Bula Parsec - Adama

Bula Parsec

CI
Amitraz
4794
Adama

Composição

Amitraz 200 g/L

Classificação

Terrestre
Inseticida
4 - Produto Pouco Tóxico
III - Produto perigoso
Inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Sistêmico

Garrafa de plástico e de alumínio de 1 L.

Embalagens metálicas de 1 e 5 L.

Balde de aço de 20 L.

Tambor de aço de 50, 100 e 200 L.

Bombona plástica de 5, 10 e 20 L.

Tambor de plástico de 50, 100 e 200 L.

INSTRUÇÕES DE USO

PARSEC é um acaricida de ação sistêmica indicado para o controle de pragas nas culturas de citros e maçã.

MODO DE APLICAÇÃO

A aplicação do inseticida PARSEC deve ser efetuada através de pulverização terrestre.
APLICAÇÃO TERRESTRE:
O produto deve ser diluído em água para ser aplicado em pulverização terrestre. As pulverizações devem ser feitas visando perfeita cobertura de toda a planta, com uma vazão suficiente para atingir o ponto de escorrimento do alvo.
O produto deve ser aplicado com equipamentos para pulverização terrestre tais como turbo atomizadores ou pulverizadores equipados com pistolas.
Bicos: cônicos.
Pressão: 60 a 400 lbf/pol² (413,50 a 2756,7 KPa).
Tamanho de gotas: 100 a 200 micra.
Densidade de gotas: 240 a 1900 gotas/cm².

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

Devem-se observar as condições climáticas ideais para a aplicação, tais como:
- Temperatura ambiente até 30ºC;
- Umidade relativa do ar no mínimo de 50%;
- Velocidade do vento entre 3 e 10 km/h;
Para outros parâmetros referentes à tecnologia de aplicação, seguir as recomendações técnicas indicadas pela pesquisa e/ou assistência técnica da região, sempre sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Citros: 35 dias;
Maça: 20 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

A reentrada de pessoas nas culturas tratadas só deve ser permitida após a completa secagem da calda de pulverização aplicada.

LIMITAÇÕES DE USO

• Uso exclusivo para culturas agrícolas.
• Incompatibilidade: incompatível com parationa-metílica e calda bordalesa.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das pragas, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, inseticidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. As seguintes estratégias podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
• Rotação de produtos com mecanismos de ação distintos, quando apropriado;
• Adotar outras táticas de controle, prevista no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).

Produto inflamável (INFLAMÁVEL 1B).