Bula Pix HC

acessos
Cloreto de mepiquate
6400
Basf

Composição

Cloreto de mepiquate 250 g/L Amônio quaternário

Classificação

Regulador de crescimento
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não Classificado
Não Classificado
Concentrado Solúvel (SL)
Sistêmico
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Regulador de crescimento
(Regulador de crescimento)
0,2 L p.c./ha 200 a 300 L de água/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Única. 60 dias. Quando houver uma forte tendência a um desenvolvimento vegetativo exagerado, pode-se fazer uma aplicação única de 0,2 L/ha, quando as plantas apresentarem de 8 a 10 flores abertas por metro linear ou quando as plantas atingirem 60 cm de altura
Regulador de crescimento
(Regulador de crescimento)
0,1 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Aplicação sequencial: duas aplicações, com intervalo de 10 a 15 dias. 60 dias. A primeira aplicação é recomendada quando 50% das plantas apresentarem o primeiro botão floral em desenvolvimento (3 a 6 mm), desde que a planta apresente condições normais de crescimento. A segunda aplicação ocorrerá 10 a 15 dias após a primeira quando houver retomada de crescimento da planta
Regulador de crescimento
(Regulador de crescimento)
0,05 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Aplicação sequencial: quatro aplicações, com intervalo de 7 a 14 dias. 60 dias. A primeira aplicação é recomendada quando 50% das plantas apresentarem o primeiro botão em desenvolvimento (3 a 6 mm), desde que a planta apresente condições normais de crescimento. As aplicações subsequentes devem ser realizadas cerca de 7 a 14 dias após a aplicação anterior, quando houver retomada de crescimento

Frasco plástico: 1 L. Lata flandres: 1 e 5 L. Tambores plásticos: 100 e 200 L. Bombonas polietileno: 5, 10, 20 e 50 L.

INSTRUÇÕES DE USO:

Pix HC, pertencente ao grupo dos bio reguladores (inibidores da síntese do acido giberelico), é absorvido pelas folhas atuando sistemicamente em toda planta, tem a função de interferir nos processos fisiológicos da planta do algodão, visando um maior aproveitamento do seu potencial genético.

Pix HC atua na redução do crescimento vegetativo, tanto na altura quanto no comprimento dos ramos produtivos, propiciando que a planta apresente uma arquitetura planejada que permita uma melhor aeração e penetração dos inseticidas, acaricidas e fungicidas, resultando num melhor controle das pragas e doenças.

Pix HC promove um direcionamento da energia da planta para o processo reprodutivo, e como conseqüência, a planta apresentará uma melhor retenção dos botões florais e maçãs, resultando em uma diminuição do seu ciclo, antecipando a maturação e consequentemente, a colheita.

Cultura: Algodão.

MODO DE APLICAÇÃO: APLICAÇÃO ÚNICA: Quando houver uma forte tendência a um desenvolvimento vegetativo exagerado, pode-se fazer uma aplicação única de 0,2 l/ha, quando as plantas apresentarem de 8 a 10 flores abertas por metro linear ou quando as plantas atingirem 60 cm de altura.

APLICAÇÃO SEQÜENCIAL: Quando houver um início de desenvolvimento vegetativo exagerado do algodão, e objetivando um monitoramento do desenvolvimento vegetativo e reprodutivo da cultura , sugere-se a aplicação seqüencial. Se após as aplicações o desenvolvimento vegetativo estiver controlado, e fatores climáticos desacelerarem naturalmente o desenvolvimento da planta, recomenda-se suspender os tratamentos subseqüentes.

2 APLICAÇÕES DE 0,1 LITROS DE PRODUTO COMERCIAL POR HA: A primeira aplicação é recomendada quando 50% das plantas apresentarem o primeiro botão floral em desenvolvimento (3 a 6 mm), desde que a planta apresente condições normais de crescimento. A segunda aplicação ocorrerá 10 a 15 dias após a primeira a quando houver retomada de crescimento da planta.

4 APLICAÇÕES DE 0,05 LITROS DE PRODUTO COMERCIAL POR HA: As aplicações múltiplas devem ser utilizadas dentro de um programa planejado com um total acompanhamento do desenvolvimento da planta de algodão.

A primeira aplicação é recomendada quando 50% das plantas apresentarem o primeiro botão floral em desenvolvimento (3 a 6 mm), desde que a planta apresente condições normais de crescimento.

As aplicações subseqüentes devem ser realizadas cerca de 7 a 14 dias após a aplicação anterior, quando houver retomada de crescimento.

Na utilização de Pix(r) HC, algumas condições são desejadas para obtenção do melhor resultado do produto, tais como: ausência de "stress" de qualquer origem, controle fitossanitário adequado, controle adequado do estado nutricional da planta e de fornecimento de adubações nitrogenadas, acompanhamento dos estágios de desenvolvimento da planta e demais práticas agrícolas recomendadas para a cultura.

MODO DE APLICAÇÃO: Diluir o produto em água e aplicar por pulverização sobre a folhagem das plantas, de modo a obter uma boa cobertura, sobre todas as folhas responsáveis pelas ramos produtivos. Pode-se utilizar pulverizadores costais ou tratorizados, bem como, aplicação aérea.

EQUIPAMENTO DE PULVERIZAÇÃO:

PULVERIZADORES, MOTORIZADOS OU ACOPLADOS, DE BARRA, COM BICOS DE JATO CÔNICO; o uso de pingentes permite uma distribuição mais uniforme. Pressão entre 20 e 40 libras/pol2. Volume de água: 200 a 300 litros/ha.

AVIÃO AGRÍCOLA, EQUIPADO COM BARRA E BICOS DE JATO CÔNICO, MONTADOS NA VERTICAL (90°), EM DUAS OPÇÕES: 46 Bicos Modelo D8 Ou D10 Core 45 Ou 46: Altura do vôo 2,5 a 3,5 metros do topo das plantas. Largura da faixa variável, devendo ser estabelecida por teste de faixa de deposiçào efetiva. Pressão : 30 a 35 libras/pol2. Volume de água: 40 litros/ha.

AVIÃO AGRÍCOLA, EQUIPADO COM COM MICRONAIR NA SEGUINTE OPÇÃO: (06) Micronair - 40 litros/ha.

INTERVALO DE SEGURANÇA: 60 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E AREAS TRATADAS: Recomenda-se aguardar o completo secamento do produto sobre as folhas das plantas tratadas, utilizar os equipamentos de proteção individual recomendados pelo Ministério da Saúde.

LIMITAÇÕES DE USO: Nas doses e condições indicadas, Pix HC não é fitotóxico para a cultura de algodão. Quando as plantas de algodão não estiverem tendo um crescimento normal, por seca ou outra razão, o tratamento com Pix HC não é recomendado, pois determinará um desenvolvimento ainda menor, com possível prejuízo na produtividade. Em regiões onde secas podem ocorrer durante o ciclo da cultura, é preferível fazer aplicações seqüenciais, suspendendo-as na ocorrência de paralisação natural do desenvolvimento das plantas.

COMPATIBILIDADE: Pix HC pode ser usado dentro do programa de controle fitossanitário, pois o produto apresenta compatibilidade com inseticidas, acaricidas , fungicidas e adjuvantes aplicados em calda aquosa.


Repetir a pulverização se ocorrer chuva até 4 horas após a aplicação.

PRECAUÇÕES GERAIS: Ao abrir a embalagem, faça de maneira a evitar respingos; não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto; não utilize equipamento com vazamento; não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca; não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Use protetor Ocular - se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca - caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use Luvas de Borracha - ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos - use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos protetores ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara protetora especial provida de filtro adequado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação; Não utilize equipamento com vazamentos; Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc., com a boca; Uso exclusivamente agrícola; Aplique somente as doses recomendadas; Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes, o produto produz neblina, use máscara cobrindo o nariz e a boca, macacão com mangas compridas, óculos protetores ou viseira facial, chapéu de aba larga, avental, luvas e botas impermeáveis.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia; Após a utilização do produto, remova as roupas protetoras e tome banho; Mantenha o restante do produto em sua embalagem original adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais; Dar manutenção necessária nos equipamentos de segurança. Atentar para o período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante; Troque e lave as suas roupas, separado das roupas domésticas.

PRIMEIROS SOCORROS: Em caso de ingestão acidental, PROVOQUE VÔMITO, se a vítima estiver consciente e sem sinais de irritação na boca ou faringe. Caso contrário NÃO PROVOQUE VÔMITO, administre 2 - 3 copos de água e procure imediatamente o médico levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto.

Em caso de contato com os olhos, lave-os imediatamente com água corrente em abundância e procure imediatamente o médico levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto. Em caso de contato com a pele, remova roupas e sapatos contaminados e lave imediatamente com água e sabão em abundância e, procure um médico, levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto. Em caso de inalação, remova o paciente para local arejado, procure um médico levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto.

ANTÍDOTOS E TRATAMENTO (INFORMAÇÕES PARA MÉDICOS): Entrar em contato imediatamente com a BASF S.A. Não há antídoto específico conhecido. Tratamento sintomático de acordo com o quadro clínico. Nos casos de ingestão instituir lavagem gástrica, utilizar catártico salino e carvão ativado. Eventuais convulsões devem ser controladas antes de qualquer procedimento e, podem ser tratadas com Benzodiazepínicos.

TELEFONES PARA OS CASOS DE EMERGÊNCIA: BASF Guaratinguetá/SP (0800) 11.2273 ou (0XX12) 528.1357.

CENTROS DE INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS: São Paulo - SP: (011) 5012.5311 / 5011.5111 r:251. Porto Alegre - RS : (051) 223.6110 / 217.9303. Campinas - (UNICAMP): (019) 289.3128 / 289.7555.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: O Cloreto de Mepiquat é um bio-regulador (inibe a síntese do ácido giberelico) com função de interferir nos processos fisiológicos da planta do algodão, visando um maior aproveitamento do seu potencial genético. Não há mecanismo de ação descrito para humanos.

O Cloreto de Mepiquat foi absorvido pelo trato gastrointestinal, metabolizada por via hepática e seus metabólitos são excretados através da urina e do ar exalado.

EFEITOS AGUDOS: PIX HC não se mostrou irritante para olhos e para a pele de coelhos. Em cobaias o produto não apresentou potencial sensibilizante cutâneo. Foram conduzidos teste em animais de laboratório, e o produto PIX HC apresentou DL50 aguda oral (ratos) >2.000 mg/kg massa corporal; DL50 aguda dermal (ratos) > 2.000 mg/kg massa corporal.

SINTOMAS DE ALARME: Não são conhecidos sintomas de alarme, sendo recomendado a suspensão do uso do produto se surgirem quaisquer sintomas durante a sua manipulação.

EFEITOS CRÔNICOS: Os estudos toxicológicos de longa duração são definidos como estudos nos quais os animais são observados durante toda ou boa parte de suas vidas, e nos quais a exposição ao material teste ocorre por todo ou boa parte do tempo de exposição. Neste testes o Cloreto de Mepiquat foram estudados em animais de laboratório, em diferentes concentrações dos produtos, e foram estabelecidas doses de não efeito tóxico, por exposição crônica às substâncias.

Foram realizados testes de mutagenicidade em células de bactérias e micronúcleos, sendo que em ambos os experimentos o resultado obtido foi negativo.

Efeitos sobre o processo reprodutivo e a progênie de animais de laboratório também foram avaliados em estudos específicos, onde foram estabelecidos doses de não efeito tóxico.

Os resultados dos estudos com animais de laboratório permitem concluir que o Cloreto de Mepiquat não é teratogênico ou mutagênico.

EFEITOS COLATERAIS: Por não ser de finalidade terapêutica, não há como caracterizar efeitos colaterais.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III). Este produto é ALTAMENTE MÓVEL no meio Ambiente, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir principalmente águas subterrâneas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância mínima de 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público; e 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas susceptíveis a danos. Observe as disposições constantes nas legislações estadual e municipal concernentes as atividades aeroagrícolas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres : CUIDADO: VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes nas legislações estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa BASF S.A., pelo telefone de emergência: (0800) 11.2273 ou (XX12) 528-1357. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais. Siga as instruções abaixo :

Piso pavimentado - Absorva o produto derramado com terra ou serragem. Recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá ser mais utilizado. Neste caso, contate o fabricante ou o distribuidor representante da empresa na região. O produto deverá ser desativado conforme orientações de destinação de resíduos e embalagens. Lave o local com grande quantidade de água;

Solo - Retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada.

Corpos d'água - Interromper imediatamente o consumo humano e animal e contatar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens. As embalagens devem ser perfuradas de maneira a torná-las inadequadas para outros usos. (Obs: exceto em caso de existência do recolhimento das mesmas pela empresa). As embalagens rígidas devem ser enxaguadas três vezes (triplice lavagem) e a calda resulte acrescentada à preparação para pulverização. Fica proibido enterrar embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente. Para a desativação de restos do produto contate a empresa BASF S.A. e o Órgão Estadual de Meio Ambiente. A desativação de restos do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação e aprovados pelo órgão estadual responsável, equipados de câmaras para lavagem de gases efluentes.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas (MIP), envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitoides), controle microbiano, controle por comportamento, variedades resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos, com mecanismos de ação distintos.
Recomenda-se, de modo geral, o manejo integrado de doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, controle biológico, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Qualquer agente de controle de insetos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se a praga-alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando-se as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI) pode-se prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga;
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula;
- Em caso de dúvidas, consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o Manejo de Resistência a Inseticidas (MRI);
- Incluir outros métodos de controle de insetos (Ex.: Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para a orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.