Bula Tibet Prime

acessos
Fluroxipir-meptílico + Picloram
12618
Nufarm

Composição

Equivalente ácido de Fluroxipir 80 g/L Ácido piridiniloxialcanóico
Equivalente Ácido de Picloram 80 g/L Ácido piridinocarboxílico

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Microemulsão (ME)
Contato, Sistêmico

Pastagens Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amarelinho
(Tecoma stans)
1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Assa peixe
(Vernonia polyanthes)
0,5 a 1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Assa peixe
(Vernonia polyanthes)
1,5 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 200 a 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar em área totalna na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Assa peixe
(Vernonia scabra)
2,5 L p.c. / 99 L de água 200 a 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar em área totalna na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Assa peixe roxo
(Vernonia westiniana)
0,75 a 1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Assa peixe roxo
(Vernonia westiniana)
2 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 200 a 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar em área totalna na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Casadinha
(Eupatorium squalidum)
1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Casadinha
(Eupatorium squalidum)
1,5 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 200 a 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar em área totalna na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Cheirosa
(Hyptis suaveolens)
0,5 a 1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
cipó de cobra
(Mansoa difficilis)
2,5 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Espinho agulha
(Barnadesia rosea)
2 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Fedegoso branco
(Senna obtusifolia)
0,5 a 1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Fedegoso branco
(Senna obtusifolia)
2 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 200 a 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar em área totalna na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Gervão branco
(Croton glandulosus)
0,5 a 1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
1,5 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 200 a 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar em área totalna na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Guanxuma branca
(Sida glaziovii)
1 a 1,25 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Joá bravo
(Solanum sisymbriifolium)
0,5 a 1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Leiteiro
(Peschiera fuchsiaefolia)
2 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Malva branca
(Sida cordifolia)
0,75 a 1 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Mamica de porca
(Zanthoxylum hasslerianum)
2 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Mata pasto
(Eupatorium maximilianii)
1,5 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 200 a 400 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar em área totalna na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo
Unha de vaca
(Bauhinia variegata)
1,5 a 2,5 L p.c. / 99 L de água 100 L de calda/ha - Realizar uma aplicação em reforma da pastagem ou em manutenção/limpeza. Não determiando. Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

ÉPOCA DE APLICAÇÃO:

Aplicar na época quente e com boa umidade no solo, quando as plantas daninhas a serem controladas estiverem em intenso processo de desenvolvimento vegetativo.
Para uma maior eficácia do produto, deve-se adotar os seguintes parâmetros na aplicação:
- Temperatura máxima do ar de 32°C
- Umidade relativa do ar maior que 60 %
- Velocidade do vento entre 2 e 10 km/h
Esses parâmetros normalmente são obtidos realizando-se as aplicações no período das 6:00 as 10:00 horas da manhã e recomeçando a partir das 16:00 horas.

Recomendações de uso:

Reforma de pastagens:

Para se obter melhores resultados com TIBET PRIME em reforma de pastagens, deve-se aplicar o produto antes do florescimento das plantas infestantes e após a pastagem ter iniciado o perfilhamento.
Isto ocorre geralmente entre os 35 a 45 dias após o plantio do capim. Nesta fase as plantas infestantes encontram-se em estágios mais apropriados para serem controladas.

Manutenção (limpeza) de pastagens:

A aplicação de TIBET PRIME deve ser realizada quando as plantas infestantes estiverem crescendo ativamente, bem enfolhadas e antes do florescimento. Se as mesmas estiverem adultas, de grande porte ou florescidas, deve-se roçá-las e aplicar o produto quando estiverem novamente bem enfolhadas.
Plantas infestantes adultas ou espécies lenhosas necessitam das maiores doses de TIBET PRIME.

CULTURA, MODO DE APLICAÇÃO, EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO E VOLUME DE CALDA:

O volume de calda pode variar em função da área efetivamente tratada, do porte e da densidade das invasoras, bem como do equipamento e tecnologia utilizada, conforme descrito abaixo:

Cultura Modo de aplicação
Equipamento de
aplicação
Volume de calda
(L/ha)
Pastagens de Gramíneas forrageiras
Terrestre
(Aplicação Localizada)
Tratorizado 100
Costal Manual 100
Terrestre
(Aplicação em Área Total)
Tratorizado (Turbina de fluxo de ar - “Jatão”)
200 – 250 Tratorizado (Puverizador de Barra)
200 – 400 Aéreo Aeronaves Agrícolas 50
Aplicação foliar dirigida terrestre:
Aplicar o produto com pulverizador costal manual ou tratorizado munido de lança diretamente sobre a
folhagem das plantas infestantes até atingir o ponto de escorrimento. Utilizar bicos leque 80.03 ou 80.04.

Aplicação foliar em área total terrestre:
Utilizar equipamentos de pulverização tratorizados, como os pulverizadores de turbina de fluxo de ar (Jatão) ou os pulverizadores de barra, aplicando a calda sobre a folhagem das plantas infetantes de maneira uniforme em toda a área.
A aplicação tratorizada é recomendada para áreas de reforma e manutenção (limpeza de pastagens), em infestações uniformes, plantas infestantes de pequeno e médio portes e com alta densidade populacional.

a) Pulverizadores com turbina de fluxo de ar (Jatão):
- Faixa de aplicação: 10 a 14 metros
- Vazão: 200 a 250 litros de calda por hectare
b) Pulverizadores de barra:
- Usar bicos tipo leque 110.04 ou 110.06
- Pressão: 20 a 45 libras/pol2
- Vazão: 200 a 400 litros por hectare

APLICAÇÃO AÉREA:

Bicos – Utilizar bicos de jato cônico cheio da série D, com uma deposição mínima de 30 gotas/cm² e um DMV de 600 a 800 micras sobre o alvo desejado. Não efetuar aplicações com bicos rotativos tipo MICRONAIR.
Número de bicos na barra – Para aviões IPANEMA, qualquer modelo, utilizar de 32 a 36 bicos, fechando de 9 a 7 respectivamente em cada extremidade das asas e três intermediários de cada lado próximos à fuselagem, mantendo em operação os oito bicos sob a fuselagem (barriga) e posicionados no mesmo ângulo dos bicos das asas. Para outros modelos de aeronaves, utilizar a disposição que permita a maior uniformidade de distribuição das gotas sobre a faixa de separação e evitar a influência e perda das gotas pelo vórtices de pontas de asas, fechando apropriadamente os bicos próximos a estas.

Altura de vôo – Para qualquer modelo de aeronave agrícola, utilizar preferencialmente altura de vôo de 10 metros em relação ao topo da pastagem.

Volume de aplicação – 50 L/há

Pressão de trabalho – Deverá ser mantida dentro da faixa de 15 a 30 psi (100 a 200 kPa), qualquer que seja o tipo de aeronave utilizada.

Faixa de deposição – Para aviões IPANEMA ou similares, utilizar a faixa máxima de 20m. Para aviões grandes a faixa de deposição não deverá exceder 25m.

Ângulo da barra – Em condições de umidade relativa acima de 70%, utilizar o ângulo da barra de pulverização a 135º, aumentando o mesmo até o máximo de 180º de acordo com o decréscimo da umidade relativa do ar, para se gerar gotas mais grossas e pesadas reduzindo as perdas por evaporação e deriva.

