Armazenamento

Agronegócio

Armazenamento

Por: -José Luis da Silva Nunes
8832 acessos

Armazenamento

 

A massa de grãos armazenada constitui um ecossistema em que estão presentes elementos abióticos e bióticos. Os abióticos são as impurezas e o volume de ar, enquanto os bióticos são organismos tais como os próprios grãos, insetos, ácaros, microrganismos e roedores. As técnicas de conservação de grãos fundamentam-se na manipulação dos fatores intrínsecos e extrínsecos à massa de grãos, visando à preservação das qualidades dos produtos armazenados.

Desta forma, juntamente com o esforço para o aumento da produtividade, necessariamente há que se aprimorar as condições de armazenagem. O nível tecnológico do armazenamento será estabelecido de acordo com o volume a ser armazenado e a disponibilidade de recursos para a construção e para os equipamentos que constituirão a unidade armazenadora. Dessa forma algumas medidas são recomendadas para um processo de armazenagem adequado, como:

a) Carregar os silos com grãos já resfriados. Como na safra isso é operacionalmente difícil, pode-se carregar com grãos parcialmente resfriados. Nesse caso, deve-se ligar o ventilador e a partir desse momento, e com o ventilador ligado, podem ser colocados os grãos diretamente no silo, sem resfriamento prévio, cuidando-se para que não sejam submetidos a correntes de ar frio, durante o transporte do secador até o silo. Além disto, os grãos devem ser mantidos nos silos com as temperaturas mais baixas possíveis, por aeração, a fim de dispersar, remover ou distribuir a umidade e o calor acumulados;

b) Depois de o silo estar carregado, deve-se proceder medições da temperatura da massa de grãos em vários pontos diariamente, à mesma hora. Se os grãos começarem a aquecer, ligar o ventilador quando o aumento se situar entre 3 e 5ºC, desligando-o quando resfriar (geralmente um dia é suficiente);

c) Fazer transilagem ou intrassilagem a cada 30 a 60 dias, independentemente de aquecimento, para eliminar focos de anaerobiose e reduzir os efeitos da compactação;

d) Para armazenamento em sacaria, reduzir em 1 ponto percentual a umidade referencial de armazenamento no silo-aerado, se nas mesmas condições climáticas;

e) Manter boa ventilação nas pilhas, utilizar estrados de madeira com altura mínima de 12 cm e que permitam boa circulação do ar também por baixo das pilhas. Evitar alturas superiores a 6 metros nas paredes dos armazéns e limitar a altura das pilhas em 4,5 metros;

f) As boas condições de higiene e sanidade nos silos e nos armazéns são fundamentais para a conservabilidade dos grãos;

g) No caso de sementes, manter os lotes individualizados e devidamente caracterizados quanto aos itens nome do produtor, procedência, número e/ou letra do lote, quantidade, data, espécie, cultivar, umidade, pureza e germinação, no mínimo;

h) Aparecendo pragas, qualquer que seja a população, realizar expurgos de acordo com o Receituário Agronômico e sob a orientação, supervisão e responsabilidade técnica do Engenheiro Agrônomo que emitir a receita, considerando as informações técnicas pertinentes. Em grãos armazenados que se destinem à alimentação humana, por exigências legais e pelos riscos de desenvolvimento de fungos produtores de micotoxinas, principalmente, a partir do ataque de insetos e/ou de ácaros, deve ser aplicada a tolerância zero;

i) O controle de pragas por expurgo ou fumigação deve ser realizado por métodos também conhecidos por herméticos, onde é introduzido o inseticida, que libera aos poucos um gás letal. Esse gás, denominado fumigante, é letal para os insetos de grãos armazenados;

j) Nos insetos adultos e nas fases jovens (larva e pupa), age através do seu sistema respiratório, enquanto na fase de ovos, a difusão de gás ocorre através da membrana ou canais respiratórios. É letal também para o homem, os animais domésticos, os ratos, os pássaros, etc.

O principal inseto praga que ataca os grãos de arroz armazenados é uma curculionídeo, conhecido gorgulho (Sitophilus oryzae). Tanto larvas como os adultos são prejudiciais e atacam grãos inteiros. Os danos se verificam na redução do peso e na qualidade do grão.

O uso de métodos de controle para pragas de grãos armazenados, associado aos procedimentos corretos de colheita, limpeza e armazenagem permite a manutenção por longo tempo da qualidade dos grãos armazenados. 

 

José Luis da Silva Nunes

Eng. Agrº, Dr. em Fitotecnia


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink