Bula Rotashock

acessos
metomil
13312
Rotam

Composição

Metanol 383.5 g/L Álcool
Metomil 216 g/L Diversos

Classificação

Acaricida, Inseticida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Contato, Ingestão, Sistêmico
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Bicudo
(Anthonomus grandis)
795 mL p.c./ha 300 L de calda/ha - Recomenda-se que sejam feitas três aplicações com intervalos de 5 dias. 14 dias. Aplicar quando a infestação atingir 10 % dos botões atacados até por volta de 80 dias após a emergência da cultura e de 15 % após este período
Lagarta da maçã
(Heliothis virescens)
800 a 1490 mL p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar de duas a três aplicações quando houver necessidade com intervalos de 10 dias. 14 dias. Iniciar controle quando houver 20% de ponteiros com ovos ou 15 % ponteiros atacados ou 10% adultos/armadilha (1 armadilha por ha)
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão verde
(Myzus persicae)
95 mL p.c./ha 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 5 aplicações, reaplicando quando houver reinfestação da praga, não aplicando uma quantidade superior a 2,98 L/ha do produto comercial. 9 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área
Traça da batatinha
(Phthorimaea operculella)
95 mL p.c./ha 1000 L de calda/ha - Realizar no máximo 5 aplicações, reaplicando quando houver reinfestação da praga, não aplicando uma quantidade superior a 2,98 L/ha do produto comercial. 9 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
595 mL p.c./ha 300 L de calda/ha - Realizar no máximo 5 aplicações, realizando nova aplicação quando houver reinfestação da praga, não aplicando uma quantidade superior a 2,98 L/ha de produto no mesmo ciclo da cultura. 14 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca das axilas
(Epinotia aporema)
995 a 1990 mL p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha 20 a 30 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 14 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Deve-se levar em consideração os seguintes níveis de dano econômico de acordo com a fenologia da cultura da soja: - Antes da floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 30% de desfolha. Após a floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 15% de desfolha
Lagarta da soja
(Anticarsia gemmatalis)
300 a 495 mL p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha 20 a 30 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 14 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Deve-se levar em consideração os seguintes níveis de dano econômico de acordo com a fenologia da cultura da soja: - Antes da floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 30% de desfolha. Após a floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 15% de desfolha
Lagarta das folhas
(Spodoptera eridania)
1000 mL p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha 20 a 30 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 14 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Deve-se levar em consideração os seguintes níveis de dano econômico de acordo com a fenologia da cultura da soja: - Antes da floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 30% de desfolha. Após a floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 15% de desfolha
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
500 a 995 mL p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha 20 a 30 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 14 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Deve-se levar em consideração os seguintes níveis de dano econômico de acordo com a fenologia da cultura da soja: - Antes da floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 30% de desfolha. Após a floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 15% de desfolha
Lagarta preta da soja
(Spodoptera cosmioides)
1600 mL p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha 20 a 30 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 14 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Deve-se levar em consideração os seguintes níveis de dano econômico de acordo com a fenologia da cultura da soja: - Antes da floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 30% de desfolha. Após a floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 15% de desfolha
Lagarta-falsa-medideira
(Pseudoplusia includens)
500 a 995 mL p.c./ha 100 a 300 L de calda/ha 20 a 30 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo 3 aplicações. 14 dias. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Deve-se levar em consideração os seguintes níveis de dano econômico de acordo com a fenologia da cultura da soja: - Antes da floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 30% de desfolha. Após a floração: quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 15% de desfolha
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca pequena do tomateiro
(Neoleucinodes elegantalis)
95 mL p.c./ha 100 L de calda/ha - Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 7,96 L/ha de produto. 3 dias. As aplicações devem ser iniciadas quando a presença dos primeiros insetos for verificada na área
Pulgão verde
(Myzus persicae)
95 mL p.c./ha 1000 L de calda/ha - Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 7,96 L/ha de produto. 3 dias. As aplicações devem ser iniciadas quando a presença dos primeiros insetos for verificada na área
Tripes
(Frankliniella schultzei)
95 mL p.c./ha 1000 L de calda/ha - Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 7,96 L/ha de produto. 3 dias. As aplicações devem ser iniciadas quando a presença dos primeiros insetos for verificada na área
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Lagarta do cartucho
(Spodoptera frugiperda)
500 a 1290 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 3,88 L/ha de produto. 14 dias. As aplicações devem ser iniciadas quando a presença dos primeiros insetos for verificada na área
Lagarta do trigo
(Pseudaletia adultera)
500 a 1290 mL p.c./ha 100 a 200 L de calda/ha - Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 3,88 L/ha de produto. 14 dias. As aplicações devem ser iniciadas quando a presença dos primeiros insetos for verificada na área

Tipo: Frasco
Material: Polietileno de alta densidade
Capacidade: 0,25; 1,0 L

Tipo: Bombona
Material: Polietileno de alta densidade
Capacidade: 5,0; 10; 20 L

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA

INSTRUÇÕES DE USO:
ROTASHOCK é um inseticida de ação de contato e ingestão. Pertence ao grupo químico metilcarbamato de oxima, indicado para o controle de pragas através de aplicação foliar nas culturas de algodão, batata, milho, soja, tomate e trigo.