Condições climáticas - Evitar aplicações com velocidade do vento inferior a 2 km/h onde pode ocorrer o fenômeno de inversão térmica, causando maior permanência das gotas no ar e prejudicando
consideravelmente a deposição das gotas sobre as plantas daninhas.
Aplicações efetuadas nas horas mais quentes do dia também deverão ser evitadas, pois causarão perdas das gotas devido a ação das correntes térmicas ascendentes.
OBS.: O fator climático mais importante a considerar deverá ser sempre a umidade relativa do ar, a qual determinará uma maior ou menor deriva das gotas pelo vento.
O potencial de deriva é determinado pela interação de muitos fatores relativos ao equipamento de pulverização (independente dos equipamentos utilizados para a pulverização, o tamanho das gotas é um dos fatores mais importantes para evitar a deriva) e ao clima (velocidade do vento, umidade e temperatura). O aplicador deve considerar todos estes fatores quando da decisão de aplicar. Evitar a deriva é responsabilidade do aplicador. Para se evitar a deriva aplicar com o maior tamanho de gota possível, sem prejudicar a cobertura e eficiência. Consulte um engenheiro agrônomo.
Não permitir que a deriva proveniente da aplicação atinja culturas vizinhas, áreas habitadas, leitos de rios e outras fontes d'água, criações e áreas de preservação ambiental.
As condições de aplicação poderão ser alteradas de acordo com as instruções do Engenheiro Agrônomo ou técnico responsável, mediante uso de tecnologia adequada.
Em caso de dúvidas ou mudança de aeronave, realizar testes de campo com papel sensível, ou consultar empresa aplicadora ou o departamento técnico da NUFARM INDÚSTRIA QUÍMICA E FARMACÊUTICA S/A.

Consulte sempre um engenheiro agrônomo ou representante da empresa.

INTERVALO DE SEGURANÇA:

Intervalo de segurança não especificado.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO:

Fitotoxicidade para as culturas indicadas:

TIBET PRIME quando usado nas doses recomendadas não causará danos às pastagens de gramíneas.

Outras restrições a serem observadas:

Utilize somente água limpa para o preparo da calda;
São sensíveis a esse herbicida as culturas dicotiledôneas como algodão, tomate, batata, feijão, soja, café, eucalipto, hortaliças, flores e outras espécies dicotiledôneas úteis e sensíveis a herbicidas
hormonais. Caso TIBET PRIME seja usado no controle de invasoras em área total, o plantio de espécies susceptíveis ao produto nessas áreas só deverá ser feito 2 a 3 anos após a última aplicação;
No caso de pastagens tratadas em área total, deve-se permitir que o capim se recupere antes do pasto ser aberto ao gado. Essa medida evita também que os animais comam plantas tóxicas que possivelmente existam na pastagem e se tornam mais atrativas após a aplicação do produto;
Evitar que o produto atinja, diretamente ou por deriva, as espécies úteis sensíveis ao herbicida;
Não utilizar para aplicação de outros produtos em culturas sensíveis o equipamento que foi usado para aplicação de TIBET PRIME;
Não utilizar esterco de curral de animais que tenham se alimentado da pastagem tratada com TIBET PRIME em área total e imediatamente após o tratamento, para adubar plantas ou culturas úteis sensíveis ao produto.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:

VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:

VIDE MODO DE APLICAÇÃO.

DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:

VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO,
TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS;

VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE
PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO.

VIDE DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

INFORMAÇÃO SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA:
O uso sucessivo de herbicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode
contribuir para o aumento da população da planta daninha alvo resistente a esse mecanismo de ação,
levando a perda de eficiência do produto e um consequente prejuízo.
Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas e para evitar os problemas com a resistência,
seguem algumas recomendações:
• Rotação de herbicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo O para o controle do mesmo alvo,
quando apropriado.
• Adotar outras práticas de controle de plantas daninhas seguindo as boas práticas agrícolas.
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto.
• Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais
para o manejo de resistência e a orientação técnica da aplicação de herbicidas.
Informações sobre possíveis casos de resistência em plantas daninhas devem ser consultados e, ou,
informados à: Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas (SBCPD: www.sbcpd.org),
Associação Brasileira de Ação à Resistência de Plantas Daninhas aos Herbicidas (HRAC-BR: www.hracbr.
org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).
GRUPO O HERBICIDA
GRUPO O HERBICIDA
O produto TIBET PRIME é composto por Fluroxypir e Picloram, que apresentam mecanismo de ação
dos mimetizadores de auxina, ambos pertencentes ao Grupo O, segundo classificação internacional do
HRAC (Comitê de Ação à Resistência de Herbicidas).