Soja: janelas de comercialização

Por:
446 acessos

Até o dia 30/06 o bushel de soja em Chicago registrava um comportamento baixista, tendo o mesmo batido em US$ 9,04 no dia 23/06, se consolidando como a mais baixa cotação desde abril de 2016. A partir daí o bushel saltou para US$ 9,64 no dia 03/07. Dois motivos estiveram na origem deste movimento: a) o relatório de plantio nos EUA, informado no dia 30/06, acabou confirmando uma área já precificada, embora seja importante dizer que o mercado esperava 7,8% de aumento na mesma enquanto o relatório trouxe 7% (houve recuo de 3% no milho e de 9% no trigo); b) especulações em torno de um clima mais seco e quente durante o mês de julho sobre as lavouras estadunidenses. Isto, associado a um câmbio que gira, nos últimos dias, ao redor de R$ 3,30 por dólar no Brasil, favoreceu a um aumento nos preços médios da soja brasileira. No sul do país, no início de julho (momento em que escrevemos este artigo), os preços do saco de soja nos portos chegaram a ultrapassar os R$ 70,00, enquanto o balcão trabalhou entre R$ 60,00 e R$ 62,00 em muitas localidades do interior. Ou seja, graças especialmente às especulações sobre o clima nos EUA, como sempre ocorre nesta época, o mercado oferece nova janela de comercialização aos produtores na busca de uma média final melhor. Vale lembrar que a última semana de junho havia terminado com o preço no balcão gaúcho valendo R$ 59,21/saco na média. Além disso, e a título de comparação, no ano passado o mês de junho terminou com tal média valendo R$ 80,70/saco. Ou seja, nos últimos 12 meses terminados em junho/17 a perda nominal no preço médio de balcão gaúcho chegou a 26,6% ou R$ 21,49/saco. Dito isso, dois alertas se impõem: 1º) o clima nos EUA deverá continuar sendo o centro da especulação sobre os preços, pelo menos entre julho e agosto, fato que ainda pode oferecer novas janelas de alta nas cotações; 2º) não se pode ignorar, todavia, que a atual área semeada com a oleaginosa (36,2 milhões de hectares) é a maior da história estadunidense, fato que, em clima normal, deve levar a colheita local para um novo recorde a partir de fins de setembro. Além disso, os estoques trimestrais de soja, na posição 1º de junho, nos EUA, estão 11% acima do registrado no mesmo período do ano anterior (26,2 milhões de toneladas). Assim, será preciso muita atenção dos produtores brasileiros (o Rio Grande do Sul ainda teria cerca de 50% de sua última safra em estoque e o Brasil 35%) para não desperdiçarem as janelas de oportunidade. Afinal, os aspectos fundamentais do atual mercado (oferta e demanda) continuam baixistas e as oscilações, que tendem a ocorrer nas próximas semanas, dependem particularmente do clima no Meio Oeste estadunidense. Este, por sua vez, ainda não definiu uma tendência, devendo gerar grandes volatilidades nos próximos dois meses. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink