Bula Prolectus

CI
Fenpirazamina; Procimidona
23421
Sumitomo

Composição

Fenpirazamina 100 g/L
Procimidona 250 g/L

Classificação

Terrestre
Fungicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico, Contato

Tipo: Balde
Material: Metálico e Plástico
Capacidade: 0,1 - 100 L

Tipo: Bombona
Material: Plástico
Capacidade: 0,1 - 100 L

Tipo: Frasco
Material: Plástico
Capacidade: 0,1 - 20 L

Tipo: Tambor
Material: Metálico e Plástico
Capacidade: 50 - 200 L.

INSTRUÇÕES DE USO

O produto é um fungicida, com ação sistêmica e de contato com alta eficiência para controle de doenças nas culturas da Soja e do Feijão. Deve ser aplicado através da pulverização foliar com equipamentos terrestres, costal ou tratorizado.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Feijão e Soja

Mofo-branco

O controle químico deve ser realizado através de pulverizações foliares preventivamente, assim que surgirem as primeiras flores (estádio da cultura: R1 - soja e R5 - feijão). Realizar duas aplicações com intervalo de 10 dias. Aplicar dose maior em área com histórico de alta infestação da doença e condições propicias para o desenvolvimento do fungo. Recomenda-se a utilizar 200 litros de volume de calda por hectare na cultura da soja e 1000 litro de calda por hectare na cultura do feijão.

MODO DE APLICAÇÃO

Considerando que o mofo-branco (Sclerotinia sclerotiorum) é um fungo de solo, deve-se fazer as pulverizações com alta pressão para que o fungicida atinja toda a parte aérea das plantas inclusive o solo.
Deve ser aplicado em pulverização via terrestre utilizando-se pulverizador costal manual, motorizado ou pulverizador tratorizado, munido de bicos adequados, procurando dar cobertura uniforme em todas as partes das plantas mantendo sempre o sistema de agitação do pulverizador em funcionamento durante a aplicação.
Em caso de aplicação com pulverizadores tratorizados dotado com barra/bicos, recomenda-se o uso de bicos cônicos tipo D2, D3 ou séries X2, X3, e pressão de 80 a 150 lbs/pol² dependendo o tipo do equipamento utilizado. Deve-se regular o pulverizador de tal forma que a altura da barra fique de 30 a 50 cm acima do topo das plantas, e a distância entre bicos de 30 a 50 cm entre si. A densidade das gotas deve estar no mínimo entre 50 - 70 gotas/cm², com diâmetro médio de 250 micras.
Para o preparo da calda, inicialmente encher o reservatório do pulverizador até a metade da capacidade do tanque. Em seguida diluir a quantidade necessária do produto em um tanque auxiliar contendo água limpa. Adicionar a solução preparada ao tanque do pulverizador, e completar com água limpa, mantendo o agitador do pulverizador ligado. Usando-se outros tipos de equipamento, procurar obter uma cobertura uniforme em toda a parte aérea das plantas.

Condições climáticas

Aplicar na ausência de ventos fortes, temperatura abaixo de 30°C e umidade relativa do ar superior a 60% para evitar deriva e evaporação.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes deste período, utilize os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Fitotoxicidade

O produto não apresenta fitotoxicidade quando usado seguindo as instruções de uso recomendadas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

GRUPO G3 FUNGICIDA
GRUPO E3 FUNGICIDA

- Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência, visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura;
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura. - Usar somente as doses recomendadas no rótulo/bula;
- Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o Manejo de Resistência;
- Informações sobre manejo integrado de doenças: Incluir outros métodos de controle de doenças (Ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID), quando disponíveis e apropriados;
- Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre o Manejo de Resistência aos Fungicidas.




Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.