CULTURAS/PRAGAS /DOSES:
Vide "Indicações de Uso/Doses"

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

ALGODÃO – Realizar no máximo 5 (cinco) aplicações durante o ciclo da cultura.
Para o controle da Lagarta-das-maçãs e do Bicudo, deve ser levado em consideração um programa de monitoramento e levantamento de pragas constante para a obtenção do nível de infestação na lavoura..
Lagarta-das-maçãs quando a infestação atingir um nível populacional acima de 5 % dos ponteiros com a presença da praga, realizando um programa de aplicações, duas a três aplicações com intervalos de 10 dias, dependendo da pressão e o nível populacional apresentado pelo monitoramento das pragas.
Bicudo quando a infestação atingir 10 % dos botões atacados até por volta de 80 dias após a emergência da cultura e de 15 % após este período.

BATATA – Realizar no máximo 3 (três) aplicações durante o ciclo da cultura. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 2,98 L/ha de ROTASHOCK .

MILHO – Realizar no máximo 5 (cinco) aplicações durante o ciclo da cultura. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 2,98 L/ha de ROTASHOCK .

SOJA – Realizar no máximo 3 (três) aplicações durante o ciclo da cultura. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Deve-se levar em consideração os seguintes níveis de dano econômico de acordo com a fenologia da cultura da soja:
- Antes da floração – quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 30% de desfolha.
- Após a floração – quando for verificado o número de 40 lagartas por metro linear ou 15% de desfolha.
É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 5,97 L/ha de ROTASHOCK .

TOMATE – Realizar no máximo 8 (oito) aplicações durante o ciclo da cultura. As aplicações devem ser iniciadas quando a presença dos primeiros insetos for verificada na área. Realizar nova aplicação quando houver reinfestação da praga. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 7,96 L/ha de ROTASHOCK .

TRIGO – Realizar no máximo 3 (três) aplicações durante o ciclo da cultura. O tratamento deve ser iniciado quando for notada a presença dos primeiros insetos na área. Realizar novas aplicações quando houver necessidade. É recomendado não aplicar, no mesmo ciclo da cultura, quantidade superior a 3,88 L/ha de ROTASHOCK .

Observação: Havendo a necessidade de um maior número de aplicações para o controle da praga, aplicar um outro produto de grupo químico diferente e que o mesmo esteja registrado para o mesmo uso junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, respeitando as suas informações quanto as recomendações de uso.



MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO:
ROTASHOCK pode ser aplicado por meio de aplicação terrestre ou aérea.

Aplicação Terrestre:
a) Equipamento costal: Deve-se utilizar bicos tipo leque modelos “XR” e “DG”; cônico modelos “D” e “TX”. Na aplicação é recomendado que o diâmetro da gota esteja dentro do limite de 110 a 150 micras, com densidade mínima de 40 gotas/cm2. Utilizar a pressão de 30 a 60 lb/pol2 na pulverização.
b) Equipamento tratorizado de barra: Deve-se utilizar bicos tipo leque modelos “XR” e “DG”; cônico modelos “D” e “TX”, espaçados a 50 cm na barra. Na aplicação é recomendado que o diâmetro da gota esteja dentro do limite de 110 a 150 micras, com densidade mínima de 40 gotas/cm2. Utilizar a pressão de 80 a 110 lb/pol2 na pulverização. Atentar para a altura da barra, lavando em conta sempre o ângulo de pulverização do bico para que o produto possa cobrir uniformemente todas as plantas da área aplicada.

Aplicação aérea:
O modo de aplicação aérea somente deve ser utilizado na cultura da soja.
a) Equipamento: Utilizar aeronaves agrícolas equipadas com barra dotadas de bicos cônicos do tipo D4, D5 ou D6 (20-60 bicos) com pressão de 30 a 50 lb/pol2 e volume de aplicação de 20 a 30 L/ha. Para se obter gotas pequenas o ângulo dos bicos em relação à direção de vôo deve ser de 135o; ou através de bicos rotativos tipo micronair com volume de aplicação de 10 a 20 L/há (4-8 unidades). A altura do vôo deve ser realizada aproximadamente de 2,5 a 4 metros acima do topo da cultura, proporcionando a largura de deposição efetiva do produto na lavoura de aproximadamente de 15 a 20 metros. Na aplicação é recomendado que os diâmetros das gotas estejam dentro do limite de 110 a 150 micras, com densidade mínima de 40 gotas/cm2. A pá da hélice do atomizador deverá estar regulada para 30 ou 35 graus para se ter gotas menores.
b) Deve se respeitar as condições de clima, para se evitar perdas por deriva ou evaporação do produto. Condições climáticas recomendadas: vento abaixo de 10 km/hora, temperaturas inferiores a 27ºC e umidade relativa superior a 70%.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão 14 dias
Batata 9 dias
Milho 14 dias
Soja 14 dias
Tomate 3 dias
Trigo 14 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pala Saúde Humana (ANVISA/MS).

