Bula Thiovit Jet - Syngenta

Bula Thiovit Jet

CI
Enxofre
904
Syngenta

Composição

Enxofre (Sulfur) 800 g/kg

Classificação

Terrestre
Acaricida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Contato

Frasco plástico: 1; 2; 3; 4; 5 e 10 kg

Saco de papel: 10;15; 25; 30 e 50 kg

Saco plástico:1; 2; 3; 4; 5 e 10 kg

INSTRUÇÕES DE USO

MODO DE APLICAÇÃO

A dose recomendada do THIOVIT JET deve ser diluída em água e aplicada sob a forma de pulverização com qualquer tipo de equipamento terrestre, costal ou tratorizado. Para uma cobertura uniforme sobre as plantas, deve-se observar recomendação do fabricante das pontas de pulverização quanto ao seu espaçamento e pressão de trabalho.

Preparo da calda de pulverização

- Colocar água no tanque até atingir ¾ da capacidade do mesmo.
- Sob agitação, adicionar a quantidade de THIOVIT JET lentamente e completar o volume de água no tanque após a dispersão do produto.
- A calda deve ser mantida sob constante agitação e utilizada no mesmo dia do preparo.

Citros: aplicação terrestre:
- Utilizar pulverizador costal motorizado ou turbo atomizador tratorizado provido de bicos de jato cônico com espaçamento, vazão e pressão de trabalho corretamente calibrados. Ajustar a velocidade do equipamento para uma vazão/volume de calda de 1000 a 3.200 L/ha, de acordo com o porte das plantas. Usar o volume máximo em pomares adultos com alto índice de enfolhamento.

Café: aplicação terrestre:
- Utilizar pulverizador costal motorizado ou turbo atomizador tratorizado provido de bicos de jato cônico com espaçamento, vazão e pressão de trabalho corretamente calibrados. Ajustar a velocidade do equipamento para uma vazão/volume de calda ao redor de 400 L/ha.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Citros: Efetuar inspeções periódicas no pomar e iniciar as pulverizações quando: forem encontrados 20% de frutos ou folhas com a presença do ácaro (1 ou mais ácaros por campo visual / 1cm²) ou alternativamente quando forem encontrados 10% de frutos ou folhas com 20 ou mais ácaros / cm².
Café: Tratar no início do ataque antes do aparecimento dos sintomas.
Se a praga já estiver presente em população alta, usar a dose maior. Monitorar após a aplicação e em caso de re-infestação reaplicar com intervalo de 15 a 21 dias.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Sem restrições.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Somente reentrar na área tratada, após um dia após a aplicação e secagem da calda.

LIMITAÇÕES DE USO

O produto pode apresentar incompatibilidade com óleos minerais e, dependendo da concentração do óleo pode ocorrer entupimento de bicos. Desta maneira, não se recomenda a utilização do produto com óleo.
Utilize este produto de acordo com as recomendações em rótulo e bula. Esta é uma ação importante para obter resíduos dentro dos limites permitidos no Brasil (referência: monografia da ANVISA). No caso de o produto ser utilizado em uma cultura de exportação, verifique, antes de usar, os níveis máximos de resíduos aceitos no país de destino para as culturas tratadas com este produto, uma vez que eles podem ser diferentes dos valores permitidos no Brasil ou não terem sido estabelecidos. Em caso de dúvida, consulte o seu exportador e/ou importador.
Fitotoxicidade para as culturas indicadas:
Não há problemas de fitotoxicidade para as culturas indicadas, nas doses recomendas e nas épocas normais de uso.
Durante a floração em geral não se recomenda aplicar o produto. Com temperaturas acima de 30º C usar doses baixas ou mesmo suspender os tratamentos.

Outras restrições a serem observadas

Não há.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Qualquer agente de controle de inseto pode se tornar menos efetivo ao longo do tempo, se a praga alvo desenvolver algum mecanismo de resistência a ele. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas - IRAC-BR, recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência, visando prolongar a vida útil dos inseticidas:
• Qualquer produto para controle de pragas, da mesma classe ou modo de ação, não deve ser utilizado em gerações consecutivas da praga.
• Usar somente as doses recomendadas na bula/rótulo.
• Consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre o Manejo de Resistência a Inseticidas.
• Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. Controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.