitoramento da praga, não selecionando indivíduos resistentes.

Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o manejo de resistência de inseticidas (MRI). Para informações adicionais sobre resistência de insetos, mecanismos de ação e monitoramento de resistência, visite o site do IRAC (Insecticide Resistance Action Committee): http://www.irac-br.org.br.

O inseto não desenvolve resistência ao seu próprio feromônio.