LIMITAÇÕES DE USO:
Evitar a possibilidade de que o produto ROTASHOCK 216 SL entre em contato com produtos de reação alcalina como calda bordaleza e calda sulfocálcica, como com qualquer outro agrotóxico.
Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. Quando este produto for utilizado nas doses recomendadas, não causará danos às culturas indicadas.
Não aplicar ou permitir a deriva de ROTASHOCK 216 SL sobre corpos d’água e sobre áreas onde haja atividade de abelhas. Não aplicar ROTASHOCK 216 SL na forma de irrigação. Não utilizar equipamentos para pulverização tipo nebulizador.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:
Vide Modo de Aplicação.

DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA A UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Vide DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA: ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇAO AS INSTRUÇÕES
PRODUTO PERIGOSO
USE OS EQUIPAMNETOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO

PRECAUÇÕES GERAIS:
- Produto para o uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas.
Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.

PRECAUÇÕESNA PREPARAÇÃO DA CALDA:
- Produto extremamente irritante para os olhos.
Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
Ao abrir a embalagem faça-o de maneira a evitar respingos.
Utilize equipamentos de proteção individual —EPI: macacão da algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P3); óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
Manuseie o produto em local aberto e ventilado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
- Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação.
Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quent o dia.
Verifique a direção do vento e aplique de modo a não entrar na névoa do produto.
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas.
Utilize equipamentos de proteção individual —EPI: macacão da algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P3); óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. ÁREA TRATADA." E manter os avisos até o final do período de reentrada.
Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.
Mantenha o restante do produto adequadamente fechado na embalagem original, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe; óculos; avental; botas; macacão, luvas e máscara.
Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
Troque e lave as roupas de proteção, separado das demais roupas da família.
AO LAVAR AS ROUPAS UTILIZADAS / CONTAMINADAS, UTILIZE LUVAS E AVENTAL IMPERMEÁVEL.
Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
Fique atento ao período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
Não reutilize a embalagem vazia.
No descarte de embalagens vazias use EPI (macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha).

PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto.
Ingestão: Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para comer ou beber.
Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos.Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave com muita água corrente e sabão neutro
Inalação: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para local aberto e ventilado.
A pessoa que ajudar d e proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.

INFORMAÇÕES MÉDICAS

GRUPO QUÍMICO: METILCARBAMATO DE OXIMA (Metomil) e ÁLCOOL ALIFÁTICO (Metanol)
CLASSE TOXICOLÓGICA: I - EXTREMAMENTE TÓXICO
VIAS DE EXPOSIÇÃO: CARBAMATOS:. Apresentou uma toxicidade aguda elevada quando administrado a animais pelas vias oral, inalatória e ocular, mas com pouca toxicidade dérmica. Exposições em humanos (acidentais ou intencionais) indicam que acidentes fatais podem ocorrer em doses tão baixas quanto 12mg/kg.
METANOL: Vias oral, dérmica ou inalatória.
TOXICOCINÉTICA: CARBAMATOS: Metomil é um inseticida carbamato usado amplamente em uma variedade de culturas e no controle de insetos. Após absorção, os carbamatos são distribuídos por todos os tecidos do organismo, atingindo altas concentrações no fígado, onde são metabolizados, e nos rins, que os excretam. A meia-vida destes inseticidas varia muito, dependendo da natureza do composto. Alguns metabólitos são mais tóxicos que a substância que os originou. Os carbamatos geralmente são rapidamente excretados e não se acumulam no tecido dos mamíferos. Se a exposição é descontinuada, a inibição da acetilcolinesterase reverte rapidamente. Em casos não fatais, o tempo de duração dos sintomas é de menos de 24 horas.
METANOL: O metanol, também conhecido por álcool metílico, é um constituinte naturalmente presente nas plantas, animais e seres humanos. É encontrado no sangue, saliva, urina e ar expirado. As fontes de metanol principais são a dieta (frutas e vegetais frescos, sucos de frutas, bebidas fermentadas, alimentos dietéticos, aspartame, etc.) e processos metabólicos.
O metanol é principalmente um solvente industrial, pois ele dissolve alguns sais melhor do que o etanol; é utilizado na indústria de plásticos, na extração de produtos animais e vegetais, e como solvente em
reações de importância farmacológica, como no preparo de colesterol, vitaminas e hormônios, como matéria prima na produção de formaldeído, entre outros.
Por ser solúvel em água, o metanol é rapidamente absorvido por inalação, ingestão ou exposição dérmica e distribuído aos tecidos de acordo com a distribuição da água no corpo. Uma pequena quantidade é excretada inalterada pelos pulmões e rins. Sua metabolização primaria é no fígado por mecanismos oxidativos seqüenciais. O primeiro passo envolve oxidação para formaldeído pela enzima álcool desidrogenase hepática. No segundo passo, o formaldeído é oxidado pela enzima aldeído desidrogenase para ácido fórmico e/ou formiato dependendo do pH. No terceiro, o ácido fórmico é detoxificado para dióxido de carbono por reações folato-dependentes. O metanol é
eliminado pela urina e pelo ar espirado sendo que seu metabolismo é lento quando comparado com o etanol. A taxa de detoxificação metabólica é diferente entre as espécies animais o que é a base da dramática diferença de toxicidade do metanol observada entre roedores e primatas.
MECANISMOS DE TOXIDADE: CARBAMATOS- O metomil é um carbamato que inibe transitoriamente a enzima acetilcolinesterase através de sua fosforilação,
impossibilitando-a de exercer sua função de hidrolisar o neurotransmissor acetilcolina em colina e ácido acético. Isso leva a acúmulo de acetilcolina e conseqüente superestimulação ass terminações nervosas, tomando inadequada a transmissão de seus estímulos às células musculares, glandulares, ganglionares e do Sistema Nervoso Central (SNC).
A Acetilcolina está presente no sistema nervoso central (SNC), sistema nervoso periférico (SNP) e também nos eritrócitos. Inativa a acetilcolina, responsável pela transmissão do impulso nervoso no SNC, nas fibras pré-ganglionares, simpáticas e parassimpáticas e na placa mioneural.
Os carbamatos agem de modo semelhante aos organofosforados, mas formam um complexo menos estável com a colinesterase, permitindo a recuperação da enzima mais rapidamente.
METANOL: A toxicidade aguda varia grandemente entre as diferentes espécies sendo maior nas espécies com pobre metabolização do formiato. Os humanos e os primatas não humanos são as principais espécies sensíveis aos efeitos tóxicos de metanol. Em não primatas a toxicidade é baixa. O metanol em se é uma molécula com baixa toxicidade, porém, seus metabólitos, o formaldeído e o ácido fórmico, são extremamente tóxicos. Esses compostos causam acidose metabólica pela produção de ácido fórmico, distúrbios visuais, disfunções cerebrais progressivas, e podem levar a coma e óbito. Nos primatas devido à deficiente metabolização, intoxicação fatal pode ocorrer como resultado de uma acidose metabólica e toxicidade neuronal.
As doses tóxicas do metanol no homem variam de indivíduo para indivíduo. Alguns autores consideram que o consumo de 20 ml provoca cegueira e que 60 ml constitui a dose letal em humanos (Blinder e col., 1988). A dose letal do metanol em humanos é ainda desconhecida. A mínima dose letal de metanol em ausência de tratamento é de 0,3 a 1 g/kg. Não se conhece qual a dose mínima que causa cegueira.
As propriedades tóxicas do metanol são baseadas em fatores que governam sua metabolização a ácido fórmico e dióxido de carbono. A toxicidade se manifesta se a geração de formiato ocorre a uma taxa que excede a taxa de sua metabolização. Dois importantes determinantes da sucetibilidade humana ao metanol parecem ser: 1- concorrente ingestão de etanol 2- estado do folato hepático, que governa a taxa de detoxificação.
Evidências em animais sugerem que o metanol não é carcinogênico. A inalação de metanol por roedores prenhas durante o período de embriogênese induz uma ampla gama efeitos teratogênicos e letais dose-dependente.
SINTOMAS E SINAIS CLÍNICOS: CARBAMATOS- Os sinais tóxicos agudos são típicos dos inibidores da enzima colinesterase, são similares aos produzidos pelos organofosforados, porém, menos intensos e de menor duração. A síndrome colinérgica causada pelos carbamatos caracterizada principalmente por sialorréia, lacrimejamento, incontinência urinaria, diarréia, cólicas gastrointestinais e êmese é indistinguível da causada pelos pesticidas organofosforados.
Os dados provem de intoxicações acidentais ou tentativas de suicídio. 3/5 vítimas de intoxicação acidental por comida contaminada faleceram após 3 horas da ingestão. A dose letal é aproximadamente de 12-15 mg/kg.
Os efeitos correm geralmente minutos ou horas após exposição, dependendo de outros componentes da formulação. Os sobreviventes apresenta rápida recuperação pela rápida reversão da inibição da colinesterase se no sangue e no cérebro.
As manifestações agudas são classificadas como:
Muscarínicas (síndrome parassimpaticomimética, muscarínica ou colinérgica): vômito, diarréia, cólicas abdominais, broncoespasmo, miose puntiforme e paralítica, bradicardia, hipersecreção (sialorréia, lacrimejamento, broncorréia e sudorese), cefaléia, incontinência urinária, visão borrada. Diaforese severa pode provocar desidratação e hipovolemia graves, resultando em choque.
Nicotínicas (síndrome nicotínica): midríase, mialgia, hipertensão arterial, fasciculações musculares, tremores e fraqueza, que são, em geral, indicativos de gravidade. Pode haver paralisia de musculatura respiratória levando à morte. Taquicardia e hipertensão arterial podem manifestar-se, e serem alteradas pelo efeito muscarínico.
Efeitos em SNC (síndrome neurológica): ansiedade, agitação, confusão mental, ataxia, depressão de centros cardiorrespiratórios, convulsões, coma e óbito.
Os acidentes ocupacionais freqüentemente requerem hospitalização. Outras síndromes de manifestações tardias relacionadas com intoxicações por organofosforados foram raramente relatadas em intoxicações por carbamatos :
- Síndrome intermediária: aparece 1-4 dias após a exposição e a resolução da crise colinérgica aguda. É caracterizada por paresia dos músculos respiratórios e debilidade muscular que acomete principalmente a face, o pescoço e as porções proximais dos membros. Também pode haver comprometimento de pares cranianos e diminuição de reflexos tendinosos. A crise cede após 4-21 dias de assistência ventilatória adequada, mas pode prolongar-se, às vezes, por meses após a exposição.
- Neuropatia retardada: ela aparece em 14 a 28 dias após a exposição e é desencadeada por dano aos axdnios de nervos periféricos e centrais. A crise se caracteriza por paresias ou paralisias simétricas de extremidades, sobretudo inferiores, podendo persistir durante semanas ou anos. São casos raros, após exposições agudas e intensas.
- Outros efeitos sobre o Sistema Nervoso Central : um déficit residual de natureza neuropsiquiátrica , com depressão, ansiedade, irritabilidade, comprometimento da memória, concentração e iniciativa podem observar-se.
óbito pode resultar de parada respiratória, paralise dos músculos respiratórios, broncoconstrição intensa.
Não há evidências de carcinogenese em estudos com roedores. Os testes de genotoxicidade in vitro foram negativos entretanto, mostrou potencial citogenético em linfócitos humanos Sem evidências de danos cromossômicos.
METANOL: Quase toda a informação disponível sobre toxicidade por metanol em humanos são derivadas de intoxicações agudas, especialmente após ingestão de bebidas adulteradas e produtos contendo metanol. As subpopulações sensíveis aos efeitos da intoxicação por metanol são: 1- os indivíduos com deficiência de folato com maior risco ao inalar baixas concentrações de metanol como: grávidas, idosos, dieta pobre, alcoólicos e indivíduos tomando certas medicações ou com certas doenças. Ao parecer a acidose metabólica causada pela intoxicação por metanol pode ser exacerbada em pacientes com cetoacidose diabética. No entanto, não há evidencias experimentais ou clínicas de qualquer interação entre idose metanol e cetoacidose diabética.
A sintomatologia da intoxicação por metanol no ser humano está condicionada à quantidade ingerida ou em contato e é caracterizada por um padrão bem definido. Dependendo do nível de intoxicação os sintomas variam de leves a graves. Após um período assintomático de 10 a 48 horas, mais freqüentemente entre 12 a 24 horas após a exposição, os pacientes podem apresentar cefaléia, náusea, tonturas e vômitos, seguidos por dor abdominal severa e respiração acidótica de Kussmaul. O paciente também pode apresentar visão turva, fotofobia e dor ocular. Caso não tratado evolui para deterioração visual ou cegueira
total. Concomitantemente há um incremento da acidose metabólica
causada pelo acúmulo de acido formico. Os casos graves podem
progredir a coma e eventualmente a óbito por falência respiratória.
O efeito crônico mais proeminente é uma ampla gama de efeitos oftálmicos. As seqüelas permanentes mais comuns a intoxicação por
metanol são: neuropatia óptica, cegueira, Doença de Parkinson, encefalopatia tóxica e polineuropatia.
Não há relatos de efeitos carcinogênicos, genotóxicos, reprodutivos ou no desenvolvimento em humanos devidos a exposições ao metanol.
DIAGNÓSTICO: CARBAMATOS: exposição, atividade original Queda de pseudocolinesterase A identificação urina pode Outros controles pancreática, QT), RX tórax Convém considerar outros tóxicos, esperado. Em se apresentando
confirmação METANOL: achados lab por 18 a 2 níveis de sérico.
paciente imediatamente,
O diagnóstico é estabelecido pela confirmação da de quadro clínico compatível, associados ou não a queda na
da colinesterase que indica exposição importante. 50% é geralmente associada com exposição intensa. A
é um indicador sensível, mas não específico.
das substâncias e de seus metabólitos em sangue e
evidenciar exposição, mas não é facilmente realizável.
incluem: eletrólitos, glicemia, creatinina, amilase
enzimas hepáticas, gasometria, ECG (prolongamento de
(edema pulmonar e aspiração).
a possibilidade de associação do carbamato a o que pode alterar ou potencializar o perfil clínico
sinais e sintomas indicativos de intoxicação, trate o não condicionando o inicio do tratamento a laboratorial.
Como o metanol precisa ser metabolizado, sinais clínicos e ratoriais de acidose metabólica podem não ser detectados horas após a exposição. É indicada a mensuração dos anol e etanol séricos; mensuração de eletrólitos e do pH sérico.
TRATAMENTO: Desde que este composto tem dois componentes, o metomil e o metanol, o médico deve ficar atento às diferentes manifestações clínicas para poder direcionar o tratamento.
As medidas abaixo relacionadas, especialmente aquelas voltadas para a adequada oxigenação do intoxicado, devem ser implementadas concomitantemente ao tratamento medicamentoso e a descontaminação.
1.Descontaminação: Remover roupas e acessórios e descontaminar a pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos, com água fria abundante e sabão. Utilizar luvas e avental durante a descontaminação.
2.Exposição ocular: irrigar abundantemente com soro fisiológico ou água, por no mínimo 15 minutos, evitando contato com a pele e mucosas.
3.Exposição oral:
a)Medidas de suporte devem ser adotadas devido à depressão do SNC, insuficiência cardiorrespiratória e acidose metabólica mais freqüentemente em casos de ingestão maciça.
b)Devido ao potencial de aspiração, NÃO deve ser induzido o vômito.
c)Aspiração gástrica: a ingestão de grandes volumes de metanol pode atrasar o esvaziamento gástrico, desta forma, pode haver recuperação significativa do composto mesmo horas após a ingestão. Inserir tubo nasogástrico e aspirar o conteúdo gástrico nesses casos. Porém, deve-se ficar atento, pois a ingestão do produto pode acarretar em irritação do esôfago e gastrintestinal, desta forma os possíveis benefícios da remoção do material ingerido deve ser pesado anti o potencial de complicações como sangramento ou perfuração. Atentar para nível de consciência e proteger vias aéreas do risco de aspiração. Administrar Carvão ativado na proporção de 50-100 g em adultos e 25-50 g em crianças de 1-12 anos, e 1 g/Kg em menores de 1 ano, diluídos em água, na proporção de 30 g de carvão ativado para 240 mL de água. As contra-indicações da aspiração gástrica incluem perda de reflexos protetores das vias aéreas, deterioração da consciência em pacientes não intubados, pacientes em risco de perfuração ou hemorragia gastrointestinal, ingestão de pequenas quantidades do produto.
d)Emergência, suporte e tratamento sintomático: Manter vias aéreas permeáveis, aspirar secreções e oxigenar. Atenção especial para fraqueza de musculatura respiratória e parada respiratória repentina, hipotensão e arritmias cardíacas. Adotar medidas de assistência ventilatória, se necessário.
Monitorar oxigenação (oximetria ou gasometria), ECG, eletrólitos, amilase sérica, glicemia. Tratar pneumonite, convulsões, hipotensão, arritmias e coma se ocorrerem. Manter observação por no mínimo 24 horas após o desaparecimento dos sintomas. ANTÍDOTO:
CARBAMATOS: o antagonista específico em caso de intoxicação por carbamatos é o Sulfato de Atropina. Apenas administre Sulfato de Atropina se sintomas colinérgicos estiverem presentes. O objetivo da terapia com atropina é antagonizar os efeitos de concentrações escessivas de acetilcolina nos órgãos alvo com receptores muscarínicos. Atropina não reativa a enzima colinesterase nem acelera a excreção do carbamato.
A atropina, agente antimuscarínico, é usada para reverter os Y.. oma muscarínicos, não os nicotínicos, daí a necessidade de cuidado especial para possibilidade de parada respiratória. Administrar 2)S, .4,0
mg em dose de ataque (adultos), e 0,05 mg/Kg em crianças, EV, ou IM, ou via intratraqueal. Repetir se necessário a cada 5 a 10 minutos. As preparações de Atropina disponíveis no mercado, normalmente têm a concentração de 0,25 ou 0,50 mg/ mL. O parâmetro para a manutenção ou suspensão do tratamento é clínico, e se baseia na reversão da ausculta pulmonar indicativa de broncorréia e na constatação do desaparecimento da fase hipersecretora, ou sintomas de intoxicação atropinica (hiperemia de pele, boca seca, pupilas dilatadas e taquicardia. Alcançados sinais de atropinização, ajustar a dose de manutenção destes efeitos por 24 horas ou mais. A presença de taquicardia e hipertensão não contra-indica a atropinização.
Manter em observação por 72 horas, com monitorização cardio-
respiratória e oximetria de pulso. A ação letal dos carbamatos pode ser comumente atribuída a insuficiência respiratória, pelos mecanismos de: broncoconstrição, secreção pulmonar excessiva, falência da musculatura respiratória e conseqüente depressão do centro respiratório por hipóxia. Devido a esta complicação, manter a monitoração e tratamento sintomático.
A diálise e a hemoperfusão não são indicadas devido à ineficácia de remover o carbamato do organismo. Pralidoxime, a diferença da
intoxicação por organofosforados, não está indicado nos casos de intoxicação por carbamatos.
METANOL: O tratamento deverá ser instalado logo após a obtenção dos níveis séricos de metanol. Dosagens acima de 40m1/d1 indica uso de antídoto específico: etanol (álcool etílico) EV ou VO. Níveis acima de 50mcg/dI e a presença de acidose metabólica indicam uso de etanol e hemodiálise, para melhor prognóstico do caso. O álcool etílico, quando consumido ao mesmo tempo com o metanol, atenua os efeitos tóxicos deste último. O mecanismo desta proteção é explicado pela capacidade do álcool etílico em inibir competitivamente a oxidação metabólica do metanol.
A droga 4-Metilpirazol (4-MP; Fomepizole) é um potente inibidor
competitivo da enzima álcool desidrogenase e um antídoto efetivo para intoxicações por metanol. Dose 15mg/Kg IV durante 30 minutos.
.. Outra droga indicada nos tratamentos para intoxicações por metanol é o ácido folinico e deve ser administrado durante as primeiras 24 horas. Acredita-se que este fármaco acelera o metabolismo do ácido fórmico em dióxido de carbono e água.Dose 1 mg/kg (ou até 50mg/dose).
O bicarbonato de sódio apresenta dois importantes papéis nas intoxicações por álcool: pode reverter a acidose grave e apresenta uma habilidade favorável para modificar a distribuição e eliminação certos metabólitos tóxicos. Nos casos de intoxicação por metanol a proporção de ácido fórmico ionizado aumentará quando da administração de .. bicarbonato, mantendo desta forma o ácido fórmico no compartimento
sanguíneo. Conseqüentemente, observa-se uma diminuição na toxicidade ocular como resultado da remoção dos metabólitos tóxicos do nervo óptico.
Hemodiálise: Indicações: 1- metanol sérico maior que 50 mg/dL (15 mmol/L) 2- Alterações ácido-base ou eletrolíticas graves que não respondema terapia convencional 3- insuficiência renal. O procedimento remove rapidamente alguns medicamentos pelo que é recomendado o incremento da dose de etanol e de fomepizole durante a hemodiálise.
CONTRA-INDICAÇÕES: A indução do vomito é contra-indicada em razão do risco potencial de aspiração.
Contraindicações: teofilina, aminofilina, morfina, reserpina e
fenotiazínicos, pois podem aumentar a depressão central, colaborar para inibição da colinesterase ou provocar arritmias cardíacas.
Aminas adrenérgicas só devem ser usadas em indicações específicas, devido à possibilidade de hipotensão e fibrilação cardíaca.
EFEITOS SINÉRGICOS: Metomil: possui efeitos sinérgicos com outros organofosforados ou carbamatos, exceto Dimetoato, que é antagonista.
Metanol: inalado potencializa a hepatotoxicidade produzida pelo
tetracloreto de carbono em ratos adultos F-344. Tem sido sugerido que a acidose metabólica devido a metanol poderia estar exacerbado em pacientes com cetoacidose diabética, entretanto, entretanto não existem evidências clínicas dessa internão.
ATENÇÃO: Ligue para o Disque-Intoxicação: 0800-7224001 para notificar o caso e obter informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento. Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica RENACIAT — ANVISA/MS
Notifique ao sistema de informação de agravos de notificação (SINAN / MS)
Telefone de Emergência da empresa ROTAM do Brasil Agroquímica e Produtos Agrícolas Ltda: OXX19 3258-6763 horário comercial.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
METOMIL: Em animais de laboratório o metomil foi rapidamente absorvido do trato gastrintestinal (apenas 2-4% da substância inalterada foram detectadas nas fezes) e rapidamente eliminado em 24 horas após a administração (80% no rato e 63% no macaco). A excreção urinária ocorreu para 53% da dose administrada em ratos e 29% em macacos. A excreção por via respiratória foi responsável pela eliminação de 33% e 39% da dose administrada em ratos e macacos, respectivamente. A meia-vida de excreção foi de 5 horas no rato e entre 12 a 24 horas no macaco. Não houve diferenças relativas ao sexo na absorção, taxa de eliminação ou na distribuição e concentração de resíduos teciduais nos ratos. Não foi evidenciado potencial de bioacumulação.
O metabolismo é extenso tanto nos ratos quanto nos macacos, mas há certas diferenças nos mecanismos e padrões metabólitos. O principal metabólito urinário no rato foi o ácido mercaptúrico derivado do metomil juntamente com pelo menos outros 10 metabólitos menores. Acetonitrila foi o principal resíduo encontrado no sangue e fígado. No macaco mais de 18 metabólitos foram observados, nenhum encontrado acima de 4%. O macaco excretou mais 14CO2 e menos 14-acetonitrila que o rato no ar expirado e os macacos excretaram consideravelmente menos ácido mercaptúrico derivado de metomil na urina (0,8% no macaco e 18% no rato).
METANOL: O metanol é rapidamente absorvido por inalação, ingestão ou exposição dérmica e é rapidamente distribuído aos tecidos de acordo com a distribuição da água no corpo. Uma pequena porcentagem do metanol é eliminada não metabolizada pelas vias inalatória e renal. O metanol é metabolizado primariamente pelo fígado em uma seqüência
oxidativa para formaldeído, ácido fórmico e gás carbônico. A eliminação do metanol do sangue pelas vias urinária e inalatória é lenta em todas as espécies, especialmente quando comparada a eliminação do etanol. A taxa de detoxificação, metabolica ou mais especificamente a remoçãodo ácido fórmico é muitodiferente entre roedores e primatas é a base da diferença dramática da toxicidade do metanol observada entre roedores e primatas. As espécies sensíveis (humanos e primatas) desenvolvem concentrações plasmáticas de ácido fórmico extremamente elevadas após a intoxicação por metanol, enquanto espécies resistentes como roedores, coelhos e cães, não.
EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS:
METOMIL:Nos estudos de neurotoxicidade aguda em ratos desenvolvidos com Metomil foram observados sinais de toxicidade sistêmica e inibição da colinesterase (plasmática, eritrocitária e cerebral). Sinais clínicos foram evidentes após administração de 1mg/Kg, principalmente tremores e incoordenação motora. Em um estudo de neurotoxicidade subaguda desenvolvido com ratos, foram observados os seguintes sinais/sintomas: diminuição no peso corporal e consumo alimentar, sinais clínicos de toxicidade sistémica, diminuição da atividade da colinesterase cerebral e diminuição no desempenho nos testes de bateria funcional. Apesar de ter sido detectada a diminuição da colinesterase cerebral não houve alterações nas colinesterases eritrocitária e plasmática. Nos estudos realizados com animais, metomil não apresentou potencial carcinogênico ou teratogênico.
METANOL: Os humanos são extremamente sensíveis a intoxicação, os efeitos tóxicos nestas espécies são caracterizados por uma forte acidose metabólica, toxicidade ocular, depressão do SNC, cegueira, coma e morte. A maior conseqüência observada em exposições crónicas é uma ampla gama de alterações oculares. A menor dose letal observada na ausência de tratamento médico foi de 0,3 a 1g/Kg. Não se sabe ao certo qual a menor dose necessária para causar a perda visual permanente.
Efeitos agudos resultantes de ensaios com animais (Produto formulado): DL50 oral para ratos: 13,47 mg/kg
DL50 dérmica para ratos: > 4640mg/kg
Concentração letal inalatória em coelhos: > 0,20 mg/L.
Irritabilidade dérmica em coelhos: não irritante.
Irritabilidade ocular em coelhos: extremamente irritante.
Sensibilização cutânea em cobaias: não sensibilizante.
Methomyl 21,6% SL foi considerado no teste de "Ames" como não mutagênico e não alterou o teste de mutação bacteriana reversa com Salmonella typhimurium.
Em teste de micronúcleos a atividade citogenética de Methomyl 21,6% SL foi negativa.
DADOS RELAIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente — IBAMA/MMA)
RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ORGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL:
De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.
Campinas, 18 de janeiro de 2008.

1- PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
- Este produto é:
[ X ] - MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II).
- Este produto é ALTAMENTE MÓVEL, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir principalmente águas subterrâneas.
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos do solo.
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para microcrustáceos.
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
-Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evi-te a contaminação da água.
-A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicações aéreas de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (qui-nhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de ani-mais e vegetação suscetível a danos.
- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades ae-roagrícolas.

2- INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PRE-VENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações e outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
-Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. - Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para recolhimento de produtos vazados.
-Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

3- INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a ROTAM DO BRASIL AGROQUÍMICA E PRODUTOS AGRÍCOLAS LTDA - Telefone de Emergência: (0xx19) 3258-6763.
- Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de PVC, ócu-los protetor e máscara com filtro)
- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado: recolha o material com o auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identi-ficado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o regis-trante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.
Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o gr?if gão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adota-
das dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quanti-dade do produto envolvido.
-Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

4- PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTI-NAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL

LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPIs- Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto.

Tríplice lavagem (lavagem manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu es-vaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
-Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
-Adicione água limpa à embalagem até l/ do seu volume;
-Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos; - Despeje a água da lavagem no tanque pulverizador; - Faça esta operação três vezes;
-Inutilize a embalagem plástica perfurando o fundo.
Lavagem sob pressão: Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedi-mentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador; - Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; - A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica, perfurando o fundo. Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, dire-cionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
-Inutilize a embalagem plástica, perfurando o fundo.

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, essa embalagem deve ser armazena-da com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida
no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 (seis) meses após o término do prazo de
validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de
um ano após a devolução da embalagem vazia.
TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, ra-
ções, animais e pessoas.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)
ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA


ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário deve ser efetuado em local co-berto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.

TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, ra-ções, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realiza-da pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DAS EMBALAGENS VAZIAS OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBA-LAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contami-nação do solo, da água e do ar prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante atra-vés do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito ás regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que in-clui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ÓRGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FE-DERAL OU DO MUNICÍPIO:
De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis.

INFORMAÇÕES SOBRE O MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS:
Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

INFORMAÇÔES SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA A INSETICIDAS:
Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas - IRAC-BR - recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI), visando prolongar a vida útil dos mesmos:
• Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
• Utilizar somente as dosagens recomendadas no rótulo/bula.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.
• Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. Controle Cultural, Biológico, etc...) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